Para o Dia dos Pioneiros, 24 de julho, celebramos os pioneiros mórmons. Eles passaram por muitas provações em sua jornada, mas eles também cresceram em sua fé. O historiador Wallace Stegner escreveu sobre os pioneiros:

“Eu [não] duvido de sua devoção e de seu heroísmo frequente em nome de sua fé. Especialmente suas mulheres. Suas mulheres eram incríveis.”

Mulheres pioneiras tinham de ter filhos e enterrá-los. Elas cuidaram de suas famílias e viajaram sozinhas quando seus maridos se juntaram ao Batalhão Mórmon. Elas puxaram seus filhos em carrinhos de mão no frio sem sapatos. Hoje, mostramos tributo a essas incríveis mulheres pioneiras, compartilhando suas histórias incríveis de provações, fé e milagres.

Nós organizamos estas histórias em nove seções. Selecione a princípio o que você quiser ler, ou role para ler todos!

  1. “Como obter força por meio das provações”
  2. “Lealdade à Sua Fé”: Perseverar na Jornada até o Fim
  3. Trilha do Sacrifício
  4. Bênçãos do Sacerdócio
  5. Riso em Meio às Provações
  6. Sua Fé em Deus Guiou Seus Passos
  7. Orações Que Foram Atendidas
  8. Milagres: Nada é Impossível
  9. Outras Surpreendentes, Fortes, e Fiéis Mulheres Pioneiras
  10. Mulheres Pioneiras: “Onde Estão Essas Mulheres?”

 

Como obter força por meio das provações

Como o Senhor ajudou Uma Mulher Pioneira A Superar a Depressão

Mulheres pioneiras enfrentaram muitas perdas, mas elas continuaram em sua jornada de fé em direção a Sião. Elizabeth Jackson é um exemplo. Seu marido faleceu depois que a companhia Martin de Carrinhos de Mão atravessou o rio Platte, deixando-a para viajar sozinha enquanto cuidava de seus filhos.

Elizabeth ficou muito deprimida conforme ela lidava com este sofrimento. Então, em uma noite, ela sonhou com seu marido. Ele disse, “anime-se, Elizabeth, a libertação está próxima”, e no dia seguinte, vagões de resgate de Salt Lake descobriram a companhia Martin de Carrinhos de Mão e prestaram seu apoio.

Elizabeth escreveu mais tarde:

Eu não vou tentar descrever meus sentimentos sobre encontrar-me como uma viúva com três filhos, sob tais circunstâncias excruciantes … Acredito … que meus sofrimentos por causa do evangelho serão santificados para o meu bem … Eu apelo para o Senhor … Apelei para ele e ele veio em meu auxílio.

Para suportar uma viagem como esta por si só é uma coisa difícil de se fazer. Mas Elizabeth sabia que ela não estava sozinha, ela tinha Deus consigo (Ensign article “LDS Women Are Incredible” ; Tell My Story, Too).

 

Dando Quando Ela Teve Tão Pouco Para Dar

Às vezes, a força pode ser vista na compaixão, especialmente quando se tem pouco para dar como Emily Hill. Ela foi convertido à Igreja quando tinha apenas 12 anos e logo foi seguida por sua irmã Júlia, de 15 anos de idade. Seus pais se recusaram a deixá-las serem batizadas ou ir à igreja, mas as irmãs fugiam para a reunião sacramental sempre que podiam.

Quando elas eram mais velhas, as irmãs trabalharam duro e economizaram dinheiro suficiente para viajar para a América. Eles se juntaram à companhia Willie de Carrinhos de Mão e sofreram com a fome, fraqueza e frio que afetou os membros da companhia. Emily diz:

Minha irmã desmaiou e era incapaz de andar e eu lembro que me perguntei … Se era possível para mim, com ou sem fé, caminhar 1.200 quilômetros de distância. A carne certamente era fraca, mas o espírito estava disposto. Eu decidi que eu tentaria.

Quando os vagões de socorro encontraram a companhia, ela se encontrou com Joseph A. Young, que ela havia conhecido em sua missão na Inglaterra. Ele chorou quando viu a condição desgastada de Emily e deu-lhe uma cebola para comer. Mas ela não comeu, em vez disso, ela deu a cebola para um homem que estava perto da morte. O homem disse mais tarde que esse ato salvou sua vida (Follow Me to Zion).

Trail Of Sacrifice – Valley Of Promise por Clark Kelley Price. Imagem via LDS.net.

Trail Of Sacrifice – Valley Of Promise por Clark Kelley Price. Imagem via LDS.net.

 

“Lealdade à Sua Fé”: Perseverar na Jornada até o Fim

Sofrer Pelo Evangelho ao Invés de Viver Sem Ele

Muitas pessoas tentaram persuadir as mulheres pioneiras a desistirem de sua viagem a Sião. Elizabeth Cheney experimentou essa pressão em Winter Quarters. Ela recebeu uma carta de seus pais em que eles ofereceram-lhe qualquer soma de dinheiro se ela renunciasse a Igreja e voltasse para casa. Esta foi sua resposta:

Eu não tenho nem a remota ideia de voltar para casa … nossa causa é justa e deve continuar em frente … Eu não abracei este trabalho às pressas: Eu vim para ele com entendimento. Eu pesei o assunto, eu contei o custo, eu sabia a consequência de cada passo que daria.

Se eu pudesse estar entre a multidão inumerável que João viu cujas vestes foram lavadas e branqueadas no sangue do Cordeiro devo, como eles, passar por muitas tribulações, e em vez de pensar que é difícil passar por essas dificuldades, eu me considero com júbilo por ser considerada digna de sofrer pelo Seu nome.

Elizabeth é verdadeiramente um exemplo de uma mulher virtuosa por sua forte fé no evangelho apesar das provações que enfrentaria (General Conference Talk “Pioneer Shoes Through the Ages”).

 

Escolhendo entre Fé e Casamento

Agnes Caldwell se lembra de Christena McNeil, uma jovem que viajou com sua família. A mãe de Agnes, o irmão mais velho, e Christena pararam em um forte em Laramie, Wyoming, na esperança de negociar algumas bugigangas por alimento. O oficial disse à irmã Caldwell que ele não tinha nenhuma utilidade para as bugigangas, mas guiou-a para outras tendas onde ela poderia encontrar alguém que precisasse.

Enquanto a irmã Caldwell tinha ido embora, o oficial pediu Christena para ficar com ele. Ele a pediu em casamento, mostrando-lhe o quão rico ele era e dizendo que a companhia de carrinhos de mão pereceria e nunca chegaria em Utah. Agnes diz que Christena “disse a ele de forma clara que ela se arriscaria com os outros, mesmo que isso significasse a morte.” O oficial se admirou com a “lealdade à sua fé” e deu à família um grande presunto. (I Wlked to Zion).

Apesar das circunstâncias, as mulheres pioneiras cumpriram seu papel donas de casa. de

Apesar das circunstâncias, as mulheres pioneiras cumpriram seu papel de donas de casa.

Trilha do Sacrifício

Fé Na Promessa de Um Profeta

Mary Goble tinha apenas 13 anos quando deixou a Inglaterra para ir para a América. Enquanto viajavam para o oeste, três de seus irmãos e sua mãe faleceram. No final da jornada, Mary e seus dois irmãos remanescentes tinham os pés congelados. Ela lembrou que viu lágrimas nos olhos de Brigham Young quando ele os viu.

Os pés de Mary estavam seriamente danificadas pelo congelamento. O médico queria amputá-los no tornozelo, mas Brigham Young disse-lhe para cortar apenas os dedos dos pés fora, prometendo a Mary que nada mais precisaria ser removido. No entanto, muitos meses depois, seus pés ainda não tinham melhorado. Mary foi ao médico, que novamente disse que ela precisava amputar os pés até o tornozelo. Ela se recusou, lembrando da promessa de Brigham.

Um dia, Mary estava chorando de dor em seus pés quando uma velhinha entrou em sua casa.

Ela disse que tinha sentido que alguém precisava dela lá. Eu disse a ela a promessa que Brigham Young tinha me feito. Ela fez um cataplasma e colocou nos meus pés, e cada dia ela vinha e mudava o cataplasma. Ao fim de três mêses, meus pés estavam curados.

Quando Mary foi ao médico, ele assumiu que a situação dela tinha piorado. Ela disse a ele que seus pés haviam sido curados e ele não acreditou nela até que ela os mostrou. Ele disse que aquilo era um milagre. (Ensign article “The Faith of the Pioneers” ; Mormon Literature Sampler: Death Strikes the Handcard Company).

As Mães de Sião: Dar à Luz na Jornada

Talvez aquelas que mais sacrificaram foram as mães que viajaram para o oeste. Muitas tiveram de carregar e enterrar as crianças ao longo da trilha. Eliza R. Snow diz que na primeira noite da viagem, nove crianças nasceram. Ela também lembra um parto mais tarde que aconteceu durante uma tempestade em uma tenda rude. Várias irmãs seguravam pratos para apanhar os pingos da chuva, a fim de manterem a mãe e seu bebê secos.

Zina D.H. Young, uma esposa de Brigham Young, deu à luz na parte traseira de uma carroça coberta. Ela parou a marcha da companhia quando isso aconteceu. Embora as condições de parto eram longe de ser ideais essas mães continuaram. Zina disse que “não me importava o sofrimento da minha situação, pois minha vida tinha sido preservada, e meu bebê parecia tão bonito.” (Ensign article “Courage—The Unfailing Beacon”).

Handcart Pioneer por Sam Lawlor. Imagem via LDS.net.

Handcart Pioneer por Sam Lawlor. Imagem via LDS.net.

Deixando a Família, Perdendo o Marido, Mas Nunca Sua Fé

Sua mãe ofereceu suas roupas e seu irmão ofereceu-lhe seu dinheiro se ela não deixasse eles e seu país pelo evangelho. Foi uma escolha difícil de fazer, de deixar a sua família, mas Ann Coope Harvey o fez. Ela diz:

Eu me senti tão mal que meu coração parecia virado. Eu tive a impressão de não olhar para minha mãe de novo, então eu peguei o meu bebê em meus braços, entrei no trem, virei o rosto para Sião, e deixei a casa de minha infância, todos os meus associados e afins, por causa do evangelho.

Ela partiu para Nova Orleans e pegou um barco a vapor para St. Louis. Enquanto estava lá, ela embarcou com uma mulher velha e ficou doente por causa da mudança na alimentação.

Um ministro também embarcou lá e se recusou a vir para comer, porque ele pensou que Ann tinha cólera. Ann disse à mulher que ela sentiu que o ministro não acreditava nas escrituras, que ensinam que os “anciãos da igreja” devem cuidar dos doentes. Ann disse a ela que “viveria para ir a Sião, mas ele levaria a doença e morreria. Tudo o que eu disse aconteceu, porque ele nunca saiu daquela casa até que foi levado em seu caixão.”

Quando o marido de Ann veio a ela, ele disse que havia sonhado que ele morreria. Ele disse que estava feliz que era ele quem morreria, porque ele achava que Ann faria um trabalho melhor em cuidar do filho deles. Não muito tempo depois, ele contraiu cólera e faleceu. Ann “foi deixada sozinha no mundo em um país estranho”, mas ela trabalhou duro e levantou dinheiro suficiente para viajar para o oeste (“Autobiography of Ann Coope Harvey”).

Um Exemplo de Enorme Sacrifício na Trilha Mórmon

Enquanto na trilha, Ellen “Nellie” Pucell, de 10 anos de idade, perdeu os pais. Ela e sua irmã Maggie continuaram com a companhia de carrinhos de mão até que as duas estavam tão fracas que elas entraram em colapso. Um líder dos carrinhos de mão veio e colocou Nellie no carrinho e teve Maggie agarrada a ele caminhando a seu lado.

Porque ela caminhou ao lado do carrinho, Maggie não teve seus membros congelados. Nellie não teve tanta sorte. Quando chegaram ao Vale do Lago Salgado, os pés tiveram que ser amputados. Mas Nellie não deixou que isto a deixasse para baixo. Embora tivesse que andar de joelhos pelo resto da vida, ela se casou e teve seis filhos. Embora sentisse dor pelo resto da vida, seu marido recorda que “não havia nenhum traço de amargura, somente paciência e serenidade.” (Chapter Six of Our Heritage ; “Pioneer Spotlight: Ellen Pucell Uthank”)

Memorial Nellie Pucell localizado em Cedar City, Utah e dedicado por Gordon B. Hinkley. Courtesia de Nauvoo Times.

Memorial Nellie Pucell localizado em Cedar City, Utah e dedicado por Gordon B. Hinkley. Courtesia de Nauvoo Times.

Bênçãos do Sacerdócio

Fé no Poder do Sacerdócio

Mary Bathgate e Isabella Park tinham ambas mais de 60 anos de idade quando viajaram para Utah. Elas eram boas amigas e nenhuma delas havia sido levada carregada num vagão por toda a viagem. Enquanto viajava perto de Fort Bridger, uma cascavel mordeu a perna de Mary e eles enviaram uma menina à frente do acampamento para obter ajuda.

Um dos irmãos do sacerdócio disse que “quando chegamos até ela, ela estava muito doente, mas disse que havia poder no sacerdócio, e ela sabia disso.” Eles trataram a ferida e deram-lhe uma bênção. Eles colocaram Mary em um vagão para levá-la ao acampamento e ela “chamou testemunhas para provar que ela não entrou no vagão até que foi obrigada pela amaldiçoada cobra.”

Em um ponto, Isabella tentou ver como sua amiga estava indo. O carroceiro não a viu e começou a se mover para a frente com os bois. A primeira roda da carroça jogou Isabella para baixo e rolou por cima de seu quadril. Um irmão tentou puxá-la para fora do caminho, mas as rodas traseiras passaram pelos tornozelos. Apesar do enorme peso do vagão, Isabella, milagrosamente, não tinha nenhum osso quebrado (Ensign article “Following in Their Footsteps” ; Handcarts to Zion).

 

Como a Benção do Sacerdócio Ajudou os Bois a Continuarem a Viagem

Mary Fielding Smith foi um exemplo fiel de uma pioneira fiel. Ela era a viúva de Hyrum Smith e viajou para o oeste com seu irmão Joseph Fielding e seu filho Joseph F. Smith. Numa manhã, eles acordaram para encontrar vários de seus bois desaparecidos. Joseph e seu sobrinho procuraram por eles, mas não tiveram sucesso.

Quando eles voltaram para o acampamento, eles encontraram Mary ajoelhada em oração. Depois, ela mesma foi procurar os bois. Ela continuou caminhando, mesmo quando um pastor parou para dizer-lhe onde ele vira os bois pela última (na direção oposta que ela estava indo). Mary encontrou os bois, em uma moita de salgueiros. Os pastores haviam escondido os bois lá com a intenção de roubá-los.

No entanto, em Winter Quarters, Mary perderia muitos de seus bois e cavalos. Ela improvisou ligando dois de seus carroções juntos, fazendo os bois puxarem o dobro da carga. Um dos homens disse-lhe para ficar para trás, dizendo que ela seria um fardo e retardaria a companhia. Sua resposta: “Eu vou chegar primeiro do que você no vale e também não vou pedir nenhuma ajuda de você”.

Ao longo da trilha, um dos bois de Mary caiu no chão, convulsionando como se envenenado. Muitos da companhia acreditavam que ele iria morrer, mas Mary pediu que fosse dada uma benção nos bois com óleo. Isso foi feito e o boi foi curado. Não muito tempo depois, outro dos bois de Mary caiu no chão e também foi curado com uma bênção. Ela continuou, e fiel à sua palavra, Mary chegou ao vale um dia antes do resto da companhia (I Walked to Zion ; “Mary Fielding Smith—Mother in Israel”).

Mary Fielding Smith – Pioneira Mórmon por G.S. Hopkinson. Imagem via LDS.net.

Mary Fielding Smith – Pioneira Mórmon por G.S. Hopkinson. Imagem via LDS.net.

Riso em Meio às Provações

Uma Mãe Que Fez os Outros Rirem

Embora os pioneiros sofressem por muitas dificuldades na sua caminhada para o oeste, eles conseguiam ter alguns bons momentos e risadas ao longo do caminho. Sarah Loader Holman se lembra de um tempo entre quando o alimento acabou em sua companhia de carrinhos de mão e os vagões de resgate de Salt Lake ainda não tinham chegado.

Estava tão frio que quando a família tentou fincar as estacas da tenda, o chão estava congelado e demasiadamente duro para ser perfurado. No entanto, a tenda tinha ficado molhada antes e congelou no formato enquanto eles estavam segurando-a. Na manhã seguinte, as duas filhas mais velhas estavam com tanto frio e cansadas que elas se recusaram a levantar. A mãe de Sarah estava em pé, e fez uma dança saltitante! Ela escorregou e caiu, o que fez as filhas mais jovens rirem. Eventualmente, todos eles se levantaram e continuaram a viagem (The Improvement Era article “Sarah Loader Holman: Handcart Pioneer”).

Carrinhos de Mão Mórmons, por Kimball Warren. Imagem via LDS.net.

Carrinhos de Mão Mórmons, por Kimball Warren. Imagem via LDS.net.

Uma Moça e Seus “Muitos Pequenos Romances”

Margaret Judd gostava de sua viagem a Sião conforme tinha “muitos pequenos romances”. Antes de deixar Nauvoo, seu “verdadeiro amor” a conheceu sob uma árvore especial para eles. Eles prometeram um ao outro “fidelidade eterna por, pelo menos, quatro anos,” quando ele viria a ter idade adulta. Quarenta anos mais tarde, Margaret encontrou com ele novamente depois que ambos já estavam casados e com filhos.

Margaret disse que “havia vários jovens muito agradáveis na nossa companhia.” No dia quatro de julho, quando ela e sua irmã estavam lavando roupa em um córrego, um jovem aproximou-se delas. Ele era o sobrinho do capitão e presenteou as meninas com um pedaço de um bolo de frutas para comemorar. “Foi bem embaraçoso aceitar aquele presente no meio da roupa suja e espuma de sabão … No entanto, eu aceitei o bolo com muito patriotismo.”

Margaret se tornaria muito próxima de outro jovem na companhia. Ele elogiava ela muitas vezes e “até chegou ao ponto de dizer que eu era amável, algo que nunca me haviam falado antes”. O jovem a pediu em casamento e ela disse “sim”, mas quando chegaram ao vale, as chamas de seu amor tinha se apagado. Ele se casaria com outra garota da companhia “que ele ridicularizava para mim várias vezes. Tal é a constância do homem!” (I Walked to Zion).

 

Girando e Girando

Rachel Lee caminhava perto de um vagão coberto quando uma rajada de vento soprou sua saia, que então se enroscou numa das rodas do vagão. Ela tentou retirá-los, mas eles ficaram enroscados com tanta força que “ela só conseguiu agarrar dois aros da roda em suas mãos, seus pés entre outros dois aros, e ficou girando junto com a roda”.

Sua gritaria logo fez a carroça parar e trouxe a ajuda dos outros pioneiros. Eles não queriam cortar sua roupa uma vez que eles tinham tão pouco, então ao invés disso eles fizeram Rachel sair de suas saias, saiotes, e até mesmo de seus sapatos, para ficar livre. Uma irmã levantou um cobertor para manter a modéstia de Rachel, enquanto ela fazia isso, e as roupas saíram facilmente da roda uma vez que ela se desprendeu (The Improvement Era article “Pioneer Women”).

 

Sua Fé em Deus Guiou Seus Passos

A Voz do Espírito Santo Lhe Deu Forças

Susannah Stone era o único membro de sua família a se juntar à Igreja. Na idade de 25 anos, apesar dos protestos de familiares e amigos, ela partiu para a América e se juntou à companhia Willie de Carrinhos de Mão. Ela disse que “somente uma vez minha coragem falhou”. Os pés dela haviam congelado e ela parou e “sentou-se para esperar o fim”.

Depois de um tempo eu fui despertada por uma voz, que parecia tão audível como qualquer coisa poderia ser, e que falou em minha própria alma as promessas e bênçãos que recebi e que eu tinha uma missão a cumprir em Sião. Eu recebi força, e estava cheia do Espírito do Senhor, e me levantei, e viajei com o coração leve.

Quando ela chega ao acampamento, Susannah encontrou um grupo de busca pronto para ir procurá-la. Ela continuou a caminhada, e no dia em que chegaram ao vale foi também o dia em que ela conheceria seu futuro marido, Thomas Lloyd. Susannah teria 14 filhos, e se tornaria secretária da Sociedade de Socorro (Follow Me to Zion).

 

Ter Fé na Cura Por um Cataplasma

Um dia, a vaca da família de Teresa Hasting Judd, Bossy, ficou coxa e mal podia andar. A família já havia perdido uma de suas vacas e não podia se dar ao luxo de perder outra. Naquela noite, Teresa fez um cataplasma (a aplicação de uma papa medicamentosa) e colocou no quadril de Bossy. Na manhã seguinte, quando o marido foi verificar a vaca, informou a Teresa que ela tinha colocado o cataplasma no quadril errado.

A filha de Teresa escreveu que “Mãe disse: ‘Não se preocupe; está tudo certo, funcionou da mesma forma’; Bossy mancou um pouco naquele dia e logo depois estava tão bem como antes. Eu sei que houve uma grande dose de fé colocada junto com o cataplasma”. (I Walked to Zion)

 

Fiel Até o Fim

Mary Murray Murdoch, também conhecida como Vovozinha (Wee Granny), é uma ancestral pioneiro da minha própria linhagem. Mary entrou para a igreja na Escócia, e mesmo que ela tivesse 73 anos, pesava somente 40 kilos, e tinha apenas 1 metro e 40 centímetros de altura (daí o apelido de “Vovozinha”), ela era forte em espírito e se juntou à companhia Martin de Carrinhos de Mão para viajar para Utah, onde seu filho, John, já vivia.

Mas Vovozinha nunca chegou a Utah. Ela ficou doente e morreu perto de Chimney Rock em Nebraska. Embora Vovozinha não tivesse chegado ao vale, pode-se ver sua enorme fé em suas últimas palavras “Diga ao John que morri com o rosto voltado para Sião” (Discurso da Conferência Geral “Esperança”).

“Diga ao John que morri com o rosto voltado para Sião”, por Clark Kelley Price. Imagem via LDS.net.

“Diga ao John que morri com o rosto voltado para Sião”, por Clark Kelley Price. Imagem via LDS.net.

Orações Que Foram Atendidas

Oração e Fé Fizeram um Milagre Com Dois Biscoitos

Ann Jewell Rowley e sua família entraram para a Igreja na Inglaterra. Mas antes que pudessem ir para a América, seu marido morreu, deixando-a com seus sete filhos, todos com menos de doze anos de idade. Não é fácil alimentar oito pessoas ao longo da jornada, e em certo ponto eles não tinha comida. Ann detestava ver seus filhos puxando as tiras de couro cru das carroças para mastigar, e por isso ela orou a Deus pedindo ajuda.

Ann lembrou que tinha guardado dois pequenos biscoitos, duros, de sua viagem pelo Atlântico. Ela diz:

Certamente, isso não era suficiente para alimentar oito pessoas, mas cinco pães e dois peixes não eram suficientes para alimentar 5.000 pessoas também, mas através de um milagre, Jesus tinha feito isso. Assim, com a ajuda de Deus, nada é impossível.

Ela colocou os biscoitos numa panela e cobriu-os com água. Ela novamente orou a Deus pedindo ajuda. Depois de cozinhar os biscoitos, ela tirou a tampa do forno holandês e ficou surpresa ao vê-la cheia de comida, o suficiente para alimentar seus filhos More Than Miracles ; Ann Jewell Rowley Autobiography).

Oração era a fonte da força e da paz para as mulheres pioneiras – cortesia de ldsclipart.com.

Oração era a fonte da força e da paz para as mulheres pioneiras – cortesia de ldsclipart.com.

Orações de Mulheres Pioneiras Negras

Jane Manning James foi um dos primeiros santos afro-americanos. Ela não nasceu escrava, mas como uma serva de uma família em Connecticut. Ela e vários outros membros de sua família entraram para a Igreja e Jane levou nove deles em uma viagem de 1290 quilômetros para Nauvoo.

Estes primeiros santos negros mostraram uma incrível fé na oração. Ao longo da viagem, os sapatos tornaram-se desgastados e logo os seus pés sangraram. Jane escreve que “nós paramos e nos unimos em oração ao Senhor, pedindo a Deus o Pai Eterno para curar nossos pés, e nossas orações foram respondidas e os nossos pés foram curados imediatamente”. Mais tarde em sua jornada, um bebê ficou doente e quando eles oraram pela criança, ela também foi curada.

Apesar de passar por rios gelados e dormir na neve, ela diz que “fomos no nosso caminho cheios de alegria, cantando hinos, e agradecendo a Deus por sua infinita bondade e misericórdia para conosco, nos abençoando … e nos protegendo”. Eles mantiveram um espírito forte durante todo o caminho para Nauvoo, onde eles foram convidados para a casa do profeta Joseph, e contaram-lhe sua história.

Jane viveria e trabalharia na casa de Joseph Smith e depois de Brigham Young. Ela se casou com outro santo negro, Issac James, antes de deixar Nauvoo. Ela deu à luz em Winter Quarters e viajou o resto do caminho para Utah. Jane será sempre lembrada como uma mulher forte na fé e na caridade (Ensign article “Jane Manning James: Black Saint, 1847 Pioneer”).

 

Milagres: Nada é Impossível

O Apoio dos Outros Ajudou-a a Chegar em Sião

Mary Ann Stearns Frost era uma viúva quando se casou com Parley P. Pratt. No momento em que muitos dos santos partiram para o oeste, Parley P. Pratt estava servindo como missionário na América do Sul e Mary não tinha os meios para viajar para Utah. A.W. Babbitt visitou a família antes de partir para Sião e informou Mary que tinha posto cem dólares no fundo de emigração para ela.

John A. Kelting também visitou-os antes de voltar para sua casa na Filadélfia e disse a Mary que ele também tinha colocado cem dólares no fundo de emigração para sua família. Não muito tempo depois, Mary foi visitar a irmã Ellison, que perguntou sobre os preparativos para ir para Sião. Mary disse que ela ainda precisava de uma equipe e um cocheiro, e a irmã Ellison informou que ela tinha um pensionista disponível para ser cocheiro e tinha uma equipe. Todos estes eventos aconteceram dentro de uma semana (I Walked to Zion).

 

Retornando Dos Mortos

Fanny Fry tinha apenas 16 anos quando ela e seus irmãos deixaram a Inglaterra. Ao passar pelo rio Elk Horn, seus pés se tornaram tão inchados que ela não podia usar sapatos. O inchaço acabaria por ir embora, mas seus pés estavam tão doloridos que ela não usaria sapatos pelo resto da viagem.

Um dia, o capitão Rowley designou ela e dois outros para puxar um carrinho de mão carregado com a bagagem de seis pessoas. Foi muito difícil para puxar, e o capitão Rowley continuou chamando-os de preguiçosos. De repente, Fanny caiu sob o carrinho que então passou por ela. Sua amiga, Emmie, foi ver Fanny e não conseguia sentir seu pulso. O capitão Rowley também verificou o pulso mas não encontrou sinal de vida na Fanny.

Fanny acordou mais tarde dentro de sua sepultura cavada dois pés de profundidade e várias irmãs costurando-a em um cobertor até a cintura. Alguém pode imaginar como foi o choque. Fanny ficou fraca pelo resto da viagem, mas ela estava viva.

Depois que os vagões de resgate chegaram à companhia, Fanny foi aprender a andar de cavalo sobre Big Mountain quando um vagão de mulheres bem vestidas se aproximou. Uma delas gritou “Ali está a minha irmã” e realmente era verdade. A irmã de Fanny, Sarah, tinha chegado no vale mais cedo e agora elas foram reunidas (Heritage Gateways: “Fanny Fry Simons”).

Criança Pioneira por Michael Malm. Imagem via LDS.net.

Criança Pioneira por Michael Malm. Imagem via LDS.net.

A Mão de Deus em Sua Jornada

Margaret McNeil viajou da Escócia quando tinha 12 anos de idade. Quando a viagem começou, os bois da Margaret fugiram, e seu irmão de quatro anos, James, ficou doente com sarampo. Mas a mãe de Margaret queria que seus filhos fossem com o resto da companhia. Ela amarrou James nas costas de Margaret com um xale, prometendo alcançá-los mais tarde. Margaret levaria seu irmão em grande parte do caminho até Utah.

Margaret também tinha a responsabilidade de cuidar da vaca da família. Uma noite, a vaca se afastou e Margaret saiu para procurar por ele sem usar seus sapatos. De repente, ela sentiu que caminhava em algo macio, olhou para baixo e encontrou seus pés em cima de um ninho com muitas cobras. Mesmo com medo, Margaret fez uma rápida oração e pulou para fora do ninho, ilesa.

Mais tarde em sua viagem, a família de Margaret tinha muita pouca comida. Eles chegaram numa casa, e a mãe de Margaret disse-lhe para pedir comida. Uma mulher idosa abriu a porta e disse “entrem, entrem, eu sabia que você estavam vindo e foi me dito para lhes dar comida”. (General Conference Talk “Faith in Every Footstep” ;Ensign article “Pioneer Faith and Fortitude—Then and Now” ; I Walked to Zion)

 

Cura da Escarlatina, Aprender a Descansar no Dia do Senhor, e Sobrevivendo ao Veneno

Betsy Smith era uma jovem que deixou a Escócia com sua família para ir para Utah. Em Iowa, ela tornou-se tão doente com escarlatina que ela não conseguia abrir os olhos. Ela se lembra de ouvir a irmã Henderson dizendo: “Sinto muito que ela esteja morrendo, teremos outra morte no acampamento em breve”. Betsy começou a chorar e quando sua mãe perguntou se ela estava pior, Betsy disse: “Mãe, eles acham que eu estou morrendo; Eu quero viver e ir para o Vale”. Sua mãe pediu que Betsy recebesse uma bênção do sacerdócio, e após isso Betsy rapidamente foi curada.

Em um ponto na jornada, sua Companhia havia viajado cinco semanas sem parar para descansar nos domingos. Eles perderam vários de seus rebanhos para uma debandada e o capitão pensou que “tinha errado por não parar para adorar no dia do Senhor, pois tinha perdido mais do que tinha ganho”. Depois disso eles descansaram no domingo e se sentiram melhor por haverem feito o certo.

Em outro momento, a Companhia estava viajando por uma tempestade de neve que estava tão violenta, que até mesmo os bois se recusaram a andar nela. O capitão reuniu a Companhia em conjunto para uma oração. Betsy e muitos outros membros da Companhia sentiram a presença do Senhor de perto. Depois da oração, “a tempestade se dividiu para a direita e para a esquerda!” E eles foram capazes de viajar em frente.

A roda representa as provações que os pioneiros enfrentaram. Imagem via LDS.net.

A roda representa as provações que os pioneiros enfrentaram. Imagem via LDS.net.

Talvez a parte mais interessante das histórias de Betsy tenham sido sobre algumas cherivias (uma raiz usada como hortaliça). Um homem as encontrou, e logo os membros da companhia com fome se fartaram dela. Quando o capitão voltou para o acampamento mais tarde e soube o que tinham feito, ficou horrorizado, dizendo-lhes que as cherivias tinham veneno suficiente para derrubar um boi.

Milagrosamente, os membros da companhia estavam bem, e felizes por terem comido as cherivias antes de saberem que eram venenosas. Betsy disse que “nós não percebemos a gravidade de suas palavras até a manhã seguinte, quando um irmão morreu – um escandinavo. Nós supomos que ele as tenha comido depois que soube que elas eram venenosas”. (The Improvement Era article “The Tired Mother: Pioneer Recollections”)

 

Abençoado Com “A Mão Protetora do Senhor”

Agnes Caldwell tinha apenas nove anos quando sua família deixou a Escócia para se juntar à companhia de carrinhos de mão Willie. Um dia, ela e uma amiga, Mary Hurren, estavam fora andando sozinhas quando de repente se viram cercadas por cascavéis. Elas deram as mãos e pularam as cobras, uma por uma. Ela disse que “parecia-me que estávamos pulando mais do que uma milha. Devido à mão protetora do Senhor, nós não nos ferimos.”

Mais tarde, sua Companhia se reuniu com os carroções de socorro de Salt Lake no frio congelante. Um dos carroceiros, William Henry “Heber” Kimball, perguntou a Agnes se ela queria uma carona, ao que ela disse “sim, senhor”. Mas em vez disso, ele agarrou a mão dela e começou a andar com os cavalos. Ela correu ao lado do vagão que se movia cada vez mais rápido. Ela disse que “o que passou pela minha cabeça naquele momento foi que ele era o homem mais malvado que já viveu”.

Finalmente, quando Agnes achava que não poderia mais aguentar, Kimball puxou-a para dentro do carroção e envolveu-a em um cobertor. “Então eu tive tempo para mudar de ideia, o que eu certamente fiz, sabendo muito bem que ao fazer isso ele me salvou do congelamento ao entrar no carroção.” (I Walked to Zion).

 

Como a Fé de Uma Mãe Operou um Milagre

A família de Elizabeth “Betsy” Cunningham entrou para a Igreja na Escócia e partiu para Sião quando ela era uma menina. Numa manhã, a família descobriu que Betsy havia morrido durante o sono. Como eles não poderiam enterrá-la no duro solo congelado, ela ficou envolta em cobertores. Quando a Companhia chegou ao acampamento, a irmã Cunningham sentiu que deveria voltar para Betsy, lembrando-se de uma promessa que lhe foi feita na Escócia, que se ela fosse fiel, toda a sua família chegaria em Sião.

Ela voltou para Betsy, que notavelmente  não foi perturbada por lobos. A irmã Cunningham a levou de volta para o acampamento e começou a esfregar seu corpo. Um pouco de água quente foi derramada sobre o pé de Betsy, o que fez seu corpo tremer. Betsy viveu, assim como havia sido prometido a sua mãe (More Than Miracles).

Apesar das dificuldades, a jornada estava cheia de milagres, tal como o fato maravilhoso que Elizabeth “Betsy” Cunningham reviveu. Imagem via LDS.net.

Apesar das dificuldades, a jornada estava cheia de milagres, tal como o fato maravilhoso que Elizabeth “Betsy” Cunningham reviveu. Imagem via LDS.net.

Outras Surpreendentes, Fortes, e Fieis Mulheres Pioneiras

O Amor de Carregar o Fardo de Outra Pessoa

Jens e Elsie Nielson eram uma família dinamarquesa próspera quando entraram para a Igreja. Eles deram muito de seu dinheiro para viajar para Utah e para ajudar os outros ao longo do caminho. Os Nielsons sofreram muitas provações na jornada, incluindo a morte de seu único filho, Niels, e Bodil Mortensen, uma jovem que tinha sido colocada sob seus cuidados.

Em um ponto na viagem, os pés de Jens estavam congelados pelo frio intenso e ele não podia mais andar. Ele disse para Elsie: “me deixe na trilha na neve para morrer, e você vá em frente e tente manter-se com a companhia e salvar sua vida”. Sua resposta foi: “dirija o carrinho, eu não posso deixá-lo aqui, eu posso puxar o carrinho.” Mesmo que ela tivesse menos de 1 metro e meio, ela puxou o carrinho de mão com o marido dentro. (General Conference Talk “Faith in Every Footstep” ; Follow Me to Zion).

 

Andando Sozinha no Evangelho

Antes da caminhada para Utah, Phoebe Carter, de 28 anos de idade, teve que ser uma pioneira por si mesma. Ela morava em Scarboro, Maine e queria juntar-se aos santos em Kirtland, Ohio. Sua família e todos os amigos a pressionaram para não ir. Sua própria mãe disse que “ela preferiria ver-me enterrada do que ir assim sozinha nesse mundo sem coração” e pediu-lhe para voltar, se ela descobrisse que a Igreja era falsa.

Quando Phoebe deixou sua família, sua única despedida foi por meio de cartas escritas, porque ela não acreditava que teria forças para partir, se ela se despedisse pessoalmente. Phoebe se referiu a si mesma como “uma solitária donzela sustentada apenas pela [sua] fé e confiança no Deus de Israel … e se não tivesse sido pelo Espírito dentro dentro de mim eu teria vacilado no final”.

Phoebe fez a viagem longa de 1200 quilômetros sozinha. Suas viagens não acabariam em Kirtland. Ela se casou com Wilford Woodruff e viajou para o Missouri, Nauvoo e Utah, e em três das missões de Wilford Woodruff, para as Ilhas Fox em Maine, Inglaterra, e de volta para os Estados do Leste (Ensign article “Pioneer Faith and Fortitude—Then and Now” ; Representative Women of Deseret).

 

Ter a Força de Dez Homens

Em 1880, Arabella “Belle” Smith tornou-se parte de um grupo de pioneiros que viajaram para colonizar a região da Missão San Juan na parte do sudeste de Utah. No entanto, a situação parecia sombria com o inverno se aproximando e um grande grupo de pessoas que não tinham os suprimentos para sobreviver ao inverno. A companhia decidiu tomar um perigoso atalho.

O atalho foi o Hole-In-The-Rock, uma fenda estreita na parede do Glen Canyon. Era um percurso muito precário a tomar, com uma queda de 610 metros em um ângulo de 45 graus. A companhia trabalhou duro para alargar o buraco, fazer uma trilha, e criar uma balsa para atravessar o rio na parte inferior.

Para que os carroções cobertos pudessem passar com segurança pelo caminho íngreme, os freios dos carroções eram colocados e vários homens puxavam a carroça por trás utilizando cordas e correntes para impedir que o carroção descarrilasse ao descer a encosta numa velocidade vertiginosa. Elizabeth M. Decker escreveu que o primeiro vagão a ir para baixo tinha dez homens puxando-o para trás.

Joseph Stanford Smith ajudou outras pessoas com seus vagões durante todo o dia. Sua carroça e família eram os únicos que faltavam, mas, apesar da assistência que Stanford prestou, o resto da companhia parecia ter esquecido sua família e continuou através do rio. Stanford não acreditava que eles poderiam descer a ladeira sozinhos, mas sua esposa, Arabella, disse que ela puxaria o carroção. Eles deixaram seus três filhos esperando e prenderam o cavalo na traseira da carroça para ajudar Arabella.

Arabelle “Belle” Smith sem medo da tarefa a sua frente. Imagem via LDS.net.

Arabelle “Belle” Smith sem medo da tarefa a sua frente. Imagem via LDS.net.

Quando eles começaram a descer, Arabella e o cavalo foram imediatamente lançados do chão. O pobre cavalo caiu sobre suas coxas e foi arrastado na maior parte do caminho para baixo. Arabella recuperou o equilíbrio, embora não antes de uma pedra afiada ter-lhe dado um corte horrível de seu calcanhar até seu quadril. Ela puxou o mais forte que pode e foi “dando pulinhos” conforme ela descia.

Depois de buscar seus filhos, os Smiths continuaram em seu caminho e reuniuram-se com cinco homens da Companhia. Eles tinham finalmente se lembrado que haviam deixado os Smiths para trás e vieram ajudá-los. Stanford disse a eles “esqueçam, companheiros … Minha esposa aqui é toda a ajuda que alguém precisa” (Ensign article “Hole-in-the-Rock” ; General Conference talk “The Future History of the Church”).

 

Mulheres Pioneiras: “Onde Estão Essas Mulheres?”

As histórias dessas incríveis mulheres pioneiras nos mostram o quão incríveis, fortes e fiéis as mulheres podem ser. Essas mulheres demonstraram grande coragem e fé quando confrontadas pela adversidade, e elas foram fortalecidas para isso. Joseph F. Smith citou num discurso da Conferência Geral “Desenvolver a Força Interior”, referindo-se às mulheres pioneiras, dizendo:

A morte nada lhes significava. As dificuldades não eram nada para elas. O frio ou a chuva, o calor, nada significavam para elas. Tudo que sentiam e sabiam e desejavam era o triunfo do reino de Deus e da verdade que o Senhor lhes tinha concedido … E agora, onde estão essas mulheres? (A Liahona de Julio de 2002)

Memorial das mulheres pioneiras. Localizado em Washington, Utah e dedicado por Jeffrey R. Holland. Cortesia do waymaking.co

Memorial das mulheres pioneiras. Localizado em Washington, Utah e dedicado por Jeffrey R. Holland. Cortesia do waymaking.com.

Nós todos somos pioneiros ao nosso próprio modo hoje conforme enfrentamos os desafios crescentes de nosso mundo. Nós podemos olhar para estas surpreendentes mulheres pioneiras, que suportaram tantas dificuldades pelo evangelho, a medida que enfrentamos os diferentes desafios de nossa fé. Numa conferência geral o É. Dallin H. Oaks discursou sobre “Seguir os Pioneiros”, onde ele disse:

Essas celebrações pioneiras são meramente acadêmicas, com o único objetivo de ampliar nossa reserva de experiências e conhecimento? Ou terão um profundo impacto na maneira como vivemos?

Não basta estudar ou reconstituir as realizações dos pioneiros. Precisamos identificar os grandes princípios eternos que aplicaram para alcançar tudo o que conseguiram para nosso benefício e, depois, aplicar esses princípios aos obstáculos de nossa época. Dessa forma, honramos seus esforços pioneiros e também reafirmamos nossa herança e fortalecemos a capacidade que essa herança possui de abençoar nossa própria posteridade e “os milhões de filhos do Pai Celestial que ainda ouvirão e aceitarão o evangelho de Jesus Cristo”. Todos somos pioneiros nisso.

Aprendemos com nossa herança pioneira sobre como se tornar mais forte e como se tornar um povo melhor. Nós aprendemos com estas incríveis mulheres pioneiras que Deus cuida de nós, que podemos superar qualquer desafio, e que com Deus tudo é possível. Que histórias pioneiras incríveis você conhece? Deixe nos comentários!

Por Abby Thorne, traduzido por Esdras Kutomi.