Irmã Aburto fala sobre provações e superações: “Por favor, continue tentando”

Depois de terminar o ensino médio, comecei a frequentar a faculdade. Sempre gostei de aprender e estudar. No entanto, com o passar dos anos, a situação na Nicarágua foi piorando.

Decidi me casar com um jovem que estava namorando e deixamos o país pouco depois. Chegamos a São Francisco em outubro de 1984.

Meus primeiros meses nos Estados Unidos foram difíceis porque aquele primeiro inverno foi muito frio, para quem vinha de um clima quente.

Também tive que me acostumar com uma nova cultura e um novo idioma, e minha família ainda estava na Nicarágua.

No entanto, fiquei extremamente grata por estar neste país magnífico. Eu me senti muito abençoada porque tinha um emprego que pagava 3,35 dólares a hora e um lugar para morar.

Tive o desejo e os meios para ajudar minha família a morar comigo. Depois de algum tempo, minha mãe e dois irmãos chegaram a San Francisco.

Eu frequentava a escola à noite, primeiro em uma escola de inglês como segunda língua e depois no City College de San Francisco. Meu filho Xavier nasceu dois anos depois.

Ele trouxe imensa alegria para mim e minha família. Ele era um garotinho saudável e inteligente que me deu uma bela razão para seguir em frente e me esforçar mais.

No entanto, meu marido consumia álcool e drogas. Com o tempo, seus vícios pioraram. Ele parou de trabalhar e às vezes ficava dias sem aparecer. A situação se tornou insuportável para mim.

Comecei a frequentar reuniões de Alcoólicos Anônimos e a consultar um terapeuta para descobrir como poderia ajudá-lo. Aprendi que também precisava de ajuda.

Depois de uma série de eventos que me mostraram claramente que meu filho de três anos e eu estávamos em perigo, tomei a dolorosa, mas libertadora decisão de me separar para sempre de meu marido e me divorciar.

Mesmo depois da separação, ainda não me sentia em paz. E se ele voltasse? Como eu criaria meu filho para que ele pudesse ser um bom menino e se tornar um bom homem? Onde eu encontraria consolo para minha alma? Como seria nosso futuro?

Sei que às vezes acontecem coisas em nossa vida sobre as quais não temos controle. Outras pessoas tomam decisões que podem nos prejudicar.

Temos anseios, temos dúvidas, acontecem coisas que parecem não ter razão. Contudo, se ouvirmos o Senhor, Ele encherá “nossa alma de paz… [e fará com que tenhamos] esperança nele para nossa libertação” (Alma 58:11).

Se formos pacientes, se colocarmos nossa confiança em nosso Salvador, se esperarmos pelo Seu tempo e tentarmos seguir Seus mandamentos, as respostas virão um dia e finalmente teremos a paz que procuramos.

O Élder Dieter F. Uchtdorf certa vez contou a história de uma magnífica igreja luterana em Dresden, Alemanha, que foi destruída durante a Segunda Guerra Mundial.

Anos depois, a igreja foi reconstruída com muitos dos tijolos originais que foram queimados durante o bombardeio, e é por isso que alguns dos tijolos são pretos.

Sinto que minha vida é como aquela igreja. Passei por tempos difíceis. As cicatrizes, as consequências e a dor ainda estão lá.

No entanto, o Senhor Jesus Cristo reconstruiu minha vida e permitiu que eu tivesse alegria por meio de Sua terna misericórdia e do poder capacitador de Sua Expiação.

Sei que Ele é nosso Salvador e Redentor, que é a fonte de paz e cura. Eu me senti “[envolvida] pelos braços de seu amor” (2 Néfi 1:15).

Ele sempre estende Seus braços de misericórdia e amor para conosco, para que possamos nos voltar para Ele e ter uma vida melhor, bem como a vida eterna.

Como o Élder Utchdorf disse ao referir-se àquela igreja na Alemanha:

“Se o homem pode pegar as ruínas, os escombros e os restos de uma cidade esfacelada e reconstruir uma magnífica estrutura que se eleva para o céu, quão mais capaz é nosso Pai Todo-Poderoso de restaurar Seus filhos que caíram, que se debateram em dificuldades ou que se perderam?

Não importa o quanto nossa vida pareça completamente arruinada. Não importa se nossos pecados sejam como a escarlata, se nossa amargura seja profunda, o quanto nosso coração esteja solitário, abandonado ou quebrantado. Mesmo aqueles que estão sem esperança, que vivem no desespero, que traíram a confiança, que renegaram sua integridade ou que se afastaram de Deus podem ser reconstruídos. Com exceção dos raros filhos da perdição, não há vida tão despedaçada que não possa ser restaurada.

As alegres novas do evangelho são estas: graças ao plano eterno de felicidade proporcionado por nosso amoroso Pai Celestial e por meio do infinito sacrifício de Jesus, o Cristo, podemos não apenas ser redimidos de nosso estado decaído e restaurados à pureza, mas também transcender a imaginação mortal e tornar-nos herdeiros da vida eterna e participantes da indescritível glória de Deus.”

Fonte: LDS Living

| Inspiração

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *