O Presidente Kimball chamou a dedicação do Templo de Tóquio como “o mais importante e significativo evento da história da Ásia”

Como o primeiro templo na Ásia (uma área que abrange 4,2 bilhões de pessoas) e o primeiro templo em um país não cristão, a dedicação do templo de Tóquio era algo especial, com certeza. Hoje, existem dois templos no Japão: o Templo de Tóquio e o Templo de Fukuoka. Um terceiro templo, a ser construído em Sapporo*, está atualmente em construção.

O trabalho missionário no Japão foi interrompido em 1924 para aguardar um “tempo mais favorável”. Foi retomado mais tarde, em 1948.

Em 1901, o Élder Heber J. Grant, então do Quórum dos Doze, chegou ao Japão com três missionários – Horace S. Ensign, Louis A. Kelsch e Alma O. Taylor. Sob a direção do Élder Grant, estabeleceram a primeira missão da Igreja na Ásia, com sede em Tóquio. Avanço rápido para 1924, quando a Igreja no Japão atingiu seu primeiro obstáculo real. Em 1927, a Primeira Presidência nomeou um converso – Fujiya Nara – para presidir o pequeno grupo que permaneceu. Em 1948, eles receberam permissão para retornar ao Japão para pregar o evangelho. O que eles encontraram? Um grupo de cerca de 50 santos reunidos com Fujiya todos os domingos.

Muitos líderes da Igreja no Japão são trabalhadores independentes ou trabalham na educação.

No Japão, “só trabalho e nenhum jogo” é o nome do jogo do escritório. Funcionários japoneses típicos deixam sua casa por volta das 7h30 e não chegam em casa até as 22 horas. “As corporações japonesas esperam ser a prioridade número um na vida de seus empregados”, diz Lee A. Daniels, que atuou como presidente da estaca Sul de Tóquio. “Na verdade, eu só encontrei um punhado de membros japoneses que foram capazes de equilibrar as exigências de uma empresa de topo no Japão e ser capaz de servir em posições de liderança na Igreja. Portanto, muitos dos líderes da Igreja no Japão são trabalhadores independentes.”

Os santos japoneses são incrivelmente dedicados

Ao falar sobre os santos japoneses, uma palavra vem à mente: dedicação. “Os santos japoneses são trabalhadores, fazem muitos sacrifícios, são leais e obedientes”, diz John Dorff, que atualmente está servindo como presidente de estaca em Tóquio. Esta devoção levou ao maior respeito pelos princípios do evangelho.

Muito do que os santos dos últimos dias japoneses são, se deve às normas culturais do seu país. “Os japoneses têm uma sociedade muito homogênea e têm um ditado que diz que se um prego sobe, precisa ser martelado”, diz Lee A. Daniels, cuja família viveu no Japão por 18 anos. Quando alguém se junta à Igreja, ele se destaca.

membros

Depois de 113 anos no Japão, a Igreja floresceu e tem hoje mais de 126.000 membros**.

Em seus 113 anos de história, a Igreja no Japão cresceu lenta, mas seguramente. “É um crescimento muito sutil e estável”, diz o presidente Takashi Wada, presidente da Missão Japão Tóquio Sul. “Com toda a honestidade, durante tantos anos, senti como se a grama crescesse”, acrescenta o Presidente Dorff. “Parece diferente agora. Há esperança no ar. Parece que há energia e vitalidade nos testemunhos compartilhados e na vida dos membros. “E enquanto os números de conversão são mais graduais do que grandiosos, a fé é forte e os laços são vinculativos.”

Observações

*Quando esse artigo foi escrito(originalmente em inglês), o templo de Sapporo não havia sido dedicado. Atualmente, há no Japão 3 templos em funcionamento. Os já citados templos de Tóquio, Fukuoka e o último, Sapporo. Leia mais sobre o templo de Sapporo aqui.

**A Sala de Imprensa Mórmon traz a informação de que há no Japão 128.856 membros atualmente. Com três templos, 7 missões, 64 centros de história da família e 265 congregações. Para acessar esses dados, clique aqui.

Esse artigo foi traduzido do inglês.