“Sempre foi importante não apenas ensinar, mas também defender a verdade. E essa necessidade parece estar crescendo em nossa época”, disse o Élder Christofferson do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

O Élder Christofferson falou a educadores religiosos e missionários do Sistema Educacional da Igreja (SEI) na sexta-feira, 26 de janeiro de 2018, no Tabernáculo na Praça do Templo de Salt Lake City. o evento de uma hora foi também transmitido aos professores do Seminário e Instituto do mundo todo.

“A primeira coisa que devemos entender sobre a verdade… é que o conhecimento da verdade em qualquer grau significativo requer ajuda divina, por meio da Luz de Cristo ou com a ajuda do Espírito Santo”, ele disse.

defender a verdade

Ele se referiu a um estudo recente do Instituto de Pesquisa Pew que indica que, pela primeira vez, mais da metade dos americanos acham que não é necessário ter religião para ser uma boa pessoa.

Luz de Cristo

“Tenho certeza que concordamos que os ateus ou que não tenham nenhuma crença religiosa professada podem ser, e de fato são, pessoas boas e justas. Mas nós não concordaríamos que é possível que isso aconteça sem Deus na equação”, disse o Élder Christofferson. “[Toda pessoa] tem a Luz de Cristo e, portanto, possui um senso de certo e errado que às vezes chamamos de consciência.”

defender a verdade

O Élder Christofferson disse que as pessoas podem tentar racionalizar o comportamento. “Vemos pessoas fingindo que o que elas sabem que é errado não é errado. Elas intencionalmente podem repetir um pecado várias vezes na tentativa de abafar a voz da consciência. Algumas podem buscar distração constantemente imergindo-se em mídias sociais, jogos de vídeo ou música constante para evitar qualquer momento de silêncio, quando a consciência pode falar.”

Relativismo

O apóstolo mórmon disse aos educadores da Igreja que pode ser um desafio ensinar a verdade, principalmente a verdade espiritual, quando “o pensamento relativista se tornou uma filosofia dominante.”

“Em uma sociedade pluralista, podemos debater quais valores devem ser consagrados nas leis ou nos regulamentos e o que é certo, errado ou verdade. Mas no final, com relação a qualquer assunto, ponto de vista de um indivíduo ou até mesmo de um grupo sobre o que é verdade prevalece e todos aceitam”, ele explicou.

O Élder Christofferson continuou: “O relativismo moral não dá certo se é necessário haver ordem e justiça na sociedade. Um assassinato pode ser errado para a maioria, mas certo para alguns? … Ou citando algo que aparece muito nas notícias hoje em dia, um homem tem direito de assediar sexualmente uma mulher porque lhe apraz ou porque condiz com seu senso pessoal de certo e errado?”

Caso Watergate

O líder da Igreja depois mencionou como iniciou sua carreira jurídica na década de 1970 como secretário jurídico do Juiz Distrital dos E.U.A., John J. Sirica, que presidiu os julgamentos do escândalo de Watergate.

defender a verdade

“Até hoje lembro-me do sentimento de desilusão e tristeza. Isso foi alguns meses antes da renúncia do [Presidente] Nixon, mas sabíamos na época que o presidente seria cassado, se ele não renunciasse primeiro, o Élder Christofferson recorda-se.

Lição

Ele disse que aprendeu com a vida a nunca fazer uma exceção e sempre defender a integridade das pessoas.

“Uma consciência fraca e certamente uma consciência adormecida, abre a porta para ‘casos Watergate’, sejam eles grandes ou pequenos, coletivos ou pessoais. Os desastres que podem ferir e destruir tanto culpados como inocentes”, disse o Élder Christofferson.

“Resistir, racionalizar e fingir não vão dar certo. Somente o arrependimento e a obediência à verdade podem refletir a ‘autenticidade’ que muitos cobiçam. Somente o arrependimento e a obediência à verdade podem preservar e aumentar a nossa felicidade e liberdade”, ele ensinou.

A gravação da transmissão está arquivada em lds.org/si/broadcasts. Ela pode ser transmitida ou acessada ou baixada a qualquer momento.

 

Fonte: Mormonnewsroom

Relacionado:

Dias de Loucura: D. Todd Christofferson e a Crise de Watergate