Mulher orando

Por Dvorah Governale

Quando você está saudável, tem todo o dinheiro que precisa e seus filhos estão brincando alegremente (e silenciosamente), ser grato é, provavelmente, mais fácil.

Mas o que acontece nos momentos de provação? Ou em tempos de grandes catástrofes naturais? Quando acreditamos em um Deus Todo Poderoso, culpar Ele pode parecer uma resposta simples.

Perseverar nas provações com fé e gratidão pode ser difícil. A resposta para conseguirmos fazer isso pode vir de uma fonte incomum: a borboleta despretensiosa.

Folha chegando na estação do inverno.

As mudanças de estações afetam a todos nós.

Em sua mensagem na revista Liahona, Santos Para Todas as Estações, o Presidente Uchtdorf descreve a bela paisagem onde ele cresceu e como ela se transforma com a mudança das estações – a explosão do verde na primavera, o agradável céu azul do verão, os brilhantes tons quentes do outono, e as vastas camadas de neve branca e imaculada do inverno.

Ele continua: “Em nossa vida, também temos estações. Algumas são quentes e agradáveis. Outras não. Alguns dias de nossa vida são tão belos quanto as fotografias de um calendário. E há também dias e situações que causam sofrimento e podem trazer à nossa vida profundos sentimentos de desespero, ressentimento e amargura”.

Quando ele diz que não é possível ter uma vida só de verões, ele nos lembra também que isso não é desejável. Nós não apreciamos ou percebemos a felicidade e alegria sem experimentar a tristeza e frustração que vem das provações e adversidades.

Leí vai mais fundo quando nos diz em 2 Néfi 2:11 que, sem oposição, não haveria retidão.

Presidente Uchtdorf diz “Nosso Pai Celestial onisciente sabia que, para crescerem e tornarem-se os seres que foram concebidos para tornar-se, Seus filhos precisariam passar por estações de adversidade durante sua permanência na mortalidade. Leí, profeta do Livro de Mórmon, disse que sem oposição não haveria retidão. Na verdade, é a amargura da vida que nos permite reconhecer, contrastar e valorizar sua doçura”.

O Presidente Brigham Young disse: “Todos os seres inteligentes que receberem coroas de glória, imortalidade e vida eterna devem passar por todas as provações pelas quais os seres inteligentes têm de passar, a fim de que alcancem glória e exaltação. Todas as calamidades que puderem sobrevir aos seres mortais recairão … a fim de prepará-los para desfrutarem da presença do Senhor. … Todas as provações e experiências pelas quais vocês passarem são necessárias para sua salvação”.

O Que Eu Estou Fazendo de Errado?

Um caminho cheio de neve durante um inverno rigoroso.

Algumas vezes nos desesperamos durante os invernos de nossa vida.

É muito comum ouvir logo após uma catástrofe nacional ou tragédia, ou até mesmo num problema local ou pessoal: “Por que o Senhor permitiu que isso acontecesse?” Durante meu tempo como representante de jovens adultos solteiros tinha uma moça de vinte anos com uma lista de todas as coisas ruins que estavam acontecendo com ela no momento, e ela terminou me perguntando “Dvorah, o que estou fazendo de errado? Por que o Pai Celestial está me punindo desse jeito?”

Eu sorri para ela e respondi que na minha perspectiva tudo que estava acontecendo com ela era o resultado de tudo o que ela tinha feito certo. Nada do que estava acontecendo era um castigo. Falei da fé que ela havia demonstrado, e expliquei que podemos ser gratos pelas dificuldades, porque elas são a prova de que aprendemos e crescemos. Os acontecimentos na vida acontecem para nos ensinar preceito sobre preceito, se formos ensináveis.

É fácil culpar o Senhor quando estamos em tempos difíceis. Ser grato em tempos difíceis é mais difícil. Assim como uma criança vê a hora de dormir como a maior injustiça que seus pais estabeleceram, quando um pai na verdade sabe que o sono vai beneficiar a criança, assim nós clamamos contra a injustiça da adversidade quando não vemos o quanto isso está nos trazendo para mais perto de voltar para nosso lar com o Pai Celestial.

Em Mateus 5:45, o Salvador nos ensina que o sol nasce “sobre os maus e os bons, e a chuva [desce] sobre os justos e os injustos”. Às vezes não conseguimos compreender porque coisas difíceis, mesmo coisas injustas, acontecem na vida.

No entanto, somos lembrados: “Buscai diligentemente, orai sempre e sede crentes; e todas as coisas contribuirão para o vosso bem, se andardes retamente …” (Doutrina e Convênios 90:24).

Presidente Uchtdorf continua a dizer “A questão não é se vamos passar por estações de adversidade, mas como vamos enfrentar as tempestades. Nossa grande oportunidade durante as estações em constante mudança na vida é apegar-nos à palavra fiel de Deus, pois Seus conselhos foram concebidos não só para nos ajudar a resistir às tormentas da vida, mas também para nos guiar a fim de sairmos delas.”

A Luta da Borboleta

Borboleta saindo de um casulo

O esforço da borboleta fortalece suas asas.

Muitos de nós já ouvimos o conto da borboleta que foi descoberta por um jovem rapaz enquanto começava seus primeiros esforços para romper o casulo que a abrigava durante sua metamorfose. O garoto podia ver que era uma luta difícil para a borboleta se libertar do casulo e teve pena dela.

Ele decidiu resgatá-la, auxiliando-a, puxando o casulo para fora para deixar a borboleta livre. Quando a borboleta caiu no galho e tentou abrir suas asas para secar e voar, não conseguiu porque não tinha força suficiente, e em vez disso sua vida foi encurtada, para nunca voar, nunca contribuir com sua beleza ao mundo.

Tarde demais, o menino aprendeu que a natureza tinha projetado aquela adversidade para permitir que a borboleta ganhasse a força necessária no momento em que trabalhava para sair do casulo e ficar livre, para que ela pudesse viver sua vida ao máximo.

Meu chamado atual é como professor dos valorosos de 9 e 10 anos. Estamos atualmente no meio da série de lições que vão desde a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém até a Ressurreição. Nós falamos sobre o exemplo perfeito que Cristo é para nós em nossas vidas, e as muitas lições que podemos tirar disso.

Ao descrever tudo o que Ele suportou para expiar por nós, eu salientei que, se Ele poderia suportar tudo aquilo, então certamente nós somos capazes de suportar qualquer uma das provações que nos são dadas.

Jesus Cristo é Nosso Aliado Nas Provações

Borboleta

Por meio de Cristo podemos encontrar felicidade em tempos difíceis.

O Salvador prometeu guiar-nos nos momentos de provação, se O buscarmos.

Além dessa perspectiva, eu indiquei que por causa de Sua disposição em realizar tal sacrifício, temos um aliado em quem nos apoiar, que literalmente experimentou a nossa dor pessoal e sabe exatamente como nos sentimos em uma determinada dificuldade. Ele pode nos ajudar a encontrar a felicidade em tempos difíceis, porque não existe um “você não sabe como me sinto” quando falamos Dele.

Cristo quer que nos apoiemos Nele nos momentos de provação. Ele quer fazer a diferença que não podemos fazer por nós mesmos. Seu amor por nós não pode ser descrito.

Ele é o Segundo Consolador, e nos diz em João 14: 18-19, 21 “Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós. … vós me vereis; porque eu vivo, e vós vivereis. … Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.”

Durante nosso tempo em Maine, nosso presidente de estaca passou pela tragédia de perder um de seus filhos. Taylor tinha 17 anos e era conhecido e amado por muitos.

Eu posso conhecer a dor da perder um filho que eu sonhava ter, mas eu sei com certeza que eu não consigo entender a dor de perder um filho que nasceu e foi criado. Eu imagino que essa deve ser a mais horrível experiência que uma pessoa venha a suportar.

Alguns anos após a morte de Taylor, durante a última parte da Conferência da Juventude, o nosso presidente da estaca falou sobre isso para os jovens homens e mulheres. Ele estava viajando a trabalho quando recebeu a terrível notícia.

Ele disse aos jovens “Eu não sei se já lhe foi dito algo que simplesmente te fez cair de joelhos; mas foi isso o que aconteceu comigo naquele momento”.

Ele passou a dizer a esses jovens – pessoas que foram escoteiros com Taylor, dançaram com ele nos bailes da igreja, sentaram-se com ele durante as aulas do sacerdócio, deixaram o acampamento das moças para participar do velório dele – “Eu tenho que dizer honestamente que, se tivesse a oportunidade de ter esse evento trágico apagado, de ter o meu filho na minha vida hoje, eu não tomaria essa oportunidade”.

“Por meio dessa experiência eu vim a conhecer o Salvador em um nível que eu sei que não teria sido possível de outra maneira. Sei que fomos convidados a suportar isso para virmos para mais perto Dele”.

Conhecendo o Cristo

Campo florido

Por desígnio, nossa experiência pode nos trazer para mais perto de Cristo.

Somos enviados à Terra para crescer de maneiras que não poderíamos sem um corpo. Fomos capazes de aprender muito como filhos na casa de nossos pais, mas passamos a aprender exponencialmente mais, e em um ritmo mais acelerado quando saímos de casa para viver nossa vida. Acontece o mesmo quando vivíamos com nosso Pai no Céu e escolhemos vir para cá.

Enquanto estivermos aqui, temos de aprender a abandonar nossas tendências egoístas e assumir a abordagem mais espiritual do serviço e do amor.

Cristo diz: “E também em verdade vos digo que é vosso privilégio e uma promessa faço a vós que fostes ordenados para este ministério que, se vos despirdes de invejas e temores e vos humilhardes perante mim, pois não sois suficientemente humildes, o véu será rompido e ver-me-eis e sabereis que eu sou” (Doutrina e Convênios 67:10).

Devemos nos lembrar que temos de passar por todas as estações, tanto agradáveis como dolorosas. Mas não importa a época, se confiarmos a nossa esperança em Jesus Cristo, e continuarmos em direção a Sua luz, estaremos caminhando firmemente em direção a nossa meta celestial de voltar para o lar que escolhemos sair.

Saímos de lá para experimentar e suportar as provações que concordamos passar, para que nós, como a borboleta, ganhemos a força que precisamos, para abrir nossas asas e cumprir o nosso potencial, acrescentando beleza ao mundo da maneira que o Senhor sabe que podemos cumprir.

Borboleta

 

Artigo original em LDS.net. Traduzido por Esdras Kutomi.