Além do convite para o jejum para o alívio do coronavírus na Sexta-feira Santa, os líderes da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias fazem um convite para um jejum mundial mais quatro vezes.

Os líderes da Igreja descrevem o jejum com um período de abstenção de alimentos de duas refeições seguidas ou 24 horas. Eles também convidam as pessoas que estão em situações que as impeçam de jejuar a encontrar uma outra maneira de “jejuar” para participar.

Janeiro 1985: Presidente Spencer W. Kimball

“Eu pessoalmente, considero todas as casas do Senhor como obra de Jeová, iniciada por Ele, construída por Ele, projetada por Ele e dedicada a Ele e a Seu programa.” – Spencer W. Kimball

O primeiro convite para um jejum mundial oficial feito por um profeta foi a 35 anos atrás. De 1983 a 1985, a Etiópia sofreu com uma fome generalizada, que matou mais de um milhão de pessoas e fez milhares de refugiados.

Em janeiro de 1985, Spencer W. Kimball, presidente da Igreja na época, convidou todos os membros da Igreja para jejuar pelas vítimas da fome. De acordo com a Igreja, o jejum arrecadou 6 milhões de dólares. O jejum marcou o início do que se tornaria o LDS Charities.

Novembro de 1985: Presidente Spencer W. Kimball

O presidente Kimball novamente convidou os Santos dos Últimos Dias para participar de um jejum mundial em novembro de 1985, pelas pessoas na Etiópia.

Este segundo jejum arrecadou mais 5 milhões de dólares para o alívio da fome, totalizando o dinheiro arrecadado pelo jejum para o alívio da fome na Etiópia em 11 milhões de dólares.

Janeiro de 2005: Presidente Gordon B. Hinkley

A Igreja não faria um convite mundial para jejum durante 20 anos.

Em 26 de dezembro de 2004, um tsunami desencadeado por um terremoto de magnitude 9.0 atingiu o sudeste da Ásia. De acordo com a Igreja, o desastre matou mais de 220 mil pessoas entre doze nações, que incluem o Sri Lanka, a Indonésia, a Tailândia e a Índia.

Em janeiro de 2005, Gordon B. Hinckley, presidente na Igreja na época, convidou os membros para um jejum mundial a favor das vítimas do tsunami.

De acordo com a Igreja, os fundos arrecadados pelo jejum ajudaram as respostas de emergência e a assistência a longo prazo na zona de desastre.

Março de 2020: Presidente Russell M. Nelson

Todos nós já estamos familiarizados com os efeitos das pandemias da COVID-19 em todo o mundo, que vão desde doenças e mortes a empregos perdidos e problemas de saúde mental.

Para ajudar nos esforços de combate ao vírus, presidente Nelson pediu que membros e não membros do mundo inteiro participassem do jejum no domingo, dia 29 de março. Em vídeo em suas redes sociais no dia 26 de março, ele disse:

“Como medico e cirurgião, tenho grande admiração pelos profissionais da saúde, cientistas e todas as pessoas que estão trabalhando incansavelmente com o intuito de controlar a propagação da COVID-19”.

Abril de 2020: Presidente Russell M. Nelson

A 190ª Conferência Geral Anual da Igreja, foi fortemente centralizada na celebração do Primeira Visão de Joseph Smith. Mas outro tema importante também teve destaque: o coronavírus.

Durante um de seus discursos na conferência, o presidente Nelson anunciou que estava novamente convidando a Igreja a participar de um jejum mundial pelos esforços de socorro da COVID-19.

Desta vez, foi pedido que as pessoas jejuassem na Sexta-feira Santa, dia 10 de abril, em vez do típico dia de jejum da igreja que acontece no domingo.

O presidente Nelson enfatizou que seu convite para jejuar e orar “para que a atual pandemia possa ser controlada, os cuidadores protegidos, a economia fortalecida e a vida normalizada” não foi direcionada somente aos membros da Igreja, mas a todas as pessoas.

Apesar de estarmos em meio a uma pandemia, temos a oportunidade de nos fortalecermos ao ouvirmos os convites de nosso profeta nesses últimos dias, e participarmos juntos, mundialmente unidos, por um jejum em prol da humanidade.

Fonte: Daily Herald

Recomendado:

Como o Coronavírus ajuda as famílias a se aproximarem apesar da distância