Para apoiar o programa de aprendizado da Igreja – “Vem, e Segue-me” – estamos publicando semanalmente comentários sobre a lição designada. Estamos estudando o Novo Testamento em 2019. Na lição de hoje, designação de 5-11 de Agosto, estudaremos os Romanos 1-6.

As epístolas de Paulo são ricas em doutrina. Elas também revelam o comprometimento dele com a verdade divina. É maravilhoso poder estudá-las.

Paulo foi um apóstolo?

Sim. O próprio Novo Testamento revela esse fato. Em Romanos 1 lemos que ele se identifica como apóstolo. Isso significa que em algum momento entre a conversão de Paulo e seu martírio uma nova vaga surgiu no Quórum dos Doze, e Jesus Cristo inspirou seu profeta a chamar Paulo para o apostolado. Os detalhes disso são desconhecidos, mas o fato é que Ele foi mesmo um apóstolo – e sabemos disso não apenas pela Bíblia, mas pelo testemunho dos profetas modernos.

Não me envergonho do Evangelho de Cristo

Sentir vergonha do evangelho é negá-lo, não defendê-lo e deixar de apregoá-lo. Paulo não se envergonhava, e nós também não devemos nos envergonhar. Mesmo que seja impopular defender a verdade, devemos fazê-lo!

Nosso profeta, o Presidente Russell M. Nelson, disse:

“Meu (…) convite para vocês é: sejam um destaque, sejam diferentes do mundo. Sabemos que vocês devem ser uma luz para o mundo. Portanto, o Senhor precisa que vocês pareçam, falem, ajam e se vistam como verdadeiros discípulos de Jesus Cristo. Sim, vocês vivem no mundo, mas têm padrões muito diferentes que os ajudam a evitar os efeitos negativos do mundo.

Tendo o Espírito Santo como seu companheiro, vocês conseguem ver muito além da idolatria às celebridades que têm se tornado muito popular em nossa sociedade. Vocês podem ser mais sábios do que foram as gerações anteriores. E se às vezes forem chamados de “esquisitos”, tomem para si essa declaração como algo honroso e fiquem felizes de ter sua luz brilhando neste mundo cada vez mais escuro.

Estabeleçam um padrão para o resto do mundo! Aceitem ser diferentes! (…)” (Devocional “Hope of Israel”).

Élder Joni L. Koch, uma Autoridade Geral, disse que podemos defender a verdade na internet. Ele disse:

“Hoje em dia, uma das principais áreas em que nossa coragem de compartilhar o evangelho é necessária é quando usamos as plataformas das redes sociais. Proativamente, podemos — sem sermos enfadonhos ou farisaicos — compartilhar nossas crenças — de maneira simples, amorosa e com convicção. (…)

À medida que navegamos em nossos relacionamentos nas redes sociais, haverá momentos em que precisaremos defender os valores abrangidos pelo evangelho restaurado, como a santidade do casamento entre um homem e uma mulher, nossa posição sobre o aborto, a doutrina sobre gênero, e até mesmo a realidade da existência de um Pai Celestial e a missão de Seu Filho Jesus Cristo. Embora certamente não devamos nos engajar em debates em torno de nossas crenças, devemos — com amor — mas claramente — declarar a nossa posição como ensinado pelas escrituras e especialmente por meio de nossos profetas vivos. Posicionar-nos apropriadamente e espiritualmente na multidão das redes sociais é uma maneira muito eficaz de compartilhar o evangelho”  (A Liahona Janeiro de 2019)

Veja meu vídeo desta semana comentando a lição: