Está tudo bem se você não está bem: Lidando com o luto

Quando o primeiro dente do meu filho nasceu, quando ele deu o primeiro passo, quis ligar para minha mãe. Contar para o meu pai. Mandar fotos para os meus irmãos. Mas não posso. E jamais poderei.

Sentir pressão para ficar bem

Os meus pais e dois dos meus irmãos morreram há sete anos. Ainda me lembro como se fosse a semana passada. Lembro-me de descobrir que tinham partido. Eu tinha acabado de voltar de minha missão de tempo integral, e tinha que planejar um funeral. Mas mesmo depois de tudo ter acabado, a minha jornada de luto estava apenas começando. Este evento traumático liberou emoções que eram mais intensas do que eu sabia que eram possíveis de experimentar.

Sentimentos de raiva, tristeza, insensibilidade, ansiedade e depressão tornaram-se emoções regulares que eu de repente tinha que aprender a lidar. Seria fácil supor que toda dor progride linearmente, terminando em um estado de bem-estar. No entanto, os sentimentos nem sempre acontecem em uma ordem definida. Estes sentimentos vêm e vão ao longo de uma vida.

Às vezes, quando sofremos, sentimos pressão—mesmo subconscientemente—para apenas mostrar as coisas positivas. Pela minha experiência, as pessoas compreenderam que eu precisava de sofrer, mas com o passar do tempo, senti que não me era permitido dizer honestamente como me sentia. Havia uma expectativa de respostas confortáveis – “eu estou bem”, “eu estou ótima” —ao invés da resposta honesta que eu ainda estava vivenciando.

Passando por seu momento de luto

O plano de salvação nos dá a promessa de que, enquanto nós prosseguimos e perseveramos até o fim, teremos a vida eterna” (2 Néfi 31:20). Nós “prosseguimos” exercitando a fé – fazendo coisas como ler nossas escrituras, assistir às reuniões da Igreja, frequentar o templo, e cumprir com nossos chamados. Mas, às vezes, em meio à dor, pode parecer que estamos falhando em ter fé no plano de Deus se mostramos aos outros nossas emoções.

Muitas pessoas nas escrituras experimentaram confusão ou questionamento durante os momentos de dor. Enquanto estava preso na Cadeia de Liberty, o profeta Joseph Smith orou em agonia: “Oh Deus, onde estás?”(Doutrina e Convênios 121:1). Depois que seu pai, Leí, faleceu, Néfi perguntou: “Ó Senhor, redimirás minha alma?” (2 Néfi 4:31). E Jó, depois de tantas provações terríveis, se perguntou por que ele havia nascido (ver Jó 3:11). As escrituras ensinam:

“Tudo tem o seu tempo determinado, e todo propósito debaixo do céu tem o seu tempo:

Tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar;

Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar” (Eclesiastes 3:1, 3-4).

O Pai Celestial entende que durante os momentos de intenso sofrimento ou perda, nós vamos sofrer. Ele sabe que haverá momentos em que choraremos e passaremos por tristeza. Precisamos dessas experiências para avançar com nossas vidas.

Mas mesmo que o Pai Celestial tenha preparado “um tempo determinado” para a dor, às vezes ainda sentimos pressão para seguir em frente ou ser felizes imediatamente. Se o Pai Celestial é paciente conosco durante nossas dificuldades, não deveríamos ser pacientes conosco mesmos?

Se você estiver passando por seu próprio momento de luto, aqui estão algumas coisas me ajudaram:

  • Dê a si mesmo permissão para sentir as coisas à sua maneira e ao seu tempo. Chore quando precisar.
  • Procure ajuda das outras pessoas, e seja honesto sobre os seus sentimentos.
  • Não se sinta mal por passar por momentos de tristeza, mesmo muito tempo depois da perda ter acontecido.
  • Lembre-se sempre que por causa do plano de Deus, podemos sentir paz. As nossas dificuldades não vão durar para sempre.
  • Aprender com o Salvador

O Salvador foi o exemplo perfeito de chorar com aqueles que choram. Ele curou os doentes e elevou os aflitos. Ele ensinou, escutou e amou os outros independentemente de suas dificuldades. Ele até passou por Seu próprio momento de sofrimento enquanto estava no Jardim do Getsêmani.

A dor é uma difícil transição que enfrentamos na vida. Se você está vivenciando um momento de dor, saiba que não há problema em não ter todas as respostas. Se você está tentando ajudar alguém, tudo bem não saber o que fazer. O Salvador estende este alívio a todos: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” (Mateus 11:28).

O Élder Ulisses Soares do Quórum dos Doze Apóstolos nos lembra: “Devemos lembrar que Ele conhece a cada um de nós e que está ciente de nossas necessidades. Precisamos confiar no Senhor o suficiente para nos aquietarmos e sabermos que Ele é Deus, que Ele está ciente de todas as coisas e que conhece cada um de nós.”

À medida que nos aproximamos Dele em nosso momento de dor, podemos encontrar paz na esperança de que “todas as coisas contribuirão para o [nosso] bem” (Doutrina e Convênios 90:24).

Fonte: ChurchOfJesusChrist.org

| Fé em Jesus Cristo

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *