Visitas de líderes mulheres na Ásia

Imagem via mormonnewsroom.org.

As visitas duas mulheres ocorreram em Hong Kong, Camboja e Mongólia

Duas autoridades gerais da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias estão otimistas sobre o futuro das mulheres mórmons e das crianças na Ásia. Neill F. Marriott, segunda conselheira na presidência geral das Moças, e Cheryl A. Esplin, primeira conselheira na presidência geral da Primária, retornaram recentemente de uma viagem a Hong Kong, Camboja e Mongólia, onde se encontraram com as crianças, as mulheres jovens, as mulheres líderes e os missionários.

“Quando eu penso em vir aqui, eu penso em alcançar os membros da Igreja em Hong Kong, … realmente não importa onde estamos, todos nós amamos e queremos fortalecer um ao outro”, disse a irmã Marriott após a sua chegada em Hong Kong, localizada no sudeste da China, a primeira parada em sua viagem inaugural internacional desse início de novembro.

Hong Kong é o lar de cerca de 25.000 Santos dos Últimos Dias, com 37 congregações e um templo.

A irmã Esplin estava animada para ministrar entre as crianças. “Elas são belas crianças”, disse ela.

Irmã Esplin ao falar com membros em Hong Kong

Irmã Esplin ao falar com membros em Hong Kong. Imagem via mormonnewsroom.org.

“Tudo começa com estes pequeninos”, refletiu a irmã Esplin. “Começa no lar, então muito do que precisamos falar na Primária é sobre como fortalecer o lar.”

A irmã Marriott continuou: “Eu acho que uma de minhas mensagens principais para as jovens mulheres é sobre permanecer firmes. … Elas serão a âncora desta área em Hong Kong. Elas serão aquelas que vão estabelecer as famílias”.

As líderes mulheres também se concentraram no fortalecimento das irmãs durante seu trabalho na Ásia. “As unidades de ala (congregações locais) precisam das vozes das mulheres e da irmandade entre as diferentes organizações auxiliares em um nível geral de modo que todos possam trabalhar juntos”, explicou a irmã Marriott.

Durante a sua visita a Hong Kong, as irmãs participaram de uma reunião sacramental, se reuniram com grupos de mulheres e jovens para conhecê-las melhor e juntaram-se a uma reunião com a participação de cerca de 800 mulheres, moças e crianças com idades de 8 anos para cima.

“Isso nos ensinou que não importa onde estamos no mundo, as mulheres adoram se reunir”, comentou a irmã Marriott. “Foi um encontro incrível. … Você podia sentir a energia das mulheres se reunindo”.

“Eu podia sentir sua fé. Eu podia sentir sua reverência e sua atenção aos testemunhos que estavam sendo prestados”, disse a irmã Marriott, falando sobre a juventude que participou da reunião sacramental. “Eu senti um desejo real de lembrá-los e de compartilhar esse sentimento com eles, de que o Salvador é a nossa rocha, que pode haver bagunça ao nosso redor, problemas e tentações, mas se estivermos ancorados no Salvador, tudo ficará bem”.

Falando sobre as crianças, a irmã Esplin comentou: “Elas têm todas as respostas certas; elas estão fazendo todas as coisas corretas. Elas estão orando, elas estão buscando revelação e elas estão resolvendo seus próprios desafios. Elas são maduras no evangelho. Elas são líderes surpreendentes”.

Irmã Marriott visita membros da Igreja na Camboja

Irmã Marriott visita membros da Igreja na Camboja. Imagem via mormonnewsroom.org.

A próxima parada no seu ministério foi na Camboja, onde as irmãs visitaram membros em suas casas. A Igreja tem 30 congregações e cerca de 13.000 membros no país.

A irmã Esplin descreveu uma terna visita que teve com a presidente da Primária em Phnom Penh. “Duas semanas atrás, a sua casa havia sido incendiada e eles perderam tudo. E assim, hoje, nos sentamos em uma pequena cama improvisada que eles tinham sob esta lona. … Reunimos sua pequena família ao redor e cantamos Sou um Filho de Deus (uma canção que as crianças cantam na igreja). E eles acreditam nisso, de todo coração. Eles têm fé, e eles não permitem que as dificuldades da vida os mantenham longe de sua fé e do que eles acreditam. Foi uma bela experiência”.

“Senti-me humilde por seu desejo de fazer as coisas da maneira que o Senhor quer que eles façam”, compartilhou a irmã Marriott sobre sua experiência. “Eles querem fazer o que é certo”.

“Eu acho que acabamos de ver evidências de que você não precisa ter um monte de coisas materiais para ser feliz”, disse a irmã Esplin. “Se você quer ver a luz no rosto das pessoas, você verá nas pessoas que nós encontramos aqui. Seus semblantes … simplesmente irradiam luz. Suas vidas irradiam luz”.

“O que eu vi foi pureza – pureza no meio de uma vida muito simples. Mas elas olham para você, e elas são gentis e há mansidão neles”, disse a irmã Marriott, que se reuniu com algumas jovens.

As mulheres líderes das auxiliares também visitaram uma área habitada por cambojanos em um antigo aterro conhecido como “montanha de lixo”. Durante anos, adultos e crianças varriam a área em busca de comida e itens para vender para obter alimento para suas famílias. Com a formação do Fundo da Criança Cambojana em 2003, as escolas e creches foram construídas com a capacidade de ensinar 2.000 crianças por vez. Nos últimos anos, Caridade SUD tem fornecido equipamentos e máquinas de costura e de higiene dental e construiu 40 casas no início deste ano para ajudar as famílias a aprendem um ofício e tornarem-se mais autossuficientes. É parte do plano a longo prazo da Igreja em parceria com o Fundo da Criança Cambojana.

Crianças estudam em escola em Camboja

Crianças estudam em escola do Fundo da Criança Cambojana. Imagem via mormonnewsroom.org.

“Esta escola realmente começa bem jovem, mas as leva até o ponto em que elas podem ingressar em uma universidade”, disse a irmã Esplin.

“Há esperança no ar aqui”, disse a irmã Marriott. “Em vez de cavar pelo lixo todos os dias, essas crianças estão aprendendo e elas têm uma casa. Elas estão se mudando para um lugar melhor”.

A parada final em sua turnê de três países foi a Mongólia. Como a Igreja tem sua presença lá desde 1992 e tem cerca de 11.000 membros, a Igreja é relativamente nova no país asiático.

“A juventude na Mongólia é a esperança”, afirmou a irmã Marriott. “Esta é uma igreja de primeira geração, e … suas vidas são a âncora em que … a Igreja construirá. E eles são constantes”.

As líderes mulheres puderam visitar famílias em suas casas chamados gers, que são tendas redondas e portáteis.

“Esta foi uma das experiências mais doces da minha visita”, disse a irmã Esplin depois de conhecer uma mulher chamada Nura que está criando os filhos de sua irmã e ensinando-lhes o evangelho em uma tenda. “Eu acho que uma das coisas que eu senti que eu nunca, nunca me esquecerei é o amor que eu senti naquela casa”, disse ela.

Irmã Esplin visita uma família na Mongólia.

Irmã Esplin visita uma família numa tenda na Mongólia. Imagem via mormonnewsroom.org.

“E eu senti um grande parentesco com as pessoas daqui”, disse a irmã Esplin sobre sua visita ao país asiático. “Em uma terra distante, estes são os meus irmãos e irmãs”.

“O evangelho se mostra na maneira como eles vivem”, resumiu a irmã Marriott. “E nós sentimos isso. Sentimos esse parentesco porque sentimos da mesma forma que elas sentiram. Nós amamos o Senhor. Elas amam o Senhor. Nós amamos o evangelho. Elas amam o evangelho. Nós desejamos viver os princípios. Elas desejam viver os princípios. E nos fortalecemos, uns aos outros.

As experiências de Irmã Marriott e irmã Esplin fazem parte dos esforços dos líderes da igreja para ministrar aos membros em todo o mundo. Mais cedo neste outono, Rosemary M. Wixom, presidente geral da Primária, e Carol F. McConkie, primeira conselheira na presidência geral das Moças, passaram algum tempo na Europa Oriental. Linda K. Burton, presidente geral da Sociedade de Socorro, e Bonnie L. Oscarson, presidente geral das Moças, viajaram para a Europa em seu trabalho de tocar as pessoas de lugares distantes.

 

Artigo original em Mormonnewsroom.org. Traduzido por Esdras Kutomi.