4 princípios do evangelho em “Avatar: O Último Mestre do Ar”

A Netflix recentemente adicionou um dos meus desenhos animados favoritos “Avatar: O Último Mestre do Ar” e não poderia vir em uma melhor hora. Com tanta confusão e muito desânimo no mundo atualmente, muitos jovens adultos rapidamente voltaram à infância e começaram a assistir desenhos animados.

“Avatar: O Último Mestre do Ar” conta a história de um menino chamado Aang, um monge que tem a incrível capacidade de dobrar o ar. O conceito de “dobrar” no desenho é a chave para o enredo. No universo desse desenho animado, certas pessoas têm a habilidade especial de manipular ou “dobrar” elementos como a água, o ar, o fogo e a terra. Isso fez com que nações fossem formadas com base nessas habilidades: Nação do Fogo, Nação da Água, Nação da Terra, e Nação do Ar.

Pelas nações lutarem umas com as outras, o universo escolhe um “Avatar”, que tem a capacidade de manipular todos os elementos para ajudar a manter a paz entre as nações. Em um momento da história quando o mundo precisou do Avatar da época, ele desapareceu e nunca mais foi visto. Muitos anos depois, o universo escolheu mais uma vez um Avatar, o jovem rapaz Aang, para trazer de volta a paz entre as quatro nações.

Ao longo da história, os telespectadores aprendem sobre conceitos poderosos como o perdão, a mudança e a superação de difíceis obstáculos. Existem muitas razões pelas quais os membros da Igreja têm um lugar especial em seus corações para este programa de televisão, mas muito disso pode estar conectado com os princípios do evangelho que são encontrados dentro desta rica história. Para aqueles que nunca assistiram esse desenho tão querido, já vou avisando que tenho alguns spoilers à frente!

Tio Iroh e amor incondicional

Um dos personagens mais amados de “Avatar: O Último Mestre do Ar” é o Tio Iroh. Um veterano de muitas guerras como um general na nação do fogo, ele é um homem bondoso e gentil, apesar de ter testemunhado grande destruição e violência. Iroh perdeu seu filho em uma das muitas batalhas, e essa perda tocou profundamente seu coração.

Durante todos os episódios, o Tio Iroh está desesperadamente tentando convencer seu sobrinho, um príncipe da Nação do Fogo, a parar de caçar o Avatar para restaurar sua honra. O Príncipe Zuko, no início, é um homem bravo e agressivo. Seu bondoso Tio tenta ensiná-lo que apenas a dor é o resultado desse tipo de raiva, e Zuko é forçado a enfrentar as consequências de suas ações violentas no final.

Em uma reunião com o Tio Iroh, Zuko espera que seu tio fique bravo com ele por causa de suas ações, enquanto gagueja um pedido de desculpas. Imediatamente o Tio Iroh o abraça, perdoando-o desses erros, e dando-lhe esperança de que ele pode mudar e se tornar um homem melhor. Esta história é familiar a todos os cristãos sobre o amor abundante de Deus, especialmente como visto na parábola do filho pródigo.

Tio Iroh é dublado por Mako Iwamatsu, um famoso ator japonês. Infelizmente, Mako faleceu no meio da produção do programa devido a um câncer de garganta, mas uma homanagem foi feita a ele em uma canção cantada pelo Tio Iroh. A canção foi a última gravação de Mako Iwamatsu, e mostra Tio Iroh cantando para o túmulo de seu falecido filho. Isso reflete a mensagem do Tio Iroh, que é amar o próximo incondicionalmente e perdoar aqueles que nos fizeram mal.

Aang e humildade

Aang, um menino chamado para salvar o mundo, é um poderoso exemplo de humildade e confiança no que foi chamado a fazer. Quando o Aang começa a sua viagem, ele é um jovem brincalhão e um pouco estranho. No final do desenho, ele enfrentou inúmeros obstáculos e passou por derrotas em meio às suas vitórias.

A fim de aprender os quatro elementos necessários para salvar o mundo, Aang teve que ser ensinado por uma variedade de mestres, o que exigiu muita humildade para que pudesse aprender eficazmente. Este é um princípio semelhante ensinado no Evangelho e registrado em Éter 12. O Senhor nos diz que Ele nos dá fraquezas para que possamos ser humildes, ensináveis, e encontrar força em Seu amor.

Também podemos ter a confiança de que o Senhor qualifica a quem Ele chama. O Presidente Thomas S. Monson disse uma vez: “Quando estamos a serviço do Senhor, temos o direito de receber Sua ajuda. Lembrem-se de que o Senhor qualifica a quem chama.”

Reverência pela criação

Em “Avatar: Último Mestre do Ar”, há uma ideia de que o mundo em que vivemos está muito vivo. Os elementos que são “dobrados” estão profundamente ligados aos vivos, e tudo tem um significado muito mais profundo. Nosso Pai Celestial criou este belo mundo para termos alegria (2 Néfi 2:25). Especialmente nas circunstâncias de hoje, pode ser fácil esquecer que ainda há tanta beleza na natureza que nos rodeia. As ideias da natureza e elementos dentro de Avatar podem nos lembrar, assim como o evangelho, de que devemos ter tempo para desfrutar desta beleza.

O Senhor nos fortalece

Nesta série amada, o mais improvável dos heróis salva o mundo inteiro. Às vezes, em nossas vidas diárias, podemos sentir que o mundo está contra nós, e que as dificuldades que estamos enfrentando vão durar para sempre. O Senhor nos lembra inúmeras vezes no Livro de Mórmon que Ele nos ama profundamente, e sempre estará conosco para nos fortalecer.

Em alguns dos momentos mais sombrios de Avatar, os jovens heróis são lembrados de um conceito semelhante ao confiar em seus entes queridos para obter apoio, e perseverar apesar das dificuldades. O Senhor nos diz que muitas vezes Ele não pode simplesmente remover nossos problemas e dificuldades, mas que à medida que avançamos, Ele nos fortalece e nos ajuda a alcançar o que nos pediu para fazer.

Fonte: LDS Blogs

Relacionado:

Locais históricos da Igreja estão oferecendo visitações virtuais

 

| Entretenimento

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *