A história dos Santos dos Últimos Dias na Hungria

Hoje, o Presidente Nelson anunciou os planos para a construção de 8 novos templos e um deles, em Budapeste na Hungria.

O que você sabe sobre essa bela cidade da Europa? E o que você sabe sobre a história da Igreja nesse país?

Sobre Budapeste

Budapeste é a capital, cidade mais populosa e principal centro financeiro, corporativo, mercantil e cultural da Hungria. É a sexta maior cidade da União Europeia e recebeu a classificação de cidade global alpha, por parte do Globalization and World Cities Study Group & Network (GaWC).

Localiza-se nas margens do rio Danúbio e possui 1 740 041 habitantes, de acordo com dados de 2012 do Centro de Estatísticas Húngaro (Hungarian Central Statistical Office). Sua região metropolitana, também chamada de Grande Budapeste, possui 3 271 110 habitantes. Budapeste foi fundada em 17 de novembro de 1873 com a fusão das cidades de Buda e Ôbuda, na margem direita do Danúbio, com Peste, na margem esquerda. Seus habitantes chamam-se budapestinos.

A história de Budapeste se iniciou com Aquinco, originalmente um assentamento celtaque se converteu na capital romana da Panônia Inferior. Os húngaros chegaram ao território por volta de meados do século IX. O primeiro assentamento foi saqueado pelos mongóis entre 1241 e 1242. A cidade, já restabelecida, transformou-se em um dos centros de cultura do Renascimento humanista no século XV. Depois da Batalha de Mohács e de 150 anos de domínio otomano, a região experimentou uma nova era de prosperidade nos séculos XVIII e XIX, sendo que Budapeste tornou-se uma cidade global após a reunificação da localidade em 1873.

A cidade também passou a ser vista como a segunda capital da Áustria-Hungria, um vasto e importante Estado europeu, sucessor do Império Austríaco, que se dissolveu em 1918. Budapeste também exerceu grande importância durante a Revolução húngara de 1848, tendo sido um importante centro da República Soviética da Hungria em 1919, da Operação Panzerfaust em 1944, do Cerco de Budapeste em 1945 e da Revolução de 1956.

Considerada uma das cidades mais belas da Europa, Budapeste é um dos maiores destinos turísticos no mundo! Em 2011, a cidade recebeu 4 376 900 turistas, tornando-se o 25º maior destino de turistas no mundo e a 6ª cidade mais visitada da Europa.

Há vários patrimônios mundiais que podem ser encontrados na cidade, incluindo o panorama do rio Danúbio, o segundo mais extenso da Europa, o Castelo de Buda, a Avenida Andrássy, a Praça dos Heróis e o Metropolitano de Millenium, o segundo mais antigo do mundo, após o de Londres.

Budapeste possui ainda, o maior sistema de água termal do mundo. Budapeste é também um importante centro financeiro da Europa Central. A cidade ficou em terceiro lugar no Índice de Mercados Emergentes desenvolvido pela MasterCard, em uma lista de 65 cidades. Foi classificada como a melhor área urbana da Europa Central e Leste Europeu em qualidade de vida, de acordo com a Economist Intelligence Unit. Também é classificada como um dos lugares idílicos da Europa, considerada pela revista Forbes,e a nona cidade mais bonita do mundo, pela UCityGuides.

Sobre a Hungria

No tocante a religião, a Hungria é um país laico com a maior parte de sua população cristã (54,6%), principalmente a Igreja Católica húngara (39,0%) e protestante (13,8%), dos quais destacam-se os calvinistas (11,6%) de acordo com o censo de 2011. Ainda existe uma minoria ortodoxa(0,1%). Para além dos cristãos, 0,1% dos húngaros são judeus e outros 0,1% seguem outras religiões.

Sobre o idioma oficial do país, é o húngaro (magyar), também conhecido como magiar. É um idioma pertencente ao grupo fino-úgrico da família das línguas urálicas, sendo de todas, a mais amplamente falada, superando 14 milhões de falantes. É também a mais falada das línguas não indo-europeias na Europa. O húngaro é a língua oficial da Hungria, uma das 24 línguas oficiais da União Europeia, e é falado também por comunidades de etnia húngara em sete países vizinhos, especialmente na Romênia, Eslováquia e Sérvia.

A Igreja na Hungria

Em 1885, os Elderes Thomas Biesinger e Paul E.B. Hammer chegam a Budapeste, Hungria, depois de terem pregado o evangelho em Praga, Boemia (atual República Checa). Depois de um mês de reduzido sucesso, o Elder Biesinger e o seu colega abandonam a Hungria. Mais tarde, Mischa Markow, natural da Hungria, que havia sido convertido próximo de Constantinopla (na atual Istambul) em 1887, volta no ano seguinte para pregar no seu país natal, mas é expulso da Hungria depois de ter sido feito preso e isolado numa cela solitária.

No ano 1900, o Elder Markow e o seu colega pregam em Temesvar, Hungria, até que o governo exige que abandonem o país. No dia anterior à sua partida, batizam doze pessoas e escolhem os líderes para servirem numa congregação de 31 pessoas. Devido ao esforço destes e doutros missionários que chegaram ao país nos anos seguintes, um total de 106 pessoas haviam sido batizadas até ao início da 1ª guerra mundial.

O conflito força os missionários a serem evacuados da Europa, a que se lhes junta mais de metade dos membros da Igreja no país, que imigram para os Estados Unidos da América. Os restantes membros que ficam na Hungria continuam a viver os princípios do evangelho durante o período em que a organização da Igreja não estava presente no país.

Em Junho de 1988, a Hungria atribuiu o reconhecimento legal à Igreja. A cerimônia da abertura de terra para a primeira capela no leste da Hungria dá-se a 30 quilômetros da fronteira com a Romênia. A primeira capela é dedicada em Outubro de 1989, pelo Presidente Thomas S. Monson, na época, conselheiro da Presidência da Igreja. A Missão Hungria Budapeste foi criada em Junho de 1990. Em 1991, o então Coro do Tabernáculo Mórmon (atualmente chamado Coro do Tabernáculo da Praça do Templo) fez uma apresentação em Budapeste perante uma audiência entusiástica que exige 8 bises.

O Elder Dallin H. Oaks do Quórum dos Doze Apóstolos visita a Hungria em 1992, para consultas internacionais sobre liberdade religiosa e direitos étnicos para as nações do Leste europeu, numa iniciativa patrocinada por uma fundação promotora da democracia na Hungria.

A presença da Igreja na Hungria continua ao longo dos anos. Atualmente, há na Hungria 5 214 membros. Eles estão distribuídos em 22 congregações, sendo 5 Alas e 17 Ramos. Há uma estaca, uma missão e um distrito organizados nesse país, 13 centros de história da família e um templo anunciado.

Fonte: Sala de Imprensa

Relacionado:

Novos templos anunciados na conferência geral de abril de 2019

| Vida dos Santos dos Últimos Dias
Publicado por: Inaê Leandro
Inaê Leandro é estudante de Administração, escritora e foi Jovem Senadora em terceiro lugar por Minas Gerais, no Prêmio Jovem Senador, do Senado Federal. Atua como voluntária no Instituto Oikon e mantém juntamente com amigos, o site suscitare.com.br.
Mulher busca reconhecer experiências espirituais na investidura
A maior mudança anunciada na conferência geral de abril de 2019
Luz de Cristo
Irmã Sharon L. Eubank: “Cristo é a luz que brilha na escuridão”

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *