Judeus numa sinagoga.

Imagem via aplus.com.

Por Victor Beigelman

Há 18 meses atrás, um incêndio causado por um mal funcionamento da geladeira na cozinha do Templo Beth Shalom em Santa Ana, Califórnia, causou severos danos por fumaça ao santuário e a arca santa. Dentro da arca haviam seis Torás da congregação, incluindo um de 275 anos de idade da República Checa que foi resgatado de um armazém nazista após a Segunda Guerra Mundial

Durante a noite, o rabino Heidi Cohen e sua congregação de centenas de membros ficaram de repente sem um prédio para realizar seus serviços de educação, trabalho social e outras atividades. “Tem o torá, irá viajar”, disse Cohen em tom de brincadeira. “Temos toda a intenção de continuar com nossos serviços e arrecadar o dinheiro que necessitamos para reconstruir nosso templo”.

Desde o incêndio, os membros de Bet Shalom – a sinagoga judaica mais antiga do Condado de Orange – tem arrecadado aproximadamente $7.5 milhões para reconstruir o santuário e o salão social. Depois de um ano e meio, essas estruturas foram finalmente concluídas, permitindo que a congregação se reunisse no templo para uma cerimônia, celebrando sua jornada de volta para casa.

O que é realmente surpreendente é quem os ajudou durante a construção.

Ao saber do incêndio, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – uma congregação mórmon a menos de uma milha de Bet Shalom – estendeu ajuda que consistia em fornecer para a congregação judaica um lugar onde realizar seus serviços religiosos semanais e outros eventos. “Vimos uma congregação em um momento de necessidade”, disse o presidente Matt Goodman. “Se estivesse no lugar deles, teríamos gostado se alguém nos ajudasse”

Como as reuniões mórmons são aos domingos e as reuniões judaicas às sextas a noite, os horários funcionavam perfeitamente. “Cada vez que estávamos lá, havia um voluntário que nos acolhia e nos fazia sentir confortáveis”, disse Cohenm, o rabino da congregação judaica.

Aparentemente, isso sugere que a Igreja estava devolvendo um favor.

As congregações perceberam que há 50 anos, o Templo Beth Shalom recebeu a congregação mórmon quando sua capela estava em construção. “Então em certo sentido”, disse Godman, “fomos capazes devolver, no tempo de Deus, a benção que nos deram anos atrás”. Além do grande karma que se espalhou, “Haviam muitas ligações entre os membros das duas congregações, que era uma maravilha de se ver”, disse Cohen. Enquanto Beth Shalom volta a seu santuário recentemente renovado, para dizer o She’he cheyanu – uma oração muitas vezes pronunciada no início de algo novo – “[O El She’he’ cheyanu] é para dar graças a Deus por nos dar a vida, sustentando-nos e permitindo-nos chegar a este tempo”, disse Cohen.

 

Artigo original em aplus.com. Traduzido por Dayse Benicio.