“Uau, você usa muitas roupas”, é provavelmente uma coisa estranha para um médico dizer, mas quando você é um membro ativo da igreja investido no templo e usando garments, é a verdade. 

Roupas do Templo

Era setembro de 2014. Eu era uma recém-casada e sofrendo com um problema nos olhos. Além disso, eu estava trabalhando para fechar a lacuna entre o que eu pensava saber sobre os garments e o que eu deveria de fato saber.

Eu me senti extremamente desconfortável porque o médico teve que levantar quatro camadas de roupa para que ele pudesse ouvir meus batimentos cardíacos com um estetoscópio.

Tentando não piscar, respirar ou fazer qualquer coisa que agite o que parecia um globo ocular coberto de vidro, continuei pensando no que o médico disse porque a) era uma coisa estranha para dizer a alguém que estava com muita dor e b) isso me ajudou a contemplar o que minhas roupas significavam para mim.

Garments

Parece um pouco estranho para alguém que não saiba o quão sagrado são os garments, ou o que de fato simboliza ver alguém vestindo tantas camadas de roupas. Esse episódio aconteceu no final de Setembro no norte de Utah, o clima já estava muito frio, mas deve ter parecido um pouco desnecessário estar vestindo garments do templo, além de um casaco, camisa e mais roupas.

Mas era necessário. E os garments são muito mais do que uma camada extra de roupas.

Quando recebi meus garments do templo, não sabia muito sobre isso. Eu não estava realmente certo sobre as perguntas que eu deveria ter sobre isso ou se eu poderia discutir isso fora do  templo. Além disso, pensei que sabia tudo sobre isso, o que claro, não era verdade.

Eu participei das aulas de preparação para o templo na Escola Dominical antes de receber minha investidura, então eu tinha um conhecimento geral sobre o que eram os garments do templo e o que isso significava. Mas eu nunca fiz a conexão com o que os garments do templo significava para mim pessoalmente. Com todos os detalhes do casamento, os detalhes em andamento, os detalhes da família e a mentalidade geral de ser selada ao meu melhor amigo por toda a eternidade, não senti que eu tinha muito tempo para processar qualquer coisa que estivesse acontecendo comigo algumas semanas antes de receber minha investidura. Mas quando eu estava deitada na mesa de exame enquanto o médico da universidade derramava corante amarelo no meu olho para encontrar onde estavam os arranhões na minha córnea, percebi o quanto eu aprendi sobre meus garments desde que os recebera e o que eu queria ter aprendido sobre elas antes de recebê-las.

Os garments do templo são um escudo contra a tentação

Antes de eu receber a investidura, eu tinha ouvido histórias de como os garments do templo às vezes era creditado como uma proteção física das pessoas. Um dos meus professores da Escola Dominical disse a nossa classe que, enquanto trabalhava como mecânico de automóveis, algo deu errado com o carro em que estava trabalhando e o fluido quente queimou seu ombro, mas não a parte em que estavam seus garments.

Enquanto esta e outras experiências milagrosas, onde os garments protegem os membros fisicamente são raras, as experiências com os garments do templo que protegem os membros espiritualmente podem acontecer todos os dias.

As garments do templo, representam fisicamente os convênios que fazemos no templo e, portanto, são uma “proteção contra a tentação e o mal”, de acordo com o Manual de Administração da Igreja.

Em seu livro The Holy Temple, o presidente Boyd K. Packer disse:

“Os garments do templo, representam os convênios sagrados. Elas promovem a modéstia e se tornam um escudo e proteção para aquele que a usa.”

Armadura

Com este tipo de proteção espiritual constante, não é nenhuma surpresa que os garments  do templo às vezes sejam chamadas de “armadura”, como disse o presidente Russell M. Nelson em seu discurso de conferência geral de abril de 2001, “Preparação Pessoal para Bênçãos do Templo”:

“O uso dos garments do templo tem um profundo significado simbólico. Representa um compromisso contínuo. Assim como o Salvador exemplificou a necessidade de perseverarmos até o fim, usamos os garments fielmente como parte da resistente armadura de Deus. Demonstramos assim nossa fé Nele e nos convênios eternos que com Ele fizemos.”

O Élder Carlos E. Asay, membro emérito do Primeiro Quórum dos Setenta, também expandiu a habilidade de proteção espiritual das roupas do templo em um artigo publicado na revista Ensign de agosto de 1997 “Os garments do templo: Uma expressão externa de um compromisso interno” (em inglês: The Temple Garment: “An Outward Expression of an Inward Commitment”)

Proteção contra tentação

O apóstolo Paulo fala sobre a armadura de Deus, em Efésios 6 e o Élder Asay relata como os garments do templo também podem ser considerados como armaduras espirituais e como eles nos protegem da tentação:

“A armadura pesada usada pelos soldados dos tempos antigos, incluindo capacetes, escudos e peçonhas, determinou o resultado de algumas batalhas. No entanto, as verdadeiras batalhas da vida em nossos dias modernos serão conquistadas por aqueles que estão vestidos com uma armadura espiritual – uma armadura consistente de fé em Deus, fé em si mesmo, fé em sua causa e fé nos líderes. A peça de armadura chamada garment  não só proporciona o conforto e o calor de uma cobertura de tecido, mas também fortalece o usuário para resistir à tentação, defender-se  das influências do mal e manter-se firme”.

Como santos dos últimos dias, temos a incrível bênção da proteção espiritual contra as tentações e a influência do adversário quando usamos a roupa do templo corretamente e a tratamos com respeito.

Como usamos os garments do templo é uma expressão de nosso compromisso interno de seguir o Salvador.

Antes de receber minha investidura, entendi que os garments do templo eram uma representação especial dos meus convênios com o Pai Celestial e não devia usá-los  de maneira inapropriada. No entanto, não compreendi completamente que a forma como eu usava a roupa do templo poderia ser uma expressão pessoal do meu compromisso de seguir o Salvador.

Usar os garments do templo é uma lembrança física e constante de nossos convênios sagrados e vitais.

De acordo com o Manual 2 de Administração da Igreja: “os membros não devem ajustar o garment ou vesti-lo de modo contrário às instruções recebidas, no intuito de adaptá-lo a diferente estilos de moda. Também não devem alterar o modelo autorizado do garment. Quando forem usados garments de duas peças, os membros devem sempre vestir ambas as peças.”

Embora a roupa do templo não seja vista por outros e seja usada debaixo de roupas regulares, é uma representação física da nossa vontade de viver o evangelho e de seguir nosso Salvador que é importante para nossa salvação.

“Digo-vos que sabereis naquele dia que não podeis ser salvos; pois ninguém pode ser salvo sem que suas vestimentas tenham sido lavadas até ficarem brancas; sim, suas vestimentas devem ser purificadas, até ficarem limpas de qualquer mancha, pelo sangue daquele de quem nossos pais falaram, o qual deverá vir para redimir o seu povo de seus pecados.

Tendes-vos conservado inocentes diante de Deus? Poderíeis dizer, dentro de vós mesmos, se fôsseis chamados pela morte neste momento, que haveis sido suficientemente humildes? Que vossas vestimentas foram limpas e embranquecidas pelo sangue de Cristo, o qual virá para redimir seu povo de seus pecados?” – (Alma 5:21,27)

Respeito

Elder Asay ilustra como é importante tratar as roupas do templo com respeito e usá-las apropriadamente. Elder Asay compartilhou uma troca que o Presidente Harold B. Lee teve com o Presidente James E. Faust:

“Há alguns anos, em um seminário para novos presidentes dos templos, o Élder James E. Faust, então do Quórum dos Doze Apóstolos, falou sobre o fato de ele ter sido chamado de Autoridade Geral. Foi-lhe perguntado apenas uma pergunta, feita pelo Presidente Harold B. Lee: “Você usa os garments adequadamente?”, Para o qual ele respondeu afirmativamente. Ele perguntou se o Presidente Lee não iria perguntar-lhe sobre sua dignidade. O Presidente Lee respondeu que não precisava, pois ele havia aprendido de que a forma como usamos os garments torna-se a expressão de como o indivíduo se sente sobre a Igreja e sobre tudo o que se relaciona com ela. É uma medida de dignidade e devoção ao evangelho”.

Antes de eu receber minha investidura, eu sabia que vestir a roupa do templo corretamente era importante. Mas pude refletir o quão relacionado está a forma como eu uso meus garments, minha vontade de viver o evangelho e em como eu honro os convênios que fiz no templo.

Os garments são uma parte do templo que podemos ter conosco sempre.

Mesmo antes de receber minha investidura, sempre me senti um pouco triste quando eu saia do templo depois de realizar batismos pelos mortos. Adorei o sentimento de estar na casa sagrada do Senhor e realizar a obra de salvação para os outros.

O que eu queria saber antes de receber minha investidura era que eu poderia ter um pouco do templo comigo sempre quando usava a roupa do templo fielmente.

O trabalho que fazemos pelos mortos não termina quando deixamos o templo. É importante para nós vivermos de acordo com os convênios do templo e usar os garments do templo fielmente para o trabalho de salvação que realizamos para os outros, assim como para nós mesmos.

“Eu poderia ter feito uma tradução mais clara, mas é suficientemente clara como está, para servir ao meu propósito. É suficiente saber, neste caso, que a Terra será ferida com maldição, a menos que exista um elo de ligação de um ou outro tipo entre os pais e os filhos, sobre um assunto ou outro — e qual é esse assunto? É o batismo pelos mortos. Pois nós, sem eles, não podemos ser aperfeiçoados; nem podem eles, sem nós, ser aperfeiçoados. Nem podem eles nem podemos nós ser aperfeiçoados sem os que morreram no evangelho; pois é necessário, na introdução da dispensação da plenitude dos tempos, dispensação essa que está começando a introduzir-se, que uma total, completa e perfeita união e fusão de dispensações e chaves e poderes e glórias ocorram e sejam reveladas desde os dias de Adão até o tempo atual. E não somente isso, mas as coisas que nunca se revelaram desde a fundação do mundo, mas que se conservaram ocultas aos sábios e prudentes, serão reveladas a crianças e recém-nascidos nesta dispensação, que é a da plenitude dos tempos.”

(Doutrina e Convênios 128:18)

Escritos em nossas mentes e corações

Agradeci especialmente o que Elder Asay tinha a dizer sobre esse aspecto dos garments do templo:

“Eu gosto de pensar nos garments como a maneira do Senhor de nos deixar ter uma parte do templo conosco quando nós sairmos. É verdade que nós carregamos da casa do Senhor ensinamentos inspirados e convênios sagrados escritos em nossas mentes e corações. No entanto, a única lembrança tangível que carregamos conosco de volta ao mundo é a roupa. E embora nem sempre possamos estar no templo, uma parte dele sempre pode estar conosco para abençoar nossas vidas”.

(Élder Carlos E. Asay, agosto 1997 Ensign “O vestuário do templo: Uma expressão externa de um compromisso interno”).

Embora haja muitas coisas sobre os garments do templo que não podem ser discutidos casualmente ou fora do templo porque esses tópicos são tão sagrados, eu sei que esses poucos aspectos do simbolismo sagrado das roupas do templo ajudaram a aumentar minha compreensão sobre isso.

Esse artigo doi traduzido do inglês: LDS Living

Saiba mais:

O que são os Garments do Templo?