Meu pai estava em uma viajem a negócios, então a única pessoa presente para me saudar quando desci do avião ao chegar de minha missão foi a minha mãe. Ela me abraçou e nós choramos.

Fiz quantos exames foram possíveis, mas os médicos não conseguiram encontrar o problema. Ver minha plaqueta sendo removida nove meses antes do fim de minha missão foi a coisa mais difícil que já vivenciei. Me senti um fracassado por não terminar minha missão.

Nascida Para Ser uma Missionária

Ser um missionário sempre foi parte de meus planos. Quando meu irmão mais velho partiu para sua missão, me vesti com uma plaqueta de mentira para vê-lo partir. Quando a mudança na idade da missão foi anunciada em 2012, eu havia acabado de completar 19 anos e sabia que o anúncio era uma resposta às minhas orações. Dancei ao redor da sala, preenchi meus papeis naquele dia, marquei os exames médicos e enviei meus papéis após uma semana. Recebi meu chamado para a Missão Califórnia Anaheim após duas semanas e compareci no CTM dois meses depois.

Cheguei ao campo missionário com o fogo de “verdinho” e jamais desejava diminuir o ritmo. Minha treinadora e eu literalmente corremos para algumas lições porque estávamos muito animadas para ensinar. Para mim, ser uma missionária de tempo integral era a coisa mais natural do mundo. Eu parecia estranha e tinha dificuldade de vez enquando, mas não havia nada mais maravilhoso para mim do que ser uma missionária.

Quando tinha cerca de 8 meses e minha missão, eu e minhas companheiras recebemos bicicletas devido à uma escassez de carros. Eu não havia andado numa bicicleta por muito tempo e não sabia exatamente como fazer em uma saia, mas estava animada de qualquer maneira. Após algumas semanas, entretanto, desenvolvi uma dor em um lado do corpo que vinha e ia embora. Eu ignorei e continuei a trabalhar.

Missão

A dor se tornou mais frequente e mais intensa até que em uma noite minha companheira teve que me levar para a emergência de um hospital. Fiz muitos exames médicos mas os médicos não conseguirem encontrar a fonte de minha dor.

Nas semanas que seguiram, orei ao Pai Celestial para fazer a dor ir embora e recebi muitas bençãos do Sacerdócio, mas apenas piorou. Cada posição possível era dolorosa; a dor era constante. Mas decidi que poderia me acostumar com ela e continuei a trabalhar.

Um dia eu entrei em colapso em um lado da pista, incapaz de me mover. Fui transportada para o hospital para exames e novamente sem resultados. Tentei ir mais devagar e comecei a sentar-me em bancos de ônibus com minhas companheiras para ensinar pessoas enquanto esperavam por seus ônibus. Sentava-me durante as lições, mordendo meus lábios devido à dor. Eu eventualmente forcei demasiadamente meu corpo e terminei novamente em um hospital. Conclui que talvez causaria um dano permanente a meu corpo se permanecesse em minha missão. Após muitas orações, recebi a resposta de que deveria retornar para casa para cuidar de minha saúde.

Um Passo à Diante

Quando conclui que realmente estava em casa, me senti devastada. Mas dei o meu melhor para manter minha fé e estudo das escrituras. Minha família lidou com a situação bem, mas as outras pessoas ao meu redor não tinham certeza de como reagir à minha situação. Eles continuamente me faziam perguntas, e eu não conseguia me conter. Um homem, entretanto, me chamou inesperadamente e me disse que seu filho havia voltado mais cedo de sua missão muito tempo atrás. Ele me disse que esse desafio tinha o potencial de destruir a minha fé e felicidade e que isso frequentemente acontecia com muitos missionários retornados na mesma situação. “O que você precisa se lembrar,” ele disse, “é que se ao menos estiver tentando o máximo possível viver sua vida de maneira reta, você sempre estará dando um passo à diante não importa o que aconteça fora de seu controle.”

Aquele se tornou o meu lema, e confiei nisso grandemente até o ano seguinte. Por 8 meses eu mal podia andar, mas pessoas ainda me julgavam quando descobriam que eu havia retornado pra casa mais cedo. Diziam que haviam pessoas com problemas médicos piores que haviam terminado suas missões. Eles não compreendiam o porquê eu não podia ter finalizado, mesmo com as dificuldades médicas. Era terrível ouvir isto quando eu havia amado~tanto minha missão, mas eu tinha fé que o Pai Celestial tinha um propósito para a minha provação e que tudo seria um passo à diante.

Comecei a estudar e namorar novamente. Podia ver que estava progredindo, mas sentia que sempre veria minha missão com um pouco de tristeza. Então um amigo meu me lembrou que a expiação do Salvador pode curar toda dor e tristeza. Com Sua ajuda eu poderia estar feliz ao me lembrar de minha missão.Feliz Superação Esperança

Me ajoelhei e orei a meu Pai Celestial. Falei a Ele sobre minha dor e meus esforços para ser curada e confortada. Pedi a ele que tirasse o sentimento amargo que sentia. Após minha oração, o Senhor abriu meus olhos para que eu visse minha missão sob a perspectiva Dele. Tanto meu serviço quanto meu retorno mais cedo eram parte do plano do Senhor para me ajudar a me tornar o que Ele desejava que eu fosse. Eu podia ver os milagres que Ele havia realizado desde que retornei para casa. Havia sido um caminho difícil, mas agora eu posso olhar para trás para meu retorno mais cedo e sentir paz, sabendo que Deus tem em Seu coração os melhores interesses com relação á mim.
Para Missionários Retornados: 6 Maneiras de Lidar com o Retorno Precoce

Voltar para casa é difícil, mas com esforços você pode tornar o seu retorno precoce um passo honrável à diante. Estas são algumas das coisas que me ajudaram:

Vinde à Cristo. Não importa o que causou seu retorno, Cristo pode ajudá-lo a resolver. Sua Expiação não é apenas para o arrependimento; também se trata de consolo, compreensão e cura.

Lembre-se que ela pode significar um passo à diante. Enquanto estiver vivendo digno do Espírito e fazendo o seu melhor, ver pedras de tropeço pode ser plataformas para o progresso.

Mantenha bons hábitos em relação às escrituras. Deus nos fala através do Espírito Santo, que pode ser acessado, entre outras coisas, através do sincero estudo às escrituras. Você talvez descobrirá que Deus tem capítulos inteiros escritos apenas para trazer conforto.

Mantenha-se ocupado. A transição de um estilo de vida missionário ocupado para um modo de vida pouco ativo pode significar frequentes períodos de lamentação e sentimentos de tristeza e inadequação, que é exatamente o que Satanás deseja. Deus deseja que você esteja “engajado ansiosamente” em boas causas (ver D&C 58:27) porque isto é o que irá ajudá-lo a ser feliz.

Ore por ajuda. O Pai Celestial está esperando com bençãos de conforto e orientação. Tudo o que precisa fazer é pedir. Superar qualquer provação requer a ajuda do Senhor.

Dê às pessoas o benefício da dúvida. Será fácil encontrar razões para sentir-se ofendido por pessoas que talvez realmente se importam com você, mas que talvez não saibam como reagir à sua situação. Focalize nas pessoas que estão lhe apoiando e perdoe aquelas que o submetem à julgamento.

Para quem amamos: 5 Maneiras de Ajudar Missionários Que Retornam Mais Cedo

Quando retornei para casa, descobri que as pessoas não realmente sabiam como me tratar. Seguem algumas dicas que eu gostaria que as pessoas tivessem conhecido:

Não julgue. Pessoas que retornam mais cedo para casa estão em um processo de cura ou de conserto de algo, seja seu corpo, mente, espírito, ou até mesmo da família. Seja bondoso com aqueles que estão se esforçando e sentindo dificuldade.

Pare de fazer perguntas. Apesar de ser genuinamente agradável ter pessoas que se importam ao redor, perguntas podem causar danos. Mesmo que você tenha intenções bondosas, não interrogue um missionário retornado que voltou mais cedo. Demonstre seu amor através de outras formas de apoio.

Ajude-os a manter-se ocupados. É difícil se ajustar da ordem e atividade de uma missão para a rotina e novas escolhas de casa. Ajude-os a encontrar coisas produtivas, divertidas e saudáveis para fazer.

Deixe que eles recebam suas próprias revelações. Decidir ou não retornar ao campo missionário é uma decisão entre missionários e o Pai Celestial. Encoraje-os a buscar conselho divino e confie neles para que recebam suas próprias respostas.

Seja um amigo. Provavelmente, este será um dos maiores desafios na vida de um missionário que retornou pra casa mais cedo. Muitos tem sua fé severamente abaladas. Isto não significa que não podem progredir ou serem felizes, mas eles precisam de um amigo que esteja dispoto a amá-los incondicionalmente.

 

Artigo originalmente publicado no LDS.ORG