Hoje, 28/08, comemora-se no Brasil, o Dia do Voluntário. O dia foi instituído pela Lei nº 7.352, de 28 de agosto de 1985, pelo Presidente da República, José Sarney. Com a data buscou-se reconhecer e destacar o trabalho de pessoas que doam tempo, serviço e talento, de maneira voluntária (ou seja, sem nenhuma espécie de contra-prestação pecuniária), para causas de interesse social e para o bem da comunidade.

Voluntários MórmonsA maioria dos voluntários não começam a trabalhar “de graça” pensando em ganhar algo em troca. Eles o fazem por desejarem realizar o bem, por senso de dever e por gratidão. Entretanto, os seguintes benefícios do trabalho voluntário foram constatados:

Benefícios

  • Tornar-se um voluntário propicia um grande sentimento de realização, o que por sua vez alivia o stress, a ansiedade e a depressão
  • Um voluntário se torna mais produtivo em seu trabalho remunerado. Peter Drucker, um famoso consultor  disse que o funcionário que presta serviços voluntários, por ser solidário à dor do próximo, é mais produtivo. Leolino C. B. Júnior, controlador de manufatura da 3M, após um ano de trabalho voluntário na FEAC (Fundação das Entidades Assistenciais de Campinas), deu o seguinte depoimento para revista Exame: “Eu parei de reclamar, me tornei mais otimista e melhorei meu índice de satisfação.” [1]
  • A Universidade de Harvard nos Estados Unidos realizou uma pesquisa por 10 anos, com 2,7 mil pessoas, e chegou à conclusão de que ajudar o próximo faz bem para o coração, para o sistema imunológico (análises clínicas evidenciaram que, no sangue do trabalhador voluntário, há um aumento de imunoglobulina-A, um anticorpo que ajuda a defender o organismo contra infecções respiratórias), aumenta a expectativa de vida e a vitalidade de maneira geral; além de outros benefícios à saúde.

Oportunidades

Os membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias tem inumeráveis oportunidades de servir de modo voluntário. O Presidente Gordon B. Hinckley, que serviu como 15º Presidente da Igreja, disse: “Fico constantemente admirado pela imensa quantidade de serviço voluntário prestado por nosso povo. Estou convencido de que o serviço voluntário é a forma de o Senhor executar a Sua obra.” [2]

Voluntários MórmonsRealmente um dos aspectos mais marcantes da Igreja é o serviço voluntário. Isso se dá, primeiramente, porque não há clero remunerado na Igreja. O Elder Dallin H. Oaks, membro do Quorum dos Doze Apóstolos explicou:

Não temos um clero remunerado com formação profissional na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Por isso, os membros leigos que são chamados para liderar e servir em nossas congregações têm de assumir todo o fardo de nossas numerosas reuniões, nossos programas e nossas atividades da Igreja. (…) O número de horas doadas por nossos membros para instruir e ministrar uns aos outros é extraordinariamente grande. Nosso empenho em fazer com que cada família de nossas congregações seja visitada por mestres familiares a cada mês e que cada mulher adulta seja visitada por professoras visitantes a cada mês é um exemplo disso. Não conheço nenhum serviço comparável em nenhuma organização do mundo.” [3]

Missionários

Ele também disse: “O exemplo mais conhecido de serviço e sacrifício incomparáveis na Igreja é o trabalho de nossos missionários. Atualmente, eles são mais de 50.000 rapazes e moças, e mais de 5.000 homens e mulheres adultos. Eles dedicam de seis meses a dois anos da vida para ensinar o evangelho de Jesus Cristo e prestar serviço humanitário [voluntário] em mais de 160 países do mundo. Seu trabalho sempre envolve sacrifício, inclusive os anos que dedicam ao trabalho do Senhor e também os sacrifícios feitos para prover fundos para seu sustento.” [4]

A Igreja possui um amplo Programa de Ajuda Humanitária que “fornecem ajuda em larga escala e de forma organizada para áreas necessitadas. Desde 1985, quando começou a fazer esse monitoramento, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias já doou mais de um bilhão de dólares em dinheiro e suprimentos para ajudar 167 países que precisavam de ajuda humanitária. Ela enviou um avião carregado com tendas, lonas, fraldas e outros suprimentos para as áreas do Chile atingidas pelo terremoto de fevereiro de 2010, e dois aviões com mais de 40.000 mil quilos de alimento e recursos de emergências para o Haiti em janeiro de 2010, devido ao terremoto catastrófico que lá ocorreu. A organização local, nacional e internacional da Igreja faz com que os esforços coordenados de assistência cheguem rapidamente, para que haja alimentos, suprimentos e voluntários para trabalhar quando são mais necessários.”

Na Igreja, além do serviço formal em chamados eclesiásticos, os membros e amigos da Igreja podem ser voluntário de muitas maneiras.

ONDE SERVIR?

Os membros também são incentivados a serem bons cidadãos e trabalharem na comunidade. Por isso, projetos mundialmente reconhecidos, como o Mãos que Ajudam (que, inclusive, surgiu primeiro no Brasil) tem tanto sucesso.

E como se não bastasse, os membros da Igreja acabam servindo ainda mais de modo voluntário, em diversas outras áreas. Por exemplo: a J. Reuben Clark Law Society – sociedade de advogados que reúnem vários operadores do Direito SUD, incentiva seus membros à atividade pró-bono, ou seja, atendimento jurídico gratuito.

Mormonsud.net

Este site – mormonsud.net – também é resultado de serviço voluntário. Pois a More Good Foundation, organização sem fins lucrativos que administra este site, possui um grande time de voluntários. E por falar nisso: acabamos de começar nosso Primeiro Programa de Voluntariado no Brasil – e contamos com ajuda, talento e disposição de vários voluntários, que de modo altruísta, desejam transmitir bondade. (O próximo programa está previsto para começar em março de 2016)

Para finalizar fica nossa admiração e parabenização a todos os voluntários que fizeram a melhor escolha: a de dedicar horas, dias e anos para o bem-estar do próximo, seguindo o exemplo do Mestre, que trabalhou com amor incondicional, sem pensar em si mesmo.

_________

NOTAS

[1] Revista Exame de 18 de junho de 1999.

[2] “A Situação da Igreja”, Conferência Geral Abril de 2003.

[3] “Sacrifício”, Conferência Geral Abril de 2012.

[4] Idem a Nota anterior