Em 24 de agosto de 2013, o Élder Jeffrey R. Holland veio visitar nossa missão. Todos os missionários se reuniram em um prédio da Igreja, ansiosos para encontrá-lo. Ele falou com poder, e lembro-me do Espírito testificando-me que ele era de fato um apóstolo do Senhor e que tudo o que ele disse era de Deus.

Lembro que ele deu a cada um de nós uma promessa. Ele disse: “ao servirem as vossas missões com todo o vosso coração, mente e força, as vossas famílias serão protegidas”. Eu fiz uma promessa para mim mesma, em seguida, que, independentemente de como ou estivesse cansada, eu serviria ao Senhor da melhor maneira que pudesse.

O tempo passou e eu enfrentei muitas provações. Durante um período particularmente difícil, eu pedi a um dos meus líderes da zona uma bênção. Na bênção, ele me disse que eu não precisava me preocupar com a casa. Minha família estava segura e permaneceria segura por causa da minha decisão de servir. Novamente, senti que a confiança que o Senhor cumpriria Sua promessa.

Mas em 23 de fevereiro de 2014, apenas três dias após completar um ano que eu havia entrado no CTM, minha vida mudou para sempre.

Era 10:30 de uma noite de domingo, e eu tinha acabado de fazer minhas orações antes de dormir quando ouvi uma batida na porta. Depois de uma pausa intrigada, minha companheira e eu atendemos a porta. Lá estavam as duas últimas pessoas que esperávamos: nosso presidente de missão e sua querida esposa, cada um com uma expressão sombria.

Eles me deram um abraço, e eu sabia que naquele momento algo estava muito, muito errado. Com lágrimas nos olhos e uma voz instável, meu presidente de missão me disse o impensável. Um acidente aconteceu na minha casa em Idaho. Durante a noite anterior, monóxido de carbono tinha enchido a casa, matando minha mãe, meu pai e meus dois irmãos mais novos, Keegan e Liam.

Fiquei tão chocada que não conseguia respirar. Eu não acreditei. Eu tinha acabado de falar com eles naquele Natal. Eu tinha acabado de trocar e-mail com minha mãe na semana anterior. Mas, por mais que eu tentasse negar, eu sabia no meu coração que eles estavam certos. Minha companheira e eu fizemos uma mala simples para ficar na casa da missão naquela noite.

O meu presidente de missão ofereceu-me uma bênção. Eu senti que estava em extrema necessidade de uma, e ele me deu uma bênção muito poderosa. Embora eu não me lembre de todas as palavras que ele falou, eu me lembro do sentimento de paz que me consolou.

No entanto, naquela noite, quando eu estava deitada na cama, não conseguia dormir.

O dia seguinte foi um borrão e recebi muitas cartas de apoio. Consegui falar com o meu terceiro irmão, Ian, que também estava longe da tragédia, porque ele estava servindo na missão de South Dakota Rapid City. Estávamos ambos muito confusos e incertos sobre o que faríamos sem a nossa família.

Na semana seguinte, eu voei para Salt Lake City e encontrei Ian. Fazia 18 meses desde que tínhamos nos visto, e eu estava muito feliz em vê-lo. Nós voamos para Pocatello juntos e saímos do avião com os braços em volta um do outro, cumprimentando membros chorosos de nossa família estendida. Foi assim que as nossos familiares nos viram — como uma frente unida com a intenção de permanecermos unidos e buscando apoio mútuo.

Para mim, foi uma força tê-lo comigo. Fomos inseparáveis naquela semana.

O funeral

Vimos uma excelente efusão de amor no funeral. Tantas pessoas assistiram a ele que tiveram que transmiti-lo em dois centros de estaca.

Sabíamos que muitas das pessoas presentes não seriam membros da Igreja, então sentimos a impressão de fazer desta uma oportunidade missionária. As pessoas que falaram testemunharam o plano de salvação, e alguém cantou a canção “Suas mãos”. O Espírito estava muito forte, e havia muitos que comentavam o sentimento de paz presente.

O início de um “novo normal”

Enquanto tentava recuperar e encontrar o meu “novo normal”, outra pergunta ecoava para meu irmão e para mim: “Quando você vai voltar para o campo missionário?”

Alguns dias se passaram. Ian sentiu que tinha recebido sua resposta imediatamente e ficou impressionado que ele precisava ficar em casa. Eu, por outro lado, não senti que o Senhor estava respondendo às minhas orações.

Na manhã seguinte de sábado, um pensamento claro veio em minha mente. Eu sabia que não era meu. Ele simplesmente disse, “Você precisa fazer um blog sobre sua experiência”. Achei estranho. Eu tinha feito um blog durante a missão, depois que a Primeira Presidência anunciou que os missionários começariam a usar ferramentas de proselitismo online, mas eu compartilhei principalmente impressões sobre as escrituras. Não sabia como ia fazê-lo, mas a impressão era muito forte.

Seguindo minha inspiração, comecei a compartilhar no blog minhas experiências. Meu primeiro post foi curto e simples e explicou o que tinha acontecido e sobre o que seria o meu blog.

Comecei a receber mensagens de pessoas que haviam lido meus posts. Alguns deixaram-me mensagens de gratidão e disseram-me que as minhas palavras eram uma resposta às suas orações. Alguns explicaram que haviam perdido um ente querido, mas nunca sabiam como compartilhar os sentimentos e que meu blog os tinha ajudado. As pessoas até pediram para usar meu blog em suas lições de Igreja ou discursos sacramentais.

A decisão de voltar

Ao longo do ano passado, aprendi que às vezes o Senhor nos pede para seguir mandamentos que não entendemos. Às vezes, Ele exigirá que façamos coisas muito duras quando nos sentimos extremamente fracos. Às vezes, Ele vai pedir-nos para fazer mais coisas do que sentimos que somos capazes de fazer. Mas enquanto O colocarmos em primeiro lugar, as bênçãos virão.

Dois meses após o funeral, Ian e eu conseguimos assistir à conferência geral de abril em Salt Lake City.

Cerca de uma semana depois, Ian e eu estávamos conversando, e ele confessou-me que durante a conferência geral ele sentiu uma forte impressão do Espírito que ele precisava terminar sua missão. Aquilo ficou em sua mente que a semana inteira, e ele estava ansioso para voltar.

O Ian voltou nas próximas semanas. Ele saiu calmamente, contando apenas para algumas pessoas. A devoção do meu irmão ao Senhor me ajudou a superar a dor de vê-lo sair de novo.

Nós nunca estamos sozinhos

Já faz um ano que minha família faleceu. As pessoas ainda me perguntam como eu estou indo.

Nem sempre tenho a resposta. Há dias que são intensamente difíceis. Às vezes, há dias em que dói acordar de manhã. Ainda penso na minha mãe, no meu pai, em Keegan e em Liam muitas vezes todos os dias.

Foi um ano de provações para mim e minha família, para dizer o mínimo, mas também foi um ano abençoado. As ternas misericórdias do Senhor nunca cessam. Eu tive que aprender por mim mesma o quanto Deus realmente me ama. Minha missão me ajudou a me preparar para essas experiências; no entanto, quando voltei para casa foi que tive que realmente colocar essas lições à prova. Eu acho que quando não leio as escrituras ou se não reservo tempo para realmente falar com meu Pai Celestial, é aí que entra o adversário. Aprendi que não posso fazer isso sem a ajuda do meu amoroso Pai Celestial.

Também passei a amar melhor, apreciar e compreender a Expiação de Jesus Cristo. Sei que nunca a compreenderei plenamente durante esta fase de estágio do plano eterno do Pai Celestial, mas tenho um testemunho firme dela. Passei a perceber que a Expiação não é apenas dada para que possamos nos arrepender. Ela foi um ato de serviço por amor a nós. A Expiação foi dada para que possamos nos arrepender e estar com nossa família terrena e nossa família celestial para sempre.

E por isso, sou eternamente grata.

Muitas vezes refleti sobre aquela bênção apostólica que me foi dada como missionária, e percebi que a promessa do Élder Holland foi cumprida. Minha família está bem. Não, eles não estão com o Ian e comigo agora, mas eles estão perto de nós sempre. Eles estão mais seguros do que poderiam estar aqui na terra.

Somos uma família eterna, e o Pai Celestial manteve a promessa de manter minha família segura se Ian e eu servimos nossa missão com todos os nosso coração, poder, mente e força. E nós sempre nos esforçamos para sermos dignos dessa promessa à medida que continuamos a realizar nossa missão nesta terra.

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

Terapeuta responde: “Minha esposa morreu e eu não consigo superar”