E por que eu também não deveria consumir?

Você já se perguntou o motivo pelo qual os mórmons não consomem bebidas alcoólicas? Você tem um amigo que é membro da Igreja e naquela festinha ele não tomou bebidas alcoólicas como todo mundo? É, pois bem, essa é a verdade: Os mórmons não consomem bebidas alcoólicas em nenhuma hipótese.

Muitos comentários surgem sobre esse assunto. Uns afirmam que bebidas alcoólicas fazem bem para a saúde se ingeridas em pequenas quantidades. Mas será que isso é verdade?

Veja a opinião de alguns especialistas modernos, que apoiam as revelações dadas pelo Senhor no começo do século 19:

Uso Medicinal

O Dr. Guilherme B. Terhune, autor do livro “The Safe Way to Drink” (A Forma Segura de Beber), afirma:

“Em todas as circunstâncias, o álcool é um remédio inútil. Não existe nenhuma justificação científica para seu uso medicinal. São atribuídas a ele virtudes médicas que não possui. O álcool não ajuda o coração, não evita a insuficiência coronária, nem provê força. É pobre como estimulante do apetite, estorva a digestão; e como antídoto da fadiga, é simplesmente o mesmo que açoitar um cavalo cansado. Não é ‘o consolo dos velhos’, uma vez que estorva ainda mais o funcionamento do cérebro desgastado.”

Frequência

Algumas pessoas justificam o consumo atrás do comentário de que dependendo da frequência que é feito a ingestão, não haverá dano algum a saúde. Contudo, isso também não procede.

Um artigo publicado pela BBC, feito com especialistas no assunto, intitulado por “Beber moderadamente é seguro? Quatro mitos sobre o consumo de álcool” , traz a seguinte informação:

“Infelizmente, explica Mosley, qualquer quantidade de álcool que você ingerir irá provocar um aumento nos riscos de desenvolver algumas formas de câncer – particularmente câncer de mama –, incluindo algumas ocorrências mais raras da doença, em partes do corpo como cabeça, pescoço e garganta.”

O mais seguro para sua saúde não é beber com moderação. É não usar bebidas alcoólicas.

Riscos

O apresentador da BBC conversou com o professor Tim Stockwell, diretor do Centro de Pesquisas sobre Dependência Química da Universidade de Victoria, no Canadá. O pesquisador tem prestado consultoria a diversos governos, inclusive o de seu país, sobre recomendações a respeito do consumo dessas bebidas. Ele acredita não haver nenhuma vantagem bioquímica no hábito de beber.

“Há ao menos 60 formas diferentes de o álcool te fazer mal ou matar”, afirmou. “E não apenas por meio de doenças óbvias, como as de fígado.”

Segundo Stockwell, o consumo de bebidas alcoólicas, em qualquer quantidade, aumenta o risco de mulheres desenvolverem câncer de mama.

“Teríamos 10% a menos de mortes no mundo por causa dessa doença se ninguém bebesse”.

Para ele, os estudos que apontam que beber moderadamente não faz mal consideram como abstêmios até mesmo ex-alcoólatras e pessoas de saúde ruim, o que prejudica seus resultados.

Vinho

Não raro, ouvimos o comentário de que o vinho faz bem a saúde e algumas pessoas, insistem nessa ideia ao longo de suas vidas. Mas os mórmons, bem como muitos outros se abstêm também do vinho, pois sabem que essa informação também é falsa.

“É quase uma tradição: há tempos, ouve-se dizer que beber vinho tinto faz o coração funcionar muito melhor – idosos de algumas partes do mundo, por exemplo, atribuem a longevidade ao hábito de tomar uma taça antes das refeições.

A verdade é que as uvas, e por consequência o vinho, têm uma substância chamada resveratrol, que, segundo estudos, diminui os níveis de um tipo de colesterol que pode se acumular nas paredes dos vasos sanguíneos, e, no limite, causar obstruções e doenças cardiovasculares.

O problema, afirma Mosley, é que esse benefício só é alcançado com o consumo de uma quantidade muito grande de vinho. E os malefícios desse hábito seriam tão grandes, incluindo os riscos de câncer citados acima, que essa vantagem ficaria pequena perto dos potenciais malefícios.”

Problemas Sociais

As bebidas alcoólicas têm se tornado um problema social gravíssimo para pessoas cada vez mais jovens. Na França se consome 30 litros de álcool por habitante por ano, na Itália são 14 litros, na Suíça, 12 e na Inglaterra 8 ½ . Nos Estados Unidos nove milhões são alcoólatras confirmados. A incidência na população geral no mundo é entre 10% e 15%. É muita coisa.

O álcool atua como um psicotrópico, ou seja, vai aos centros cerebrais e atua como um calmante, dá a sensação de liberar a criatividade, desinibe o tímido, tranquiliza o nervoso, reduz a ansiedade. Assim, ele é muito utilizado para facilitar a comunicação. Mas, também pode produzir impulsos agressivos, sendo causa de acidentes no trabalho, no trânsito, na família. Diminui o senso de responsabilidade, deteriora as faculdades intelectuais humanas. Destrói a pessoa, lentamente, e suas relações familiares.

No Brasil cerca de 54% dos acidentes de trabalho, 51% dos de trânsito e 60% das ocorrências policiais são frutos do consumo de álcool. Cada pessoa alcoólica acaba atingindo, de algum modo, mais 3 ou 4 pessoas, em média, que são os familiares.

Consequências Físicas

O câncer no esôfago é 18 vezes mais provável de ocorrer em bebedores (que ingerem 80 gramas ou mais de etanol por dia. Um litro de vinho a 10% tem 80 gramas de álcool puro, e uma cerveja pequena a 4,5% tem 8 gramas). Cientistas afirmam que barris de madeira usados para estocar e envelhecer bebidas alcoólicas, podem se tornar fontes de substâncias que causam câncer.

O álcool – etanol – altera as membranas das células e favorece a transformação de  substâncias pró-carcinógenas em carcinógenas, aumentando seu efeito destrutivo. Como ele é um falso alimento, o bebedor pode se alimentar mal, ter carências vitamínicas e de sais minerais como consequência, e isso facilitar o câncer.

O álcool etílico (em soluções que contêm mais de 8 gramas por 100ml, como no caso do uísque, cachaça, vodca), retarda o esvaziamento do estômago, altera o fluxo de sangue na região do estômago, perturba todo o processo digestivo.

Cerca de 90% das pancreatites crônicas no Brasil são de origem alcoólica. Segundo alguns autores, ingerir 80 gramas de álcool por dia leva a lesão do fígado, e se esta ingestão for de 80 a 160 gramas por dia, a lesão hepática sobe pelo menos cinco vezes mais. Se for superior a 160 gramas diárias, o risco aumenta 25 vezes. Porém, há indivíduos com fígado mais sensível ao álcool, e que com doses menores diárias, em cerca de um ano, podem apresentar doença hepática grave, podendo ser fatal.

É importante pensar que há lesões do fígado (órgão mais importante para metabolizar o álcool) reversíveis (esteatose e hepatite alcoólica), porém a cirrose é irreversível.

Além das varizes de esôfago, câncer, cirrose hepática, esofagite de refluxo, alterações da produção de saliva e muco (alterando a digestão dos alimentos), o álcool lesa o cérebro, seu órgão vital, que o mantém em contato consciente com o mundo. [4]

Depois de tantos pontos negativos, dá para começar a entender o porquê, nós, mórmons preferimos nos manter completamente longe de tais substâncias. Entretanto, temos ainda outros motivos.

Consequências Espirituais

Aprendemos que nem todas as substâncias são boas para nosso corpo. Aliás, entendemos que nosso corpo é templo do Espírito Santo. “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (I Coríntios 6:19).

É muito contraditório pensar que o Espírito estará em um corpo totalmente alterado por certas substâncias! Ao entrarem em nossos corpos, essas substâncias alteram nosso estado normal e nos tornamos outras pessoas, incapazes de raciocinar corretamente.

Palavra de Sabedoria

Precisamos ser sábios ao escolher quais substâncias vamos ingerir. Os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos  Últimos Dias, acreditam há A Palavra de Sabedoria.  A Palavra de Sabedoria é uma lei de saúde revelada pelo Senhor para benefício físico e espiritual de Seus filhos.

Em 27 de fevereiro de 1833, conforme registrado na seção 89 de Doutrina e Convênios [6], o Senhor revelou quais alimentos são bons para nós e quais substâncias não são boas para o corpo humano. Ele também prometeu saúde, proteção, conhecimento e sabedoria aos que obedecerem à Palavra de Sabedoria.

Na Palavra de Sabedoria, o Senhor revelou que as seguintes substâncias são prejudiciais:

Bebidas alcoólicas (ver Doutrina e Convênios 89:5-7).

Tabaco (ver  Doutrina e Convênios 89:8).

Chá preto e café (ver  Doutrina e Convênios 89:9; os profetas modernos ensinaram que o termo “bebidas quentes”, que aparece nesse versículo, se refere ao chá preto e ao café).

Quando as pessoas deliberadamente ingerem algo prejudicial, elas não estão vivendo em harmonia com a Palavra de Sabedoria. As drogas ilegais, em especial, podem destruir aqueles que as usam. O abuso de medicamentos com prescrição médica também é espiritual e fisicamente destrutivo.

Alimentos

O Senhor também declarou, na Palavra de Sabedoria, que os seguintes alimentos são bons:

Ervas e frutas, que devem ser “usadas com prudência e ação de graças” (ver  Doutrina e Convênios 89:10–11).

A carne de “animais e a das aves do ar”, que devem “ser usadas moderadamente” (ver  Doutrina e Convênios  89:12–13).

Grãos como o trigo, o arroz e a aveia, que são “o esteio da vida” (ver  Doutrina e Convênios 89:14–17).

Aos que cumprem a Palavra de Sabedoria, o Senhor prometeu:

“E todos os santos que se lembrarem de guardar e fazer estas coisas, obedecendo aos mandamentos, receberão saúde para o umbigo e medula para os ossos;

E encontrarão sabedoria e grandes tesouros de conhecimento, sim, tesouros ocultos;

E correrão e não se cansarão; e caminharão e não desfalecerão.

E eu, o Senhor, faço-lhes uma promessa de que o anjo destruidor passará por eles, como os filhos de Israel, e não os matará” (Doutrina e Convênios 89:18–21).

Conclusão

O melhor a fazer é abster-se completamente das substâncias que o Senhor proíbe na Palavra de Sabedoria. Aqueles que adotaram um comportamento que leva à dependência podem parar e tornar-se livres do vício. Por meio de esforço pessoal, da força do Senhor, da ajuda de familiares e amigos e da orientação de líderes da Igreja, todos podem vencer o vício. [5]

“Cumprimos a Palavra de Sabedoria, sabendo que essa obediência não apenas nos livrará de vícios, mas também nos acrescentará bênçãos de sabedoria e tesouros de conhecimento”.

Russell M. Nelson

O mais seguro para sua saúde não é beber com moderação. É não usar bebidas alcoólicas.