Passei a última década bem preocupado. Comecei a ouvir rumores infundados de que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é … como posso dizer… tosca. E agora os membros da nova geração estão caindo nas armadilhas. Agora, eu entendo que alguns podem pensar que a Igreja é desagradável (três horas na Igreja toda semana e sem poder beber café?), mas acho que estamos esquecendo de como a Igreja é legal pra caramba. A título de lembrete, continue lendo.

1. Nossos padrões não são populares, mas eles são legais pra caramba

  • Não bebemos álcool
  • Não usamos drogas ilícitas
  • Não fazemos sexo antes do casamento
  • Não usamos roupas imodestas
  • Não namoramos até os 16 anos
  • Não usamos linguagem chula
  • Não usamos pornografia

Não, não, não, não, NÃO. É verdade, nossos padrões podem ser bem restritivos… É o mesmo que afirmar que “Não atire no pé” é restritivo. Dê uma olhada no mundo. Porque a Igreja insiste em “arruinar nossa vida” com todos estes “não”?

Bem, vamos rever e reformular essa lista:

  • Dizemos SIM, para a diversão e conseguir lembrar dela no dia seguinte
  • Dizemos SIM para manter-nos livres do vício
  • Dizemos SIM para o autocontrole e os relacionamentos saudáveis
  • Dizemos SIM para nos comportar como filho ou filha de um rei
  • Dizemos SIM para o amor verdadeiro e não ao equivalente hormonal adolescente (acredite em mim, aconteceu comigo)
  • Dizemos SIM para o respeito e a classe
  • Dizemos SIM para casamentos e famílias incríveis

Por incrível que pareça, algumas pessoas desdenham de nossos padrões.

Bem, estou aqui para dizer que elas estão muito erradas. Não deixe que técnicas comerciais e de marketing enganarem você. Não caia na mentalidade “não posso, eu sou mórmon”, que implica que a nossa religião é restritiva. Pois ela não é. Essa é uma mentira das feias. Com toda a honestidade, Satanás tem feito um trabalho impressionante em inverter o jogo quando se trata de nosso paradigma de regras.

Talvez nunca precisaremos saber quanta dor e sofrimento evitamos por seguir estas normas. Manter-se limpo em todos os sentidos da palavra é bom, legal e, se me permite a ousadia, bastante atraente. E o melhor é que mesmo se fizermos algo errado, se cometermos algum erro, é possível voltar. Não somos pessoas terríveis, somos humanos. Precisamos continuar nos esforçando.

Os mórmons que falam sobre suas normas como se fossem um fardo me irritam um pouco porque nossos padrões são legais pra caramba.

2. Lembre-se de todas aquelas coisas em que cremos? São Legais pra Caramba

Como membro da Igreja por algum tempo, começamos a esquecer como nossas crenças são legais. Reflita:

Acreditamos que vivemos na presença de Deus no mundo pré-mortal, antes de nascermos fisicamente. O QUÊ?! Isso é incrível.

Acreditamos que o casamento continua depois desta vida e nas eternidades. Não nessa história de “até que a morte os separe”. Sim, por favor.

Nós acreditamos que Deus ainda fala com profetas hoje, assim como falava nos tempos bíblicos. Isso é muito legal!

As crenças fundamentais de nossa religião eram revolucionárias durante a Restauração (daí toda a perseguição), e eles estão legais pra caramba.

3. A Igreja é Verdadeira, o que é Legal pra Caramba

E essa é exatamente a melhor parte da história. Que ela a Igreja é verdadeira. Isso significa que há esperança. Tanto para você quanto para mim. Há esperança para a mãe que chora a morte de um filho. Há esperança para os perdidos, os doentes e os solitários. Há esperança para a humanidade.

Se você ainda não tem certeza se a Igreja é verdadeira, faça algo a respeito. Estude na mente então se ajoelhe e ore. Pergunte ao Pai Celestial se é tudo uma farsa ou se Joseph Smith foi mesmo um profeta. Depois pergunte de novo. Isso pode levar tempo, talvez seja difícil reconhecer ou pode ser instantânea, mas uma resposta virá.

E isso é legal pra caramba.

Escrito por David Snell e traduzido por Luciana Fiallo.

Fonte: mormonhub.com

Saiba Mais:

Ex-Mórmons Respondem Sobre Doutrinas da Igreja Importantes para Eles

20 Rumores Hilários Sobre os Mórmons Que Você Ainda Não Ouviu