Mórmons são cristãos? Veja na letra do hino

“Portanto, pelos seus frutos os conhecereis”
(Jesus Cristo em Mateus 7:20)

Imagine-se, caro leitor ou cara leitora, participando do “Show do Milhão”. Uma das perguntas é: “Que fruto cresce em uma macieira?”. São-lhe apresentadas quatro alternativas: a) Manga; b) Pêra; c) Tangerina; d) Maçã.

Quais são as chances de você pular para a próxima pergunta, pedir ajuda aos universitários ou solicitar qualquer outro recurso? Nenhuma, a menos que você esteja muuuuuuito desatento(a)! A resposta correta é bem óbvia, não é? Mas, se for para pedir ajuda a alguém, que tal saber o que o próprio Senhor ensina a respeito? “Porque cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto; pois não se colhem figos dos espinheiros, nem se vindimam uvas dos abrolhos” (Lucas 6:44).

Com uma dica dessas, você responde corretamente e segue adiante. Outras perguntas vêm e você continua o jogo com sucesso. Chegou a última pergunta, a que o apresentador Silvio Santos chama de “arrisca-tudo”:

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias… é uma igreja cristã?

a) Sim
b) Não
c) Talvez
d) Nenhuma das alternativas anteriores

Considerando que esta é a pergunta crucial – a que lhe dará um milhão de reais, caso sua resposta esteja correta, ou lhe tirará todos os prêmios até então conquistados, caso a resposta esteja errada –, com que segurança você a responderia? Vamos fazer algumas pesquisas para nos certificarmos de que sua resposta lhe garantiria o prêmio final. Ah! Só lembrando: os frutos que nascem em macieiras são… maçãs! 😉

Quem são os cristãos, antes de qualquer coisa? Imagino que você concorde comigo nesta definição: cristãos são aqueles que professam a crença nos ensinamentos de Jesus Cristo.

Com um milhão de reais em barras de ouro na jogada, você acha que essa definição lhe ajudaria a dar sua resposta? Ou você arriscaria seu prêmio milionário dando uma resposta baseada numa definição menor do que essa?

E agora??? Como discernir se os “mórmons” (os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias) acreditam nos ensinamentos de Jesus Cristo? Mais uma vez, acredito que você e eu vamos concordar: nada mais adequado do que procurar saber, dos próprios “mórmons”, em que eles acreditam e como, de acordo com essas crenças, conduzem suas vidas.

Que tal começar dando uma olhadinha no livro “Hinos” que os membros da Igreja usam em suas reuniões de adoração? O que se pode concluir a partir de mensagens como a seguinte?

Creio em Cristo
É Ele meu Rei
Meu coração lhe ofertei
A minha voz hei de elevar
E em seu louvor, assim, cantar.
Creio em Cristo, o filho de Deus,
Que entre os mortais, mortal se fez.
Curou enfermos, ensinou,
Só boas obras praticou.

Creio em Cristo
Ó nome que é luz!
Da virgem mãe nasceu Jesus.
Por nossas faltas expiou
E do pecado nos salvou.
Creio em Cristo, herdeiro real
Da glória do Pai Celestial.
Aos homens chama: “Vinde a mim”
E os conduz ao céu enfim.

Creio em Cristo, meu Rei, meu Senhor
Meus pés guiou com terno amor
Adorarei ao Rei Jesus,
A fonte da verdade e luz.
Creio em Cristo, que me salvou.
Das garras do mal me libertou.
E assim, feliz, eu viverei
Na eterna corte do meu Rei.

Creio em Cristo, supremo ser.
Por Ele irei no céu viver
E neste vale da morte e dor,
Eu sigo a voz do meu Pastor.
Creio em Cristo e não temerei
Por seu grande amor eu lá estarei
Quando Ele à Terra regressar
E entre os homens governar.

(Creio em Cristo, Hinos, nº 66
Música: John Longhurst
Letra: Bruce R. McConkie)

Só de ler a letra, você poderia dizer se seu autor Bruce McConkie é ou não cristão? Ainda tendo em mente que maçãs só podem nascer em macieiras, que palpite daria? Por acaso Bruce deixaria de ser considerado cristão se você descobrisse que ele é membro da “igreja mórmon”?

A única maneira de concluir que o fruto de uma macieira não é uma maçã é através da negação de uma evidência óbvia (com o perdão do pleonasmo) perante nossos olhos, ou seja, de um preconceito cego.

Dando continuidade às nossas pesquisas, vamos dar uma lida em outro hino SUD (santos dos últimos dias – ver Sobre o Blog SUD):

Salvador, eu quero amar-te,
Em tua senda quero andar,
Socorrer o irmão aflito,
Minha força em ti buscar.
Salvador, eu quero amar-te.
Sim, eu te seguirei.

Não me entrego a julgamentos.
Imperfeito sou também.
Nos recônditos da alma,
Dores há que não se vêem.
Não me entrego a julgamentos.
Sim, eu te seguirei.

Cuidarei do irmão que sofre,
Sua dor consolarei.
E ao fraco e ferido
Meu auxílio estenderei.
Cuidarei do irmão que sofre.
Sim, eu te seguirei.

Quero amar meu semelhante
Como tu amaste a mim.
Dá-me forças, ó meu Mestre,
Para ser teu servo enfim.
Quero amar meu semelhante.
Sim, eu te seguirei.

(Sim, Eu Te Seguirei, Hinos, nº 134
Música: K. Newell Dayley
Letra: Susan Evans McCloud)

Nova tentativa: só de ler as palavras, você tem condições de dizer se Susan McCloud é cristã? E ela deixaria de ser cristã se você ficasse sabendo que ela também é SUD ou, como as pessoas chamam erroneamente, “mórmon”?

Há muitas definições menores da palavra “cristão” que são criadas e divulgadas por pessoas – muitas das quais perseguidoras, em maior ou menor grau, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. E, para cada uma dessas definições menores, os “mórmons” são ora incluídos e ora excluídos da categoria de “cristãos”.

Mas por que aplicar definições inferiores, concebidas por mentes humanas, quando podemos simplesmente aplicar a maior das definições de “cristão”, tal qual declarada pelo próprio Cristo e ainda reforçada por Seus apóstolos e profetas? 😉

No Novo Testamento, lemos que “os demônios também acreditam” (Tiago 2:19, 20) que Jesus é o Filho de Deus. Epa! Isso significa que os demônios também são “cristãos”? 😮 Vamos com calma: eles podem ter atingido o nível do “crer”, mas ainda falham no quesito “seguir”.

Assim, é sensato aumentar nossa definição anterior de “quem são os cristãos” com a faceta “seguir”. Que tal essa: Cristãos são aqueles que crêem em Jesus Cristo e seguem Seus ensinamentos?

Seguir o exemplo de Jesus Cristo é um elemento essencial para ser um cristão, pois é no “seguir” que os “frutos” são manifestados. Jesus ensinou que fiéis são os que O seguem:

Em verdade, em verdade, eu vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai” (João 14:12)

O Apóstolo Pedro expressou esta verdade com estas palavras:

Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos; o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca; pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente” (1 Pedro 2:21-23).

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias não gasta tempo em publicar literatura que degrada outras denominações. No que se refere às crenças de outras religiões, os “mórmons” tomam a seguinte posição:

Pretendemos o privilégio de adorar a Deus Todo-Poderoso de acordo com os ditames da nossa própria consciência; e concedemos a todos os homens o mesmo privilégio, deixando-os adorar como, onde ou o que eles desejarem” (11ª Regra de Fé – A Pérola de Grande Valor).

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias segue o exemplo de Cristo: quando é “ultrajada”, não “revida com ultraje”. Os santos dos últimos dias estão comprometidos com uma abordagem positiva e produtiva da vida religiosa, como se afirma nesta última das treze Regras de Fé:

Cremos em ser honestos, verdadeiros, castos, benevolentes, virtuosos e em fazer o bem a todos os homens; na realidade, podemos dizer que seguimos a admoestação de Paulo: Cremos que todas as coisas, confiamos em todas as coisas, suportamos muitas coisas e esperamos ter a capacidade de tudo suportar. Se houver qualquer coisa virtuosa, amável, de boa fama ou louvável, nós a procuraremos” (13ª Regra de Fé – A Pérola de Grande Valor).

Seguindo o exemplo do Salvador, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias não espalha “conspirações” (sinônimo para “dolo”) ou “ultrajes” contra outras denominações. A Igreja só publica e prega “palavras sãs” (1 Tim. 6:3), não fala “dolosamente” e incentiva seus membros a estarem “sempre preparados para responder a todo aquele que (…) pedir a razão da esperança que há [neles], fazendo-o todavia, com mansidão e temor, com boa consciência” (1 Pedro 3:10, 16). Os santos dos últimos dias seguem os princípios cristãos!

Em última análise, a prova está no fruto. Você pode discernir, por si mesmo(a) e de acordo com sua inteligência, se os “mórmons” são cristãos. Quer mais fontes? Apresento três: Jeffrey R. Holland, Dallin H. Oaks, bem como o falecido Neil A. Maxwell. São três líderes SUD, todos apóstolos do Senhor Jesus Cristo. Leia e examine, por si mesmo(a), o que revela o fruto desta árvore. Se estes homens são cristãos, você vai ver facilmente… que maçãs estão crescendo na macieira. 🙂

| Inspiração

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *