Escândalo de Watergate

Este artigo sobre o escândalo Watergate foi publicado em LDS.net por Russell Stevenson e traduzido para o mormonsud.net.

David Todd Christofferson caminhou pela calçada com o juiz, discutindo assuntos que mudariam o futuro político da América para o futuro previsível.

Nascido em Utah County, Todd viveu em Pleasant Grove e Lindon até os 15 anos de idade. Quando ainda era jovem, ele se mudou para Nova Brunswick e, em seguida, Somerset, Nova Jersey, mais um subúrbio na onda de empreendimentos habitacionais construídos após a Segunda Guerra Mundial.

Christofferson dá o crédito de seu sucesso futuro, em parte, ao papel inspirador de uma mulher em sua congregação local, Anna Daines, um dos membros leais da Igreja em Nova Jersey. “Irmã Daines tomou conhecimento de mim e muitas vezes expressou confiança na minha capacidade e potencial, o que me inspirou a alcançar patamares mais elevados – mais elevados do que eu teria sem o incentivo dela.”

As pessoas não devem “reduzir o poder”, Christofferson lembrou sobre sua juventude, “que um bom exemplo pode proporcionar … você olha para trás e se lembra, ‘eles foram fortes. Eu posso ser forte’.” [1] Décadas mais tarde, Christofferson olhou para o passado e observou que ele também foi “incrivelmente abençoada” pela influência moral de sua mãe. [2]

Homem de Família

Christofferson era mórmon baby boomer por excelência: correto, mentalmente exigente e persistente. Depois de se formar na Franklin High School, Todd voltou à sua terra natal em Utah County para estudar na Universidade Brigham Young. Durante o controle da multidão em um jogo de futebol da BYU, Katherine Jacob, um membrodas Cougarettes (trupe dançarina da BYU), chamou sua atenção: “Aquele rosto ficou na minha cabeça”, ele recordou. Todd vasculhou o anuário do ano seguinte, e – sendo a BYU ma comunidade relativamente coesa – fez um amigo em comum marcar um encontro com ela. [3] O par casou-se em abril de 1968 e viajou através do país para o próximo capítulo.

D Todd e Kathy Christofferson - casamento

Casamento de D Todd e Kathy Christtofferson. Imagem via LDS.org.

Aceito na Duke University, uma das maiores escolas de direito de prestígio da nação, o futuro de Todd estava repleto de esperança. Walter E. Dellinger, um professor de direito associado da Universidade de Duke (agora o professor emérito Douglas B. Maggs) considerou o jovem Mórmon como “um brilhante e capaz estudante de direito de caráter exemplar e personalidade revigorante”. Perspicaz, Dellinger declarou que as habilidades de articulação oral de Todd eram exemplares:  “um dos melhores alunos de defesa oral que eu já vi”. Melhor ainda, a conduta de Todd era agradável: “enquanto … calmo e ponderado, sua mente é precisa e seu raciocínio claro”. Christofferson era “uma pessoa agradável com quem trabalhar.” [4]

No verão de 1971, ele assumiu o trabalho como um associado de verão no escritório de advocacia em Cleveland; o parceiro C. Richard Brubaker elogiou Todd como “um dos melhores jovens que já tive a oportunidade de me associar … maduro, inteligente, auto-suficiente, trabalhador e responsável.” [5] Ele também foi membro do conselho editorial da Duke Law Review e como o vice-presidente acadêmico da Associação de Estudantes da BYU. Que Todd tinha o talento e carisma para liderar era evidente para todos.

Ele deixou a BYU durante um ano de eventos que sacudiu o país. Ao longo de alguns meses, tanto Martin Luther King Jr. e o senador Robert F. Kennedy foram assassinados. Christofferson chegou em um campus que, embora mais tranquila em comparação com universidades como a Universidade da Califórnia-Berkeley ou Universidade de Nova York, exalava uma atmosfera de descontentamento. Naquele mês de abril, estudantes marcharam para declarar que “estamos todos comprometidos” com a morte do Dr. King. Mas o protesto mostrou ser um que procurou defender -em vez de desmantelar – sistema. Como um participante nos protestos observou, “os administradores de Duke eram bons homens em más posições que só precisavam ser educados”. [6] Christofferson era um segundo-tenente da Reserva do Exército dos Estados Unidos e tinha pouco interesse nos movimentos do protesto, Woodstocks ou orgias que participavam outros jovens adultos.

Enquanto Christofferson progredia na escola de direito, Katherine Jacob Christofferson deu à luz seu filho jovem, Todd Andrew. Christofferson recorda o nascimento como uma “experiência sagrada”, mas depois brincou dizendo que podia ouvir a réplica de sua esposa: “É fácil para você dizer isso. Não foi você o único a sentir dor”. Aqueles que a conhecem, observou Christofferson, poderiam facilmente dizer que ele “casou com alguém muito acima de mim mesmo, uma conclusão que eu concordo plenamente”. Kathy minimizou seus esforços, dizendo que “quando estávamos crescendo, a sociedade em geral era mais propensa a apoiar o comportamento moral do que hoje”. Ela deu créditos a seu bispo na juventude como “maravilhoso e influente nos críticos anos da adolescência” por haver “sentado com cada um de nós individualmente e falado francamente sobre essas decisões morais que precisaríamos fazer”, para enfatizar que “precisávamos ser fortes, e que valia a pena”. [7]

No outono de 1971, Todd começou a procurar um emprego. O Juiz Chefe John Sirica do tribunal do distrito de Washington DC anunciou uma vaga. Todd submeteu sua aplicação em setembro, esperando pelo melhor. Todd ofereceu para ir a Washington entre 21 e 22 de outubro “onde eu estaria disponível para uma entrevista de sua conveniência”. [8] Quando o juiz encontrou Todd, eles se deram bem imediatamente. O Juiz apresentou Todd para sua esposa e filhos.

Christofferson descobriu que as possibilidades eram inspiradoras: “Embora eu tivesse imaginado que aquela era uma oportunidade atraente, a posição parecia ainda mais convidativa do que eu havia imaginado”. Ele estava “mais ansioso do que nunca para conseguir aquele emprego”. Todd não manteve em segredo suas aspirações: “francamente, não há nada que eu desejava mais do que ser selecionado”. [9] Sirica, disse Todd ao assessor de Sirica, Michael Ryan, “é o tipo de pessoa que você gosta e admira imediatamente”. Sirica “fazia o trabalho duro parecer muito bom” – um sentimento que era verdadeiro para um menino mórmon do século 21 que foi treinado para apreciar e apoiar instituições, burocracia e o Sistema. [10]

Sirica achou Christofferson igualmente admirável. Não era seu primeiro encontro com um Mórmon; ele tinha sido um bom amigo de Jack Dempsey, o campeão dos pesos pesados e um mórmon relaxado. Enquanto isso, Christofferson era um homem de família e era “feliz por isso.” [11] Sirica – um pouco timido – insistiu para Christofferson incentivar seu filho, Jack, um novo calouro na Universidade Duke. “Eu gostaria de não te incomodar com um assunto pessoal”, Sirica admitiu. “Como pai, você pode imaginar que é um grande alívio para a Senhora Sirica e eu ter alguém como você, com sua formação e experiência, perto de nosso filho”. Embora eles confiavam que Jack estivesse indo bem na faculdade, “um pouco mais de encorajamento poderia realmente ajudá-lo.” [12]

Christofferson reconheceu a força da competição, “Uma abundante quantidade de pessoas qualificadas” tinha certamente aplicado para a vaga, mas ele pediu a Sirica para “entender que minha aplicação era digna de forte consideração na tomada de sua decisão”. Christofferson estava certo sobre sua concorrência; mais de 200 candidatos haviam aplicado. Em novembro, Sirica fez sua escolha: Christofferson é o homem. Ele certamente tinha “as qualidades necessárias tanto intelectuais quanto pessoais que lhe permitirão lidar com as exigências do trabalho”. Sirica contratou o novo advogado para o termo padrão: um ano, a partir de setembro 1972 até setembro de 1973. Sirica e Christofferson estavam esperando um ano bastante típico no Tribunal Distrital de DC, mas não seria sssim. Em vez disso, Christofferson assistiu “de camarote” e participou de um dos maiores períodos políticos da história americana. [13]

Sirica e Christofferson

Juiz Sirica and Todd Christofferson; “Dean sentenciado de 1 a 4 anos em caso coberto” Washington Post, 3 de Agosto de 1974, 53.

Truques Sujos

Durante anos, Nixon mostrou sua vontade de implantar “truques sujos”, a fim de ganhar vantagem política. Quando Lyndon B. Johnson estava negociando com o Vietnã do Sul para acabar com a Guerra do Vietnã, Nixon enviou uma diplomata ilegal dizendo ao Vietnã do Sul para segurar o acordo, dizendo que ele garantiria um negócio melhor para eles. Em 1970, Daniel Ellsberg, um agente do Departamento de Defesa, vazou o Pentagon Papers – uma série de documentos internos que detalham as falhas contínuas das estratégias dos EUA no Vietnã.

Richard Nixon

Richard Nixon via Telegraph UK.

No ano seguinte, o jornalista mórmon Jack Anderson usou um contato mórmon para adquirir documentos que revelavam a inclinação pró-Paquistão de Nixon no conflito Índia-Paquistão. Em meio a esse turbilhão contínuo de vazamentos e revelações, Nixon estabeleceu o que veio a ser conhecido como uma unidade de “encanadores” para corrigir os vazamentos: “Faça o que tem que ser feito para parar esses vazamentos”, disse ao assessor Charles Colson, “e evite novas divulgações. Eu não quero que ninguém me diga que isso não pode ser feito. Este governo não pode sobreviver, não pode funcionar, se alguém puder sumir e vazar qualquer que for o documento … Eu quero isso feito, custe o que custar”. [14]

No espírito da ordem de Nixon, o procurador-geral John Mitchell e assistente Jeb Magruder formaram CRP: Committee to Re-Elect the President (Comissão para reeleger o Presidente). Mitchell pediu demissão de seu cargo de Procurador-Geral para servir como gerente da campanha para a reeleição de Nixon. A Comissão se espalhou em toda a administração Nixon e no setor privado, que abrangia o assessor da Casa Branca Charles Colson (que, sóbrio, sugeriu que bombardeassem a Brookings Institution).

Um Dia no SPA

O chefe da CRP, Francis L. Dale, proprietário do Cincinnati Reds, amava passar um bom dia no spa; isso permitia uma conversa livre dos ouvidos sempre atentos e dispositivos de escutas do FBI. Nada promovia um ambiente de fraternidade como homens sentados em toalhas enquanto conversavam sobre táticas, inimigos, manifestantes anti-guerra e jornalistas irritantes. [15]

O historiador Gary Wills observou que Nixon não tinha um plano mestre para a corrupção: “o vingativo Nixon era mesquinho, mal direcionado e, finalmente, auto-destrutivo. Ele era desajeitado em tudo, e por que não no crime?” [16] Mas o que faltava em organização a trama compensava com sua vontade de se envolver em violência.

Jack Anderson

Jack Anderson. Imagem via LDS.net.

A trama contra o jornalista Mormon Jack Anderson revela o quanto a CRP estava disposta a quebrar as leis para proteger Nixon de críticas. Até o momento, Anderson tinha uma péssima reputação por revelar informação classificadas através de sua coluna no Washington Post. O assessor da Casa Branca, Charles Colson, não tinha reservas sobre mandar seus agentes para lidar com o mórmon “catador de lixo”. Colson informou Hunt que silenciar Anderson era “muito importante” e que ele estava “autorizado a fazer o que fosse necessário” para realizar a ação. Depois que Hunt contatou Liddy sobre a tarefa, eles “examinaram todas as alternativas e rapidamente chegaram à conclusão de [que] a única maneira capaz de pará-lo era matando-o”. Liddy gabou-se dizendo que ele “poderia matar um homem com um lápis em uma questão de segundos”.

Mas isso seria muito desajeitado.

G Gordon Liddy

G. Gordon Liddy. Imagem via LDS.net.

Os homens entraram em contato com o Dr. Edward Gunn, um consultor médico para a CIA conhecido por sua “aplicação pouco ortodoxa do conhecimento médico e químico” e ex-colaborador da tentativa de derrubada Bay of Pigs (Baía dos Porcos). Gunn recordou mais tarde os homens alegando que “eles tinham um indivíduo que lhes estava dando problemas,” e eles “querima algo que pudesse tirá-lo do caminho.”

Talvez aplicar LSD no volante para causar um acidente fatal? Muito arriscado; a esposa ou os filhos de Anderson podiam dirigir o carro, e usar luvas impediria a absorção total da droga. Organizar uma colisão de auto com outro veículo? Muito envolvente; um agente de colisão treinado “podia não estar disponível”. A CIA era mesquinha com seus recursos e, em seguida, eles poderiam usar o seu pedido como uma chantagem contra eles mais tarde.

Não era possível apenas pagar os cubanos para fazerem o trabalho? Isso tornaria as coisas mais simples para os agentes da CRP que tentavam manter as mãos “limpas”, mas a rede de contatos de Anderson provou ser muito maior até mesmo para eles; Anderson conhecia pessoalmente alguns dos assassinos cubanos que receberam propostas, e um deles inclusive ficou com os Andersons como hóspede amigável. Ansioso, Liddy estava disposto a tomar medidas extremas: “Eu sei que viola a sensibilidade dos inocentes e dos de mente limpa”, observou, “mas no mundo real, você às vezes tem que empregar métodos extremos e ilegais para preservar o próprio sistema cujas leis você está violando”. [17] Por fim, a Casa Branca informou a Hunt que a operação não valia mais a pena. As revelações de Anderson tinham perdido seu impacto, e a Casa Branca tinha uma reeleição para ganhar.

O arrombamento Watergate foi outra peça de um sistema desorganizado e alastrado de violência e corrupção que girava em torno do Escritório Oval. Em 27 de maio, uma equipe de assaltantes, liderado pelo funcionário da CRP, G. Gordon Liddy, invadiu o Watergate Hotel, o local da sede do partido Democrata Nacional, para instalar escutas ilegais de telefone. Quase três semanas depois, em 17 de junho, Liddy ordenou um segundo arrombamento. O contexto, circunstâncias e motivos para a segunda invasão estão entre as maiores especulações e discussões da história americana do século XX. O segundo grupo de homens consistia de refugiados cubanos e ex homens da inteligência que tinham se dedicado à política do Partido Republicano para a década passada: Bernard Barker era um corretor de imóveis da Flórida e ex-oficial da CIA; Virgilio R. Gonzalez, um serralheiro de Cuba; James McCord, um ex-agente do FBI; Eugenio R. Martinez e Frank Sturgis, ambos empregados de Barker. Todos os homens, até certo ponto, haviam colaborado com a fracassada invasão de Cuba durante a administração John F. Kennedy. Nenhuma evidência veio à tona sugerindo que Nixon ordenasse os arrombamentos de Watergate.

Complexo Watergate

Complexo Watergate. Imagem via LDS.net.

O que os ladrões queriam? Sujeira. Debates rodaram sobre o que exatamente os assaltantes estavam tentando desenterrar. Um grupo de historiadores e jornalistas têm argumentado que os assaltantes buscavam adquirir inteligência sobre o aliciamento de prostitutas para democratas proeminentes, que vão desde o presidente nacional do partido Democrata Lawrence O’Brien até R. Spencer Oliver e Maxene Wells. Outros acreditavam que eram as trocas de O’Brien com o bilionário e magnata excêntrico de Vegas, Howard Hughes. Talvez eles pudessem provar que O’Brien estava psicologicamente instável.

Mesmo com tantas esperanças de se obter detalhes picantes sobre a vida noturna dos agentes democratas, a operação tornou-se um espetáculo cômico de total incompetência. A fim de manter a porta do escritório aberta durante as suas entradas e saídas, eles deixaram um pedaço de fita nas portas dos escritórios do primeiro ao oitavo andar. Frank Wills, um guarda de segurança afro-americano, notou a fita durante suas rondas, assumindo que um zelador tinha colocado lá. Ele removeu a fita, apenas para encontrá-la novamente em sua segunda passagem. Como um dos assaltantes lembrou: “Logo começamos a ouvir ruídos. Pessoas indo para cima e para baixo … e então homens correram e gritaram: Saia com as mãos para cima ou vamos atirar”‘ e coisas do tipo”. [18] Quando um jornalista perguntou ao secretário de imprensa da Casa Branca, Ronald Ziegler, sobre o incidente, ele dispensou-o como nada mais do que um “roubo de segunda categoria”. [19]

Escritório do Comitê Nacional Democrata

Escritório do Comitê Nacional Democrata. Imagem via LDS.net.

Apenas duas semanas depois, John Mitchell pediu demissão da comissão, alegando problemas familiares: “Eles pacientemente suportaram minha ausência por cerca de quatro anos, e chegou o momento em que devo dedicar mais tempo a eles”. [20]

“Aqueles tempos”, lembrou o funcionário da CRP John Caulfield, “foram dias de loucura.” [21]

Alguém vai Falar

Em 15 de setembro de 1972, duas semanas após o início do mandato de Christofferson no escritório de Sirica – os homens de ambos os roubos foram indiciados no tribunal de Sirica sob a acusação de roubo, mas todos foram libertados sob fiança. Problemas de saúde que afetavam Sirica atrasaram o início do julgamento. Então, pouco depois do início do julgamento em janeiro, cinco dos sete réus alegaram serem culpados. Sirica pensou que as admissões de culpa fossem parte de uma fachada, mas não havia nada que pudesse fazer para provar isso. O julgamento continuou com James McCord e Gordon Liddy, ambos sendo então condenados. Frustrados com o que ele pensava que ser o encobrimento de algo maior e até mesmo possível perjúrio durante o julgamento, Sirica disse a  Christofferson: “Alguém vai falar. Alguém vai falar”. [22]

Em março de 1973, McCord quebrou seu silêncio. Em 20 de março, Richard Azzaro, um funcionário de meio período e estudante de direito, estava “sentado … com Todd Christofferson” quando ele “[ouviu] a porta se abrir e [viu] o Sr. McCord de pé na sala de recepção”. Azzaro “o identifiquei pelo nome, alertei o Sr. Christofferson da presença do Sr. McCord e eu continuei a falar com ele na recepção”. McCord entregou a Azzaro dois envelopes brancos. Sirica se recusou a se comunicar com todas as partes no litígio em curso; ele deveria se comunicar através de seu advogado ou do oficial da condicional. McCord deu as cartas a seu oficial de condicional, o Sr. Morgan, que os passou para Sirica. [23]

Sirica leu o conteúdo em um tribunal fechado com Christofferson e Azzaro presentes, bem como o oficial de condicional de McCord e Nicholas Sokal, o relator da corte. Depois de decidir que as cartas fossem “gravadas e seladas e as parte transcritas hoje”, Sirica perguntou a Christofferson se ele tinha algo a acrescentar. Christofferson confirmou a decisão de Sirica: “Eu acho que você está certo, Juiz. Deve ser realizada sem qualquer divulgação adicional neste momento”. [24] Christofferson encorajou Sirica para “instruir no registro para cada um de nós mantê-lo confidencial”. [25] No momento apropriado, Sirica entregou a carta de McCord aos procuradores para a consideração do Grande Júri. Enquanto isso, Nixon tentou ativamente impedir a investigação. “Eu quero que todos vocês atrasem isso”, disse Nixon. “Deixe-os invocar a Quinta Emenda, encubram ou façam qualquer outra coisa para salvá-lo – salvar o plano”. [26]

Repórteres acharam Sirica e Christofferson um par incomum. Eles eram “dois homens muito diferentes na formação”. Enquanto Christofferson “não fumava ou bebia”, Sirica “cresceu em circunstâncias agressivas e desordeiras”. [2] O autor mórmon Eugene England colocou Christofferson em uma longa linha de mórmons honrosos envolvidos no caso Watergate, incluindo o congressista de Utah Wayne Owens, o jornalista Jack Anderson, e o senador de Utah Wallace Bennett. Christofferson mostrou “a integridade firme e corajosa nos princípios básicos do Evangelho relacionados entre a liberdade e a liderança autoritária”. De fato, England observou, “algumas das pessoas mais perigosas durante este tempo foram aqueles que, com um fervor religioso, consideravam a si mesmos – ou a seus líderes – o poder exclusivo para resgatar o país … e nesse trágico orgulho destruíram o Estado de direito, a fim de “salvá-lo”. [28]

Uma experiência muito triste

Com as cartas de McCord em mãos, o Grande Juri começou a emitir intimações para a Casa Branca. Naquele mês de abril, o Chefe do Gabinete H.R. Haldeman, o assessor da Casa Branca John Erlichman e o procurador-geral Richard Kleindienst renunciaram. Em fevereiro de 1973, o senador Edward Kennedy apresentou uma resolução para formar uma específico e seleto comitê sobre as atividades de campanha do presidente. O senador de North Carolina Sam Ervin serviu como presidente do comitê, e um promotor especial, o ex-procurador-geral e professor de direito de Harvard Archibald Cox, foram nomeados para supervisionar a acusação dos autores do caso Watergate.

Entre as investigações de Cox e do comitê do Senado, os documentos vieram à tona revelando que Erlichman sabia sobre os Encanadores que invadiram o escritório do psiquiatra de Ellsberg Daniel; um encanador, Egil Krogh, escreveu uma nota dizendo que “uma operação secreta será realizada para examinar todos os arquivos médicos ainda detidos pela psiquiatra de Ellsberg”. Ehrlichman escreveu na nota: “se for feito sob a garantia de que não será rastreável.” [29] Meses mais tarde, o vice-presidente Spiro T. Agrew renunciou sob acusação de fraude fiscal; Nixon nomeou o Representante Gerald R. Ford para substituí-lo.

Em julho de 1973, o ex-secretário presidencial Alexander Butterfield revelou em depoimento ao seleto comitê do Senado que um sistema de gravação ativado por voz existia na Casa Branca, uma revelação que abriu muito mais o caso. Cox, em nome do Grande Júri e do Comité do Senado, pediu a Sirica executar suas intimações para que Nixon enviasse as fitas para revisão. Nixon resistiu, citando privilégio executivo. Sirica finalmente decidiu que Nixon deveria entregar as fitas para visualização pelo tribunal antes de entregar partes relevantes ao Procurador Especial. Ele pediu a Christofferson para escrever uma opinião: “Foi um daqueles momentos”, Christofferson recorda, ” em que você estava grato por estar na profissão do direito”. [30] Afinal, Sirica perguntou: “Que qualidade distinta de uma presidência permite que seus incumbentes retenham provas?” [31]

um esboço do tribunal em 1975 com os invasores acusados do caso Watergate

Um esboço do tribunal em 1975 com os invasores acusados do caso Watergate. Imagem via LDS.net.

Mas Nixon recusou, alegando privilégio executivo. Ele recorreu da decisão para o Tribunal Federal de Apelações, argumentando que a ordem de Sirica representava uma ameaça à “existência contínua da Presidência como uma instituição funcional”. [32] O Tribunal de Apelações encontrou o caso como incomum, para dizer o mínimo: “uma interligação única de eventos improváveis de em breve, se alguma vez, ocorrer”. [33] O Tribunal de Recursos emitiu uma decisão desconcertante: os dois lados precisavam resolver suas diferenças, ou o tribunal emitiria uma decisão vinculativa. Cox ofereceu a Nixon um acordo: a Casa Branca poderia liberar as transcrições que eles achavam relevante, e as fitas poderiam ser revistas por uma parte externa. Mais uma vez, Nixon desafiou a ordem.

Frustrado, Cox ameaçou acusar Nixon por obstrução da justiça a menos que ele colaborasse. Nixon ordenou então ao procurador-geral Elliot Richardson que despedisse Cox. Richardson se recusou e se demitiu. Nixon ordenou ao Procurador-Geral Adjunto William D. Ruckelshaus que despedisse Cox; ele também renunciou. O procurador-geral Robert Bork, finalmente, concordou em obedecer a ordem de Nixon. Essas mudanças invadiram a imprensa como o “Massacre de Sábado à Noite”. Perturbando ainda mais a investigação, Nixon nomeou Francis Dale com seu representante nas Nações Unidas, retirando se dos olhos do público.

Em face de um escândalo público, Nixon nomeou Leon Jaworski como o novo promotor público em novembro de 1973, e Nixon finalmente entregou as fitas intimadas pelo juiz Sirica para sua revisão à portas fechadas. Em 16 de Abril de 1974, Jaworski solicitou uma nova intimação para fitas adicionais. Desta vez, depois de Sirica ordenar que Nixon cumprisse a nova intimação, o caso subiu em recurso diretamente para o Supremo Tribunal. A Suprema Corte determinou que “não se pode concluir que o Tribunal Distrital cometeu um erro de ordenação no exame fechado do material intimado”. [34]

Somando-se o drama estava o “erro terrível” da Secretária Rose Mary Wood, conforme ela testemunhou: ela tinha apagado 18 minutos e meio de conversa a partir do 20 de junho de 1972. [35] Quando ela foi convidada para demonstrar como tal “erro” poderia ocorrer, ela revelou que só poderia ocorrer um desmanche se tivesse esticado tanto um braço e uma perna em direções opostas para pressionar botões de controle simultaneamente (uma contorção ridícula que a imprensa chamou de “Rose Mary Stretch”). De fato, numerosos estudos confirmaram que a porção apagada consistia de uma série de remoções arbitrárias, tornando-a como uma escolha deliberada.

Manchete de jornal - Nixon admite omissão

Manchete de jornal – Nixon admite omissão. Imagem via LDS.net.

Quando Sirica iniciou o processo de revisão das fitas da Casa Branca em dezembro de 1973, ele não ouviu sozinho. Todd Christofferson sentou ao lado dele, ambos usando fones de ouvido. “No começo”, Sirica escreveu, “foi uma experiência impressionante”. [36] Enclausurados na sala do júri de seu gabinete, os dois homens estavam sentados na mesma mesa em que o júri tinha encontrado os assaltantes culpado. Os dois homens tomaram cuidado meticuloso para proteger a integridade das fitas. Christofferson “colocou papel sob o botão de gravar para prevenir uma rasura acidental”. Com o profundo silêncio da sala do júri em torno deles, as vozes do presidente e seus assessores davam a ilusão de sua presença. “Foi a primeira vez na história que alguém que não fosse o presidente e seus próprios assessores tivessem uma visão tão íntima dos trabalhos mais profundos de um executivo americano e sua equipe”. [37]

As fitas foram contundentes. Christofferson e Sirica notaram pela primeira vez que Nixon tinha uma boca suja, e até mesmo o juiz vivido encontrou-se chocado com seu linguajar. “O contraste entre o discurso privado grosseiro de Nixon e o totalmente correto público Nixon” desorientou ele. Pior ainda, ele ouviu por si mesmo a total ausência de interesse do presidente “para limpar a bagunça”. A experiência sacudiu o juiz: “Foi uma das experiências mais decepcionantes da minha vida ter que ouvir agora o que saiu de um dos maiores níveis do governo dos Estados Unidos”. [38] Quando o Procurador Leon Jaworski ouviu a mesma fita, ele se sentiu “muito abalado, tão abalado que eu não queria que ninguém percebesse isso”. Depois de se retirar para o seu quarto, sua mente estalou com atividade: “meu cérebro estava agindo como um telégrafo. Meus pensamentos eram claros, mas eles passavam por minha mente sem pausa, um tornando-se outro e então rapidamente outro”. [39]

As fitas revelaram que Nixon tinha conhecimento sobre o envolvimento dos seus agentes no roubo desde o início, e eles tinham colaborou ativamente para impedir que o governo perseguisse os criminosos. John Dean, conselheiro legal pessoal de Nixon, de acordo com o registro avisou ao Presidente que há “um câncer que cresce na presidência”, e que logo consumiria tudo. Pior ainda, Howard Hunt e outros ameaçaram ir a público mostrando suas ligações com a Casa Branca se não recebessem um suborno.

Christofferson esperava que Nixon explodisse: “O que? As pessoas estão tentando me chantagear? Chantagear o presidente dos Estados Unidos no seu escritório? Eu não vou mais nada”. Em vez disso, o presidente perguntou calmamente a Dean quanto dinheiro seria necessário para mantê-los em silêncio, observando que não seria um problema conseguir o dinheiro. Quando Christofferson ouviu o presidente dizer essas coisas, ele sentiu como se tivesse sido “atingido no estômago” e lutou para respirar. Christofferson tinha votado em Nixon duas vezes, em 1968 e 1972. [40] “Eu estava torcendo para Nixon,” Christofferson admitiu. Mas depois de ouvir a fita, ele se sentiu “estupefato, decepcionado, despedaçado”. O trabalho deles foi envolto pelo mal-estar: “Nós meio que nos olhamos … sem vontade de dizer muito … fomos para casa mais cedo … sem vontade de trabalhar muito”. Foi tudo ” uma experiência muito triste”. [41]

O Único Com Quem Podia Conversar

A ansiedade americana sobre o episódio Watergate atingiu líderes globais excessivamente. O embaixador soviético Anatoly Dobrynin se perguntou: “Como pode a pessoa mais poderosa dos Estados Unidos, a pessoa mais importante no mundo, ser legalmente forçada a renunciar por roubar alguns documentos tolos?” Compelir um líder global a ser “removido por meios legais” era “contrário à mentalidade” da liderança soviética. [42] A mídia britânica esgotou seus telespectadores com a cobertura: “a política americana sempre foi corrupta”, de acordo com os espectadores. “Deixe a América limpar sua própria bagunça”. [43] Na França, escutas telefônicas do governo tinham vindo à tona no debate público; membros do Parlamento esperavam modelar-se após a comissão de Sirica e do Senado tratarem sua própria emissão do “Watergate-on-the-Seine”. [44]

Christofferson se comunicava com os políticos, e a pedido da Sirica, tratou dos pedidos da imprensa. [45] Christofferson reconheceu que tanto ele como Sirica eram “bebês na floresta, enquanto a imprensa estava interessada e aprendia rapidamente”. Enquanto os juízes normalmente proibir seus funcionários de falar com a imprensa, Sirica achava todo aquele circo desgastante, aconselhando Christofferson: “Olha, você lida com eles. Esse é o seu trabalho”. [46]

O novo Procurador Especial, Leon Jaworski, com as fitas relevantes na mão, perseguiu novas acusações contra aqueles que tinha iniciado o acobertamento do caso Watergate. Essa ação se desenrolou em uma base diária. Quando um grande júri entregou a Sirica um relatório de 50 páginas que, essencialmente, indiciava Nixon em vários aspectos, Sirica direcionou para que fosse entregue ao Comitê de Impeachment da Casa. Christofferson entregou pessoalmente o relatório em uma grande mala ao presidente da comissão, Peter Rodino, no Capitólio. Em agosto daquele ano, Nixon renunciou ao cargo, quando artigos de impeachment estavam prestes a serem aprovados na Câmara dos Representantes. Por seus esforços, Sirica foi nomeado Homem do ano de 1973 pela revista Time. [47]

Renúncia do Presidente Nixon

Presidente dos EUA, Richard M. Nixon, senta numa mesa, segurando papéis, enquanto anuncia sua renúnca na televisão, em Washington, D.C. (Foto por Hulton Archive/Getty Images)

A pedido de Sirica, Christofferson serviu como seu secretário para um tempo extra de 16 meses. Em janeiro de 1975, ele mudou-se do turbilhão de Watergate, serviu o seu serviço ativo no Exército e começou a trabalhar em um escritório de advocacia de Washington. Em março de 1976, com a idade de 31 anos, ele se tornou um bispo de sua ala local. Em 1979, Sirica produziu seu próprio livro de memórias de “naqueles dias agitados” de Watergate, e ele agradeceu imensamente a Christofferson por sua “ajuda e apoio durante esses dias difíceis dos julgamentos e audiências”. Christofferson era “o único com quem podia conversar”, disse Sirica ao Associated Press. [48] “Sem a sua ajuda, conselhos e paciência e tudo o mais, teria sido muito difícil para mim tomar essas decisões impressionantes”[49] Christofferson é singelo sobre sua contribuição; ele estava no “lugar certo e na hora certa”, e nada mais.

O que nos protege

A experiência ensinou a Christofferson “lições de vida cruciais” sobre a moralidade pública e a linha que divide os “homens bons” dos “maus”. Ainda mais, Christofferson perguntou: “o que é que causou ou permitiu a eles [Nixon e seus assessores] irem tão longe do caminho?” Christofferson questionou. Eles eram “basicamente bons e decentes homens de família”. Quando Nixon conversou com sua filha, Julie, ele ouviu “um maravilhosamente pai normal e afetuoso … eles eram apenas uma família, e pelas expressões, tom e sentimentos refletidos em suas vozes, uma família feliz e saudável”. E se Nixon e seus homens fossem, essencialmente, como nós, Christofferson se perguntou,”o que protege você ou eu, em nosso casamento, vida familiar e empreendimentos profissionais e vocacionais, de trágicos erros destrutivos ou mesmo a conduta criminosa?” [50]

O escândalo de Watergate representa um imenso lapso de consciência, observou Christofferson. Quando Nixon foi subornado pelos assaltantes de Watergate que exigiam, ele poderia ter dito: ‘Não, isso foi longe demais. Deixe as fichas caírem onde estão”. E ele não o fez, e as coisas escalaram. Aquela falha trouxe abaixo toda a casa. Nixon “colocou sua integridade de lado”, e ao fazê-lo, ele colocou-se “em perigo de perder completamente o benefício e a proteção da consciência”. Christofferson elogia o trabalho da miríade de funcionários públicos que combateram a corrupção de Nixon. À “queima-roupa”, ele “testemunhou o que advogados com habilidade, competência e integridade podem fazer em um momento de crise nacional”. [51]

Para Christofferson, Watergate demonstra que “os cidadãos seculares e religiosos de boa vontade devem trabalhar juntos para afirmar os melhores e mais elevados princípios em sua respectiva visão do mundo – virtudes como a honestidade, a civilidade, a generosidade, o respeito à lei, e fazer aos outros o que gostaria que eles fizessem a você”. Essas virtudes “nutrem a consciência”, fornecendo avisos vitais “durante tempos de medo, de traição e da perda de confiança no governo”. [52]

Não muito tempo depois de Christofferson terminar a faculdade de direito, o apóstolo Neal A. Maxwell, ele próprio um assessor do Senado no passado, apreciou que jovens SUD aprendessem a “construir a confiança em outras pessoas que não partilham seu sistema de valores”, para “tornar o serviço público uma cultura separada”, enquanto “mantem seus valores intactos”. [53] Para os Santos dos Últimos dias, o trabalho de D. Todd Christofferson durante a crise de Watergate exemplifica o esforço para nutrir uma “integridade constante e corajosa” e o compromisso com a lei e virtude pública. Aproveitando a força cultivada desde a sua juventude, Christofferson se manteve firme ao colaborar com Sirica e outros para derrubar uma das administrações mais corruptas da história americana.

 


Notas

  1. D. Todd Christofferson, “Lessons Applied from Upbringing,” <acessado em 10 de Fevereiro de 2016>
  2. D. Todd Christofferson, “A Força Moral das Mulheres” <acessado em 30 de Março de 2016>.
  3. D. Todd and Karen Christofferson, “Biographical Information,” <acessado em 10 de Fevereiro de 2016>.
  4. Ibid.
  5. C. Richard Brubaker, Letter to John J. Sirica, 19 de Outubro de 1971, John J. Sirica Papers, Box 102, fd. 10, Library of Congress.
  6. “Remembering the Vigil: A University Milestone,” Duke Magazine, Março/Abril de 1998, <acessado em 10 de Fevereiro de 2016>.
  7. Elder and Sister Christofferson, “Elder and Sister Christofferson,” <acessado em 10 de Fevereiro de 2016>.
  8. D. Todd Christofferson, Letter to John Sirica, September 30, 1971, John J. Sirica Papers, Box 102, fd. 10.
  9. D. Todd Christofferson, Letter to John Sirica, October 30, 1971, John J. Sirica Papers, Box 102, fd. 10.
  10. D. Todd Christofferson, Letter to Michael Ryan, October 30, 1971, John J. Sirica Papers, Box 102, fd. 10.
  11. D. Todd Christofferson Resume, John J. Sirica Papers, Box 102, fd. 10.
  12. John Sirica, Letter to D. Todd Christofferson, December 1, 1971, John J. Sirica Papers, Box 102, fd. 10.
  13. D. Todd Christofferson, “Some Lessons from Watergate,” <acessado em 20 de Março de 2016>.
  14. Qtd. In Michael A. Genovese, The Watergate Crisis (Westport, CT: Greenwood Publishing, 1999), 17. A literatura secundária sobre a crise de Watergate é gigantesca, para não falar da literatura mais ampla sobre Nixon. Para conseguir uma boa visão geral, ver Stanley Kutler, The Wars of Watergate: The Last Crisis of Richard Nixon (New York: Alfred Knopf, 2013) e Fred Emery, Watergate: The Corruption of American Politics and the Fall of Richard Nixon (New York: Touchstone , 1995). Para memorandos selecionados sobre Watergate e autobiografias, ver John Sirica, To Set the Record Straight: The Break-in, the Tapes, the Conspirators, the Pardon (New York: Signet, 1980); G. Gordon Liddy, Will: The Autobiography of G. Gordon Liddy (New York: Macmillan, 1996); James W. McCord, A Piece of Tape: The Watergate Story, Fact and Fiction (Rockville, MD: Washington Media Services, 1974); John Erlichman, Witness to Power: The Nixon Years (New York: Simon and Schuster, 1982); John Dean, Blind Ambition (New York: Simon and Schuster, 1976); Bob Woodward e Bernstein Karl, All The President’s Men (New York: Simon and Schuster, 2014); H.R. Haldeman, The Haldeman Diaries: Inside the Nixon White House (New York: Filhos G. P. de Putnam, 1994); e, claro, Richard M. Nixon, The Memoirs of Richard Nixon (New York: Simon and Schuster, 1978). Além disso, esta peça não faz nenhuma reivindicação para cobrir as sempre envolventes (mesmo que descontroladamente especulativas) e vastas literaturas sobre conspirações.
  15. Jim Hunt e Bob Risch, Warrio: Frank Sturgis—the CIA’s #1 Assassin-Spy, Who Nearly Killed Castro But Was Ambushed by Watergate (New York: Macmillan, 2011), 124.
  16. Garry Wills, Lead Time: A Journalist’s Education (New York: Houghton Mifflin, 2004), 113.
  17. Mark Feldstein, Poisoning the Press: Richard Nixon, Jack Anderson, and the Rise of Washington’s Scandal Culture (New York: Macmillan, 2010), 282-287.
  18. Eugenio Martinez, “The break-in and capture at the Watergate,” Chicago Tribune, 10 de Outubro de 1974, 6.
  19. Woody Klein, All the Journalists’ Spokesmen: Spinning the News, White House Press Secretaries from Franklin D. Roosevelt to George W. Bush (Westport, CT: Greenwood Publishing, 2008), 121.
  20. “Mitchell resigns from campaign: family pressure,” The Bulletin (Bend, OR), 1 de Julho de 1972, 1.
  21. Jonathan Aitken, Charles W. Colson: A Life Redeemed (Colorado Springs, CO: Waterbrook Press, 2005), 153.
  22. James Cannon, Gerald R. Ford: An Honorable Life (Ann Arbor: University of Michigan Press, 2013), 111.
  23. “Proceedings in Chambers of Chief Judge John J. Sirica,” Box 21, fd. 1, 1-10, John J. Sirica Papers.
  24. “Proceedings in Chambers of Chief Judge John J. Sirica,” Box 21, fd. 1, 1-10, John J. Sirica Papers.
  25. “Proceedings in Chambers of Chief Judge John J. Sirica,” Box 21, fd. 1, 1-10, John J. Sirica Papers.
  26. White House Cassette Tape E-12, 67 [traslado], <acessado em 10 de Fevereiro de 2016>.
  27. “Clerk to Judge Sirica Listens In On Tapes,” Washington Post, December 16, 1973, E9.
  28. Eugene England, “Hanging by a Thread: Mormons and Watergate,” Dialogue: A Journal of Mormon Thought 9, no. 2 (Summer 1974): 15.
  29. Tim Weiner, One Man Against the World: The Tragedy of Richard Nixon (New York: Macmillan, 2015), 132.
  30. Ken Gormley, Arhicbald Cox: Conscience of a Nation (New York: Da Capo Press, 1999), 304.
  31. Peter Charles Hoffer, Williamjames Hull Hoffer, e N.E.H. Hull, The Federal Courts: An Essential History (New York: Oxford University Press, 2016), 400.
  32. Richard M. Nixon, Petition to U.S. Court of Appeal, the continued existence of the Presidency as a functioning institution. <acessado em 29 de Fevereiro de 2016>.
  33. Nixon v. Sirica, 487 F.2d (1973), <acessado em 29 de Fevereiro de 2016>.
  34. United States v. Nixon, 418 U.S. 683 (1974).
  35. “Five Separate Erasures Caused Gap on Nixon Tape,” Montreal Gazette, 5 de Junho de 1974, 1.
  36. John J. Sirica, “Listening to the tapes and the extent Nixon was involved,” Boston Globe, 2 de Maio de 1979, 11.
  37. John J. Sirica, To Set The Record Straight, 160.
  38. Ibid. O Linguajar não incomodou muito Christofferson; ele disse a um repórter: “você não passa pela vida sem se deparar com esse tipo de coisa frequentemente”. “Law Clerk to Watergate Judge.”
  39. Ibid.
  40. D. Todd Christofferson, entrevista com Dr. Timothy Naftali, 15 de Julho de 2008, Richard Nixon Oral History Project, , <acessado em 10 de Fevereiro de 2016>.
  41. “Law Clerk to Watergate Judge Says He Was in Right Place at Right Time,” Times-News, 2 de Agosto de 1977, 14.
  42. Barry Werth, 31 Days: Gerald Ford, the Nixon Pardon, and A Government in Crisis (New York: Alfred Knopf, 2007), 67.
  43. Burton Paulu, Television and Radio in the United Kingdom (Minneapolis: University of Minnesota Press, 1981), 365.
  44. William Safran, The French Polity (New York: Routledge, 2015), 255.
  45. “Court Hearing Wednesday On Subpoena by Jaworski: Special to The New York Times,” New York Times, 3 de Maio de 1974, 29; “Ford’s Testimony Delayed Until Next Week: Previous Call by Sirica,” New York Times, 9 de Outubro de 1974, 13.
  46. “Law Clerk to Watergate Judge Says He Was in Right Place at Right Time,” Times-News, 2 de Agosto de 1977, 14.
  47. “Judge Sirica Man of The Year,” Spokane Daily Chronicle, 31 de Dezembro de 1973, 6.
  48. “Law Clerk to Watergate Judge Says He Was in Right Place at Right Time,” Times-News, 2 de Agosto de 1977, 14).
  49. “Law Clerk to Watergate Judge Says He Was in Right Place at Right Time,” Times-News, 2 de Agosto de 1977, 14).
  50. D. Todd Christofferson, “Some Lessons from Watergate,” J. Reuben Clark Law Society, 16 de Outubro de 2015, <acessado em 16 de Fevereiro de 2016>.
  51. Ibid.
  52. Ibid.
  53. Neal A. Maxwell, “The Mormon Milieu.”

Este artigo foi escrito no site LDS.net por Russell Stevenson e traduzido para o mormonsud.net.