Este artigo foi escrito em LDSLiving.com e traduzido para o mormonsud.net por Esdras Kutomi.

Por Jamie Armstrong

Os talentosos membros da Igreja em Hollywood deixaram a sua marca tanto na tela grande como por trás das câmeras. Confira mórmons que ganharam um Oscar ou foram nomeados.

Gerald Molen

Gerald Molen

Imagem via hollywoodreporter.com.

Iniciando sua carreira como o coordenador de transporte da Republic Studios em 1957, membro da Igreja, Gerald Molen trabalhava lentamente em sua carreira até subir ao topo. Ele era o gerente de produção em 1985 da unidade de The Color Purple (A Cor Púrpura), trabalhando com Steven Spielberg.

Seu primeiro papel como produtor veio em 1987 no filme Batteries Not Included (O Milagre Veio do Espaço). Um ano depois ele foi o co-produtor de Rain Man (1988), que ganhou quatro Oscars. Molen também desempenhou o papel do guardião de Raymond Babbitt, Dr. Bruner, no filme. (O personagem principal de Rain Man é baseado no santo dos últimos dias Kim Peek.)

Gerald Molen passou a trabalhar como produtor chefe de A Lista de Schindler (1993), pelo qual ganhou o Oscar de “Melhor Filme”.

Outros Trabalhos de Molen incluem Jurassic Park e Minority Report, e um de seus mais recentes lançamentos é um documentário sobre um companheiro Mórmon Timothy Ballard. Quando Molen soube dos esforços incríveis de Ballard para resgatar crianças de traficantes de sexo, ele sabia que tinha que registrar a história na tela grande.

“Queremos conscientizar as pessoas deste problema. Estou animado para ajudar no pouco que eu puder”, diz Molen.

Com câmeras escondidas em cada missão de resgate, a equipe de filmagem de Molen gravou fortes cenas das operações que não só contribuíram para a criação de um documentário convincente, mas ofereceram provas irrefutáveis que levaram à condenação dos traficantes de crianças.

“A filmagem que realizamos tornou-se um pacote de provas para ajudar a prender os criminosos”, disse o coprodutor e diretor Darrin Fletcher.

“Não há dúvida quando o juiz vê a evidência. Ela finaliza tudo”.

“Nós sentimos uma mão nos guiando o tempo todo”, diz Chet Thomas, coprodutor e diretor. “Há uma razão para isso além de um filme ou uma série de televisão”.

Leigh Harline

Leigh Harline

Imagem via runmovies.eu.

O compositor SUD Leigh Harline escreveu a famosa canção da Disney “When You Wish Upon a Star”, pelo qual ganhou dois Oscar: Melhor Trilha Sonora Original e Melhor Canção Original.

Depois de ser contratado pela Walt Disney, Harline criou mais de 50 canções e trabalhou em favoritos, como “Whistle While You Work”, “Heigh Ho,” e “Someday My Prince Will Come”.

Kieth Merrill

Kieth Merrill

Imagem via LDSLiving.com.

Kieth Merrill trabalhou na indústria cinematográfica desde 1967. Um escritor, diretor e produtor, ele ganhou o Oscar em 1973 por seu documentário The Great American Cowboy. Ele recorda o momento em que ganhou o prêmio:

“Eu estava distraído pelo fato de que Raquel Welch, uma das estrelas de cinema verdadeiramente sensacionais e sensuais da época era quem apresentava o Oscar. Quando ela me entregou o Oscar, eu sabia que era uma tradição de Hollywood dar-lhe um beijo. Vendo por esse lado, parece ser uma coisa boa, mas veja pela minha perspectiva. Se eu beijasse aquele ícone adorado da época em frente aos 70 milhões de espectadores na TV, ofendendo a Sra Welch, eu teria que me explicar para minha esposa, que estava sentada na quinta fileira, e para minha querida mãe, que estava assistindo em Farmington, Utah. Por outro lado, se eu não a beijasse, eu teria que explicar para o Quorum de Élderes da ala um de Los Altos”.

Merrill também criou os filmes SUD Mr. Krueger’s Christmas, O Legado, e os Testamentos. Seu primeiro romance escrito, The Evolution of Thomas Hall, foi lançado pela Deseret Book em 2011. Ele tem um novo romance, Saga of Kings, Volume 1: The Crown Immortal, que será lançado em maio.

Dean Jagger

Dean Jagger

Imagem via LDSLiving.com.

Dean Jagger era um ator pouco conhecido até atuar como o personagem principal do filme Brigham Young de 1940. Ele passou a estrelar White Christmas e Twelve O’Clock High (1949), pelo qual ganhou o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

Jagger entrou para a Igreja no final dos anos 60 depois de se casar com Etta Mae Norton, que era mórmon. Ele apareceu em cerca de 100 filmes e foi premiado com uma estrela no Hall da fama de Hollywood em 1960.

Curiosidade: Para a criação do filme de Brigham Young, a Twentieth Century Fox consultou historiadores da Igreja e líderes, incluindo o presidente Heber J. Grant.

Nomeado: Arnold Friberg

Arnold Friberg

Imagem via legacy.com.

O artista SUD Arnold Friberg, que trabalhava como artista e designer chefe do filme Dez Mandamentos recebeu uma indicação ao Oscar por seu trabalho no filme. Cecil B. DeMille contratou Friberg após sua editora sueca Herman Stolpe lhe mostrar as pinturas de Friberg. DeMille ficou tão impressionado com The Finger of the Lord (O Dedo do Senhor – uma pintura de Friberg retratando do irmão de Jared espantado ao ver o dedo de Deus) que se tornou a inspiração para o traje de Moisés na cena da sarça ardente.

BONUS

Um Conto Americano

Um Conto Americano (1986), filme de animação dirigido por um membro da Igreja (Don Bluth) foi nomeado para o Oscar de “Melhor Música, Canção Original” para a canção “Somewhere Out There.” Na época de seu lançamento, foi a maior bilheteria de um filme animado que não fosse da Disney.

No 30º Grammy Awards, a canção ganhou prêmios de “Canção do Ano” e “Melhor Canção Escrita para um filme ou televisão”. Ele também foi nomeado para o Globo de Ouro de “Melhor Canção Original”.

Don Bluth

Imagem via donbluth.com.

Don Bluth é talvez o maior nome da animação de longa-metragem, depois de Walt Disney. Seus outros filmes incluem Bernardo e Bianca (The Rescuers – 1977), Meu Amigo o Dragão (Pete’s Dragon – 1977), A Ratinha Valente (The Secret of NIMH – 1982), The Land Before Time (1988) e Todos os Cães Merecem o Céu (All Dogs Go to Heaven – 1989). Bluth serviu uma missão na Argentina e se formou pela BYU.