Em fevereiro de 2018, dois jovens mórmons demonstraram certo desrespeito para com a religião católica, em um ato de intolerância religiosa. Em resposta, o padre Gudialace expressou sua decepção nas redes sociais, em um vídeo que chegou ao conhecimento ao departamento de comunicação da Igreja.

A partir daí, foi iniciado a construção de uma relação de amizade com o líder católico e sua congregação.

Em 26 de julho, membros do departamento de Assuntos Públicos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias visitaram o padre Gudialace Oliveira, da Arquidiocese de Vitória, Paróquia Nossa Senhoras das Graças, Coqueiral em Itaparica.

O casal Aguirres acompanhou o diretor de Assuntos Públicos, Nei Garcia, na visita ao padre Gudialace, que os recebeu em sua casa para um almoço, preparado de maneira muito afetuosa.

Confira o vídeo, resultado do encontro que fortaleceu um pouco mais a liberdade religiosa no Brasil:

Liberdade Religiosa

Os mórmons valorizam muito a liberdade religiosa. Joseph Smith, o profeta da restauração, disse:

“Se foi demonstrado que tenho a disposição de morrer por um ‘mórmon’, declaro destemidamente perante o Céu que estou igualmente pronto para morrer em defesa dos direitos de um presbiteriano, um batista ou um bom homem de qualquer outra denominação; porque o mesmo princípio que destruiria os direitos dos santos dos últimos dias também destruiria os direitos dos católicos romanos ou de qualquer outra denominação que venha a ser impopular ou demasiadamente fraca para defender-se. É o amor pela liberdade que inspira minha alma, a liberdade civil e religiosa para toda a raça humana.

Seja decretado pelo Conselho Municipal da Cidade de Nauvoo, que os católicos, presbiterianos, metodistas, batistas, Santos dos Últimos Dias, quacres, episcopal, universalistas, unitários, maometanos [muçulmanos], e todas as outras seitas e denominações religiosas sejam quais forem, terão tolerância livre e privilégios iguais nesta cidade”

Fonte: Sala de Imprensa Mórmon

Relacionado:

Por que os mórmons têm a responsabilidade de proteger a Liberdade Religiosa