Igreja Mórmon

Existem dois pontos que precisam ser clarificados antes de começarmos essa conversa. O primeiro é que o termo mórmon não é a melhor maneira de referir-se aos membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos. Os santos dos últimos dias, como preferem ser conhecidos, utilizam em seu canôn um livro sagrado chamado Livro de Mórmon e por isso muitas pessoas os conheceram como mórmons. O nome correto da igreja é A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Outra discussão é sobre o termo latino. O que significa ser latinoamericano? O teórico cultural e sociológo Stuart Hall escreveu um livro dedicado ao tema “identidade”[1]. Segundo o autor os indivíduos formam identidades culturais partindo da sensação de “pertencimento” (eu faço parte) a culturas étnicas, raciais, línguisticas, religiosas e nacionais.

Considerando-se estes aspectos os brasileiros ficaram historicamente um pouco perdidos em sua identidade latinoamericana. Sim é verdade que tanto a América espanhola quanto a portuguesa foram colônias de exploração, passaram por processos de independência tardios e hoje são países com situação financeira instável. Por outro lado é mentira crer que os latinoamericanos se veem a si mesmo da mesma maneira. Talvez o primeiro ponto deste dilema seja o idioma. Ao dividirem-se entre falantes de espanhol e português produziu-se uma cultura social diversa. Se você é brasileiro provavelmente não cresceu dançando bachata, salsa e regatom. Você provavelmente se sente mais familializado com o forró, samba e outros ritmos populares no Brasil.

Neste texto o termo latinoamericano se refere a toda a América que não é os Estados Unidos. Começando no México e terminando no Chile e Argentina. O título correto para o artigo poderia ser:

“O futuro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é Centro-Sul americano”

Feitas as discussões sobre o título sigamos com as razões pelas quais o futuro da igreja mórmon é latinoamericano:

História da Igreja

igreja mórmon

O início da Igreja mórmon nos Estados Unidos.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias foi fundada em 06 de Abril de 1830. Os membros acreditam que o profeta Joseph Smith que vivia em Nova York foi usado pelo Senhor para restaurar o evangelho. Logo após a primeira visão que Joseph Smith teve em 1820 o livro de mórmon foi traduzido e o sacerdócio restaurado. Pode se considerar que com a impressão do Livro de Mórmon o trabalho missionário foi instaurado. Um dos primeiros conversos do Livro de Mórmon foi o segundo profeta da Igreja o presidente Brigham Young.

Em sua fase inicial ainda nos Estados Unidos, por motivo de perseguição a igreja começou a migrar de um Estado para outro. De Nova York foi para Kirtland (Ohio). Depois para o Missouri e Nauvoo. A última leva migratória dentro do território norte-americano aconteceu quando em 1845 os santos deixaram a bela cidade de Nauvoo e caminharam em direção ao Oeste. O vale era Salgado, o solo era rochoso, as terras infestadas de índios, nestas condições os santos puderam encontrar a paz necessária para o fortalecimento e crescimento da igreja.

A Igreja fora dos Estados Unidos

Em 6 de Abril de 1849 o profeta Brigham Young convocou os membros do quórum dos doze apóstolos a saírem em missão. Erastus Snow e vários élderes deram início ao trabalho missionário na Escandinávia, enquanto Lorenzo Snow e Joseph Toronto viajaram para a Itália. Addison e Louisa Barnes Pratt voltaram ao antigo campo de trabalho dele nas Ilhas Society. John Taylor foi chamado para a França e a Alemanha.

No campo de trabalho, os missionários testemunharam milagres e batizaram muitas pessoas. Em agosto de 1852, numa conferência especial realizada em Salt Lake City, 106 élderes foram chamados para servir em missões no mundo todo. Esses missionários, bem como os outros que foram chamados mais tarde, pregaram o evangelho na América do Sul, China, Índia, Espanha, Austrália, Havaí e Pacífico Sul. Na maioria dessas áreas, os missionários tiveram pouco sucesso inicial. Entretanto, plantaram sementes que, mais tarde, resultaram em muitos batismos.

O Élder Edward Stevenson foi chamado para a Missão Gibraltar, na Espanha. O governo expulsou os missionários da Polinésia Francesa em 1852, mas os santos convertidos mantiveram a Igreja viva até nova tentativa missionária em 1892.

De uma forma geral o programa missionário possibilitou que a igreja se tornasse uma igreja mundial.

O futuro da igreja mórmon é latino

Se você é capaz de falar: inglês, espanhol e português, você é capaz de se comunicar com 90% dos membros da igreja sud em todo o mundo. Estados Unidos, Brasil e México formam as três maiores comunidades sud atualmente.

O professor Ignácio Garcia, da Universidade de Brigham Youg, disse a BBC News que a igreja mórmon não está crescendo na Europa e entre os brancos dos Estados Unidos como antes:

“O crescimento da igreja sud, salvo pelo número de nascimentos naturais é proveniente de pessoas de cor: asiáticos, africanos e latinos. Um dia esta igreja será uma igreja de gente de cor e uma vez que este ponto de transição chegue, não irá voltar atrás”

De acordo com o Centro de Pesquisa Pew 7% dos mórmons dos Estados Unidos são latinos ao mesmo tempo os latinos são o grupo de maior crescimento na igreja. Entre 2000 e 2010 o número de congregações no idioma espanhol duplicou e  enquanto isso a América Latina tem a maior taxa de crescimento  dos mórmons em todo o mundo. Os mórmons estão ativos em todos os países latino americanos, exceto por Cuba.

O professor Garcia segue falando sobre um outro interessante ponto a ser pensando. A possível mudança de “cara” mas não de autoridade das Autoridades Gerais da igreja nos próximos anos:

“Não acredito que exista ninguém na hierarquia da igreja que não possa ver que esta será uma igreja de mestiços nos próximos 25 anos. Os costumes e líderes da igreja finalmente terão que refletir essa realidade.”

A lista de famosos mórmons incluem David Archuleta e o congressista Raúl Labrador de Idaho. Ambos com raízes latinas.

igreja mórmon

Membros da igreja mórmon celebram o festival latino na Universidade de Brigham Young. (foto cortesia de Ricardo Meza)

Além das razões missionárias

Além do aumento do número de membros por batismo, uma outra razão pode ajudar a compreender a solidificação de uma comunidade latina sud dentro do território dos Estados Unidos. Jorge Iber professor da faculdade de Tecnologia do Texas, autor de “Hispanics in the Mormon Zion”, ressalta um aspecto da experiência sud em termos práticos. Onde mais um indivíduo recém chegado da América Central ou do Sul pode instantaneamente se conectar com uma instituição poderosa e ser abraçado em uma comunidade devido a suas crenças espirituais?

Os migrantes que povoam o território norte americano, encontram na igreja uma comunidade que os abriga e os mantém vinculados ao seu país de origem.

” A medida que mais latinos tem chegado, incluindo um número indeterminado  que não possuem documentos, a igreja tem tido que considerar sua posição sobre imigração. Os hispânicos que pensam em unir-se a igreja não estão de acordo que a igreja adote políticas anti-imigrantes”. (Jorge Iber).

Em 2014 a igreja saiu em apoio da reforma migratória integral. Em 2010 se  aprovou o pacto de Utah, uma declaração que convida ao tratamento humanitário dos imigrantes. Ricardo Meza que é presidente do clube latino da Universidade de Brigham Young é uma testemunha da necessidade de compreensão entre as duas comunidades a americana e a latina.

Igreja mórmon

Ricardo Meza é parte da igreja mórmon e preside o clube latino da Universidade Brigham Young.

De acordo com o Livro de Mórmon Jesus apareceu na América Antiga depois de sua crucificação e ressurreição. Esssa crença é muito bem aceita por membros da comunidade latioamericana que se sentem parte da história do Livro de Mórmon.

Sujey Vega  professor assistente da Universidade do Estado de Arizona enfatiza que a  cultura latina se encaixa bem na cultura mórmon. Vega  relembra que a história de migração da igreja também reforça o sentimento de pertença dos  latinos que deixam seu país em busca do aprendizado de um novo idioma e melhores oportunidades de vida. O mesmo sentimento de pertença e empatia se dá com os missionários sud que entedem os dilemas de adaptação vividos pelos imigrantes.

Existe uma profunda coneção teológica entre os latinos e os mórmons. Por todos esses motivos celebremos! O futuro da igreja mórmon é latino.

 


Bibliografia

El futuro de la iglesia mormona? Es latino. Publicação original por  Raul A. Reyes para NBCNews.com e tradução ao espanhol por mormonsud.org (aqui)

[1] A Identidade Cultural na pós-modernidade. Stuart Hall, DP&A editora. (aqui)

O Sagrado lugar da restauração – Élder Mazzagardi, Conferência Geral, Conferência Geral, Abril 2016. (aqui)

O Nosso legado: resumo da história da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. (aqui)