O que eu aprendi quando um apóstolo veio almoçar na minha casa

Enquanto eu servia com meu marido na Missão República Dominicana Santiago, uma reunião de liderança do Sacerdócio aconteceu na cidade para todos os líderes do Sacerdócio no Caribe. A cada quatro anos, este encontro é realizado em um país diferente do Caribe e transmitido para os outros países.

Por causa desse evento, várias Autoridades Gerais da Igreja vieram para essa reunião, incluindo o Élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos; o Élder Ronald A. Rasband, da Presidência dos Setenta; o Élder Wilford Andersen, o Presidente da Área; Devn Cornish, dos Setenta e o Élder Dominguez, um Setenta de Área.

Tive a oportunidade de almoçar com todos esses líderes, suas esposas e o filho do casal Cornish, Reid – que tem síndrome de down e sempre acompanha os pais nas viagens. Planejei esse almoço por meses e queria que tudo fosse perfeito, mesmo sabendo que éramos 13 em uma mesa para 12 pessoas.

Marcamos o almoço para às 11: 00 da manhã, para que desse tempo de todos irem para a reunião de liderança com antecedência. Tudo estava pronto às 11h, mas não tinha ninguém para comer. Esperamos por mais de 1 hora quando a campainha tocou, trazendo nossos convidados e mais duas pessoas a mais (o presidente do templo e sua esposa), que eu não sabia que viriam.

A minha mesa que já estava cheia demais, ia ter de acomodar mais duas pessoas! Parecia impossível, ainda mais com o pouco tempo que nos restava.

Percebendo que não haveria lugar para todo mundo na mesa, e tentando ser o mais educada possível, a irmã Cornish disse a Reid: “Reid, querido, por favor pegue o seu prato e vá para o sofá.” Eu tentei falar alguma coisa e tentar resolver aquela situação que eu realmente não sabia resolver, mas eu não tinha nada em mente.

O que aconteceu a seguir, é algo que eu vou me lembrar para o resto da minha vida. O Élder Neil A. Andersen interrompeu e disse: “Não! Reid, por favor, sente-se ao meu lado.”

Sinceramente, naquele momento senti que nós tínhamos acabado de ser instruídos pelo exemplo de uma verdadeira testemunha especial de Jesus Cristo.

Sinto que isso é exatamente o que Jesus Cristo teria feito em uma situação semelhante. O salvador da humanidade não ligava para as tradições dos homens que consideram um homem maior do que outro.

Ele ensinou repetidamente que aquele que é maior no reino de Deus será o servo de todos. Jesus cercou-se, não com líderes religiosos e governamentais de prestígio, mas, em vez disso, com os pobres, os excluídos, os cegos, os mutilados, as prostitutas e os odiados cobradores de impostos.

Sem outra palavra falada, todos podiam sentir o poder da lição que tínhamos testemunhado. Silenciosamente, mais dois lugares foram colocados na mesa, cadeiras extras foram trazidas e todos apertados ainda mais firmemente juntos.

Tenho de dizer que o almoço foi perfeito, ainda mais perfeito porque Reid ficou tão feliz que sorriu durante todo o almoço.

No dia seguinte, o Élder Andersen esteve em uma conferência de estaca. Após a reunião, o Élder Andersen não tinha muito tempo antes de seu voo para outra cidade e ele sabia que todos queriam apertar sua mão, pois a maioria nunca tinha visto um apóstolo pessoalmente.

O Élder Andersen anunciou que por ter pouco tempo antes de seu próximo compromisso, ele gostaria de convidar qualquer criança que quisesse apertar sua mão para se apresentar próximo ao púlpito. Isso surpreendeu todo mundo! Nos próximos 35 minutos, ele apertou as mãos de todas as crianças. Mais uma vez, o Élder Andersen me fez lembrar de Cristo. De como Jesus sempre tinha tempo para as crianças.

mudanças em janeiro

 

Pude lembrar dessa experiência durante a conferência geral no início do mês. Pude pensar no Salvador e que se Ele viesse nos ver hoje, ele não buscaria os ricos ou poderosos ou os super justos primeiro. Sinto que Ele iria procurar os que passam despercebidos, as ovelhas perdidas, os refugiados. Ele levaria respeito, amor, paz e cura a eles.

E foi exatamente isso que nosso profeta nos pediu para fazer. Ele nos pediu para deixar o preconceito de lado e servir e amar o nosso próximo. O profeta nos fez lembrar da importância da união e de que o Salvador disse que “se não sois um, não sois meus.” (D&C 38:27). Basicamente, ele nos pediu que agíssemos como representantes do Mestre que servimos.

Jesus Maria e Marta - a vida não é justa, e não foi para o Salvador quando Ele veio a Terra. Jesus sofreu a maior injustiça. Salvação

Para mim, esta conferência foi semelhante à minha experiência de ver um apóstolo do Senhor em um simples almoço escolher honrar um jovem que muitos outros facilmente teriam ignorado. Nosso amado profeta encorajou todos nós a sermos uma luz semelhante e um exemplo do nosso Salvador neste momento da grande necessidade. Que bênção maravilhosa é ter um profeta para nos guiar e guiar nesta época!

Fonte: Meridian Magazine

| Inspiração

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *