“Ele ainda está se ajustando.” “Ele está nesta fase pós-missionária um pouco esquisita”. “Ele só precisa de um pouco de tempo para se ajustar.” Todos nós já ouvimos esses comentários sobre ex-missionários. Muitos de nós provavelmente já fez esses comentários. E muitos de nós provavelmente já foram esse missionários na fase esquisita.

Não há dúvidas sobre isso, os ex-missionários carregam consigo a sensação persistente de que algo está um pouco fora do lugar – um “fator esquisito” pós-missão que amigos e familiares não podem deixar de notar. Embora seja engraçado provocar ou brincar, não é divertido experimentar esses ajustes difíceis e dolorosos como um ex-missionário.

Mas, para futuros missionários e ex-missionários, é importante perceber que o “fator esquisito” pós-missão é bastante normal. Até mesmo saudável.

O Professor de Psicologia da BYU, Dr. Ed Gantt, respondeu a cinco perguntas cruciais que todo ex-missionário enfrenta nesta fase pós-missão e deu respostas que fornecem insights sobre os ajustes psicológicos e espirituais que os missionários enfrentam e oferecem conselhos sobre como superar essas mudanças. Não deixe de conferir os insights inspiradores do Dr. Gantt abaixo:

Como a mente lida com grandes mudanças na vida, como voltar para casa depois de uma missão?

“Os seres humanos gostam de estabilidade e rotina. Mesmo os mais aventureiros e espontâneos entre nós ainda esperam bastante ter uma vida ordenada e estruturada. Servir como um missionário de tempo integral envolve uma enorme quantidade de estrutura e rotina. Sair dessa estrutura dramaticamente e repentinamente pode ser muito desorientador. Em meio a grandes mudanças na vida e no estilo de vida, procuramos alguma estabilidade, algo firme ou constante a ser seguido. Missionários que voltam para casa e não têm nada para trabalhar incansavelmente, que forneça alguma estrutura e direção, muitas vezes passam pela transição da vida missionária para a vida de membros como algo difícil e confuso.”

Quais são alguns dos “efeitos colaterais” ou desafios que os missionários podem esperar quando voltam para casa?

“Há muitos desafios que os missionários enfrentam ao voltar para casa e fazer a transição para a vida pós-missão. Por exemplo, ficar cara a cara com a sensação de que você não é tão importante quanto costumava ser ou o que o trabalho que você está fazendo não é significativo. Os missionários são ensinados repetidamente (e têm sido ensinados desde crianças ) que ser missionário é uma das coisas mais importantes que eles podem fazer e que o serviço dos missionários é o tipo de coisa que faz uma enorme diferença na vida dos outros. Seu um missionário envolve o sentimento diário que o trabalho tem conseqüências eternas e profundas, e que o Senhor espera que a coisa certa seja feita em todos os momentos para que a vida das pessoas possa ser mudada e as almas possam ser salvas.

“Quando você chega em casa, no entanto, este sentimento tende a desaparecer rapidamente.  Você não tem mais um título especial pelo qual todos o chamam; você não está mais usando terno e gravata (ou vestido) todos os dias; não há mais plaquetas com o seu nome. É muito fácil sentir que você não é mais importante. Claro, não é verdade que o que você está fazendo em sua vida pós-missão não seja tão importante quanto o que você estava fazendo como missionário. Mas é fácil ser levado a pensar nisso, dado que nós, como Igreja, frequentemente não o fazemos muito para garantir que a transição seja tranquila e que os missionários que retornam se sintam necessários para substituir o sentimento que eles tinham como missionários de tempo integral”.

Na sua opinião, qual é a melhor maneira de lidar com esses desafios?

“Eu diria que é absolutamente vital que os ex-missionários continuem a manter a rotina e a estrutura em suas vidas.  Eles precisam estar ansiosos para continuar com suas novas vidas: conseguir um emprego, ir à escola, continuar ativamente envolvidos sua ala, etc.

Além disso, mantenha seus padrões de missão – mesmo que não seja a rotina exata e o padrão de vestimenta. Isto é, continue estudando suas escrituras diariamente, continue a orar, vá ao templo com a maior frequência possível, ministre às pessoas com a mesma preocupação e desejo que você teve com os pesquisadores no campo missionário. Há uma razão pela qual os missionários se sentem muito bem ao servir missões, e há também uma razão muito clara para que esse sentimento diminua ou desapareça quando eles voltarem para casa e forem libertados.

Se você quer continuar a experimentar os tipos de milagres, bênçãos e a companhia do Espírito Santo que você experimentou como missionário, você tem que continuar a fazer muitas coisas que fazia em sua missão. Claro, é importante não tentar fingir que você ainda é um missionário de tempo integral com o mesmo propósito. Isso também pode levar à frustração e confusão. No entanto, você pode continuar a se esforçar diariamente pela presença do Espírito em sua vida, mesmo que esteja lidando com seu plano de vida e com um novo conjunto de desafios diários que surgem ao ser um membro da Igreja.”

Quais efeitos colaterais psicológicos (se houver) que um missionário pode ter depois de voltar para casa?

“No geral, é normal sentir-se deslocado, ou até mesmo um tipo de “desapontamento ” por algumas das razões que mencionei acima.  É até normal sentir-se um pouco desanimado ou desapontado – afinal, os missionários geralmente geram expectativas muito altas (até mesmo irrealistas) de como será a vida pós-missão, e então descobrem que as coisas não acontecem como imaginam. Isso é difícil quando eles descobrem que não sentem o Espirito Santo com tanta intensidade, ou que não podem compartilhar suas experiências sagradas com tanta frequência quando na missão, ou percebem que nem sempre há alguém com você 24 horas ao dia para ajudá-lo a tomar decisões, animá-lo, lembrá-lo do que é importante, etc.”

Há algum conselho ou qualquer outra coisa que você gostaria de dizer aos ex-missionários?

“Há muitas coisas que eu sugeriria, mas vou tentar resumir.

Primeiro, não tenha tanta pressa de se familiarizar com o mundo, de acompanhar as músicas e filmes mais recentes, e assim por diante. Você passou de 18 a 24 meses sem isso, e o resultado foi uma elevação espiritual e clareza de propósitos que você provavelmente nunca experimentou antes. Continue a fazer o tipo de coisas que ajudaram você a alcançar essa elevação, a sentir a presença do espírito e a conhecer sua posição diante de Deus.

Não tem problema (e é até mesmo necessário) se ajustar à vida pós missão ao voltar a sair com os amigos, ir a encontros, trabalhar onde você pode estar cercado por pessoas que não compartilham seus valores e padrões, etc., mas você não precisa estar com pressa para fazer todas essas coisas. Continue a levantar-se cedo, estude as escrituras, pratique seu idioma (se tiver que aprender um em sua missão), ore com frequência e procure oportunidades de serviço.

Você não é mais um missionário de tempo integral, então é claro que você não deve se enganar pensando que você é um, continuando a gastar todos os dias indo em divisões com os missionários em sua cidade natal.  No entanto, você também não é a mesma pessoa que era antes de sua missão, portanto não se engane pensando que está apenas voltando a viver o tipo de estilo de vida que você vivia antes de sua missão. 

Segundo, lembre-se sempre de que nenhuma transição na vida é fácil. Como missionário, os desafios que você enfrentou no campo missionário (por exemplo, pesquisadores difíceis, companheiros problemáticos, um idioma difícil, etc.) foram realmente bênçãos que o ajudaram a crescer em seu relacionamento com o Senhor, especialmente quando você O procurou para receber orientação e força. Fazer a transição para a vida pós-missão provavelmente apresentará alguns desafios reais. Você precisa estar preparado para esses desafios e precisa usar o que aprendeu como missionário para enfrentar tais desafios, de modo que possa passar por eles de maneira eficaz sem perder ânimo ou foco.”

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

Por que Deus não me chamou para servir em uma missão